Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Abusos, corrupção, sono… O que o Papa Francisco disse à imprensa italiana

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Audience-March-08-2023-Antoine-Mekary-ALETEIA

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 14/03/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 14 de março de 2023
  1. Abusos, corrupção, sono… O que o Papa Francisco disse à imprensa italiana
  2. Em Frankfurt, no coração da máquina sinodal alemã
  3. O Papa Francisco visitará uma igreja em Roma durante as “24 horas para o Senhor”

1Abusos, corrupção, sono… O que o Papa Francisco disse à imprensa italiana

Por Hugues Lefèvre: Na véspera do décimo aniversário de seu pontificado, o Papa Francisco concedeu uma nova entrevista – a quarta a ser transmitida em três dias – ao órgão de comunicação italiano Il Fatto Quotidiano, em 12 de março de 2023. O Papa voltou ao tema da luta contra o abuso sexual na Igreja, um projeto iniciado por Bento XVI.

O “grande mérito” da consciência da Igreja sobre a crise dos abusos deve ir para seu predecessor. Para Francisco, Bento XVI soube “denunciar publicamente este enorme escândalo”, e isto enquanto ele ainda era cardeal – Joseph Ratzinger foi prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé de 1982 a 2005. Ele saúda este homem que lutou “com todas as suas forças” contra o acobertamento na Igreja.

Enquanto Roma é regularmente acusada de não fazer o suficiente na questão do abuso, o Papa Francisco é categórico: “Se um caso de abuso é revelado na Igreja, o que já é uma monstruosidade em si, ele será sempre tratado com a máxima seriedade” Ele acrescentou: “Não há lugar na Igreja para aqueles que se contaminam com este abominável pecado contra Deus e as pessoas”.

Na entrevista, ele explica mais uma vez que o tempo de acobertamento terminou na Igreja desde o escândalo de Boston em 2002. Citando o caso das famílias onde, segundo ele, “40% dos casos de abuso ocorrem”, o Papa Francisco explicou que encobrir o abuso também é um hábito presente na vizinhança e no mundo do esporte.

Referindo-se à cúpula mundial sobre abuso realizada no Vaticano em 2019, o Papa de 86 anos salientou que os líderes da Igreja tinham se encontrado com as vítimas pela primeira vez. “Creio que esta foi a mudança mais importante e radical na mentalidade da Igreja para lidar com o abuso: começando por ouvir as vítimas”, confessou ele.

Nenhuma avaliação a ser feita após 10 anos

“A Igreja não é uma empresa nem uma ONG e o Papa não é um diretor administrativo” que deveria prestar contas no final do ano, explica o Papa Francisco nesta entrevista. Quando perguntado sobre um programa que ele teria que implementar, ele disse que no início de seu pontificado ele pensou nas palavras de Bento XVI. No início de seu pontificado, seu predecessor havia dito: “Meu verdadeiro programa de governo não é fazer minha própria vontade, não perseguir minhas próprias ideias, mas, junto com toda a Igreja, ouvir a palavra e a vontade do Senhor”.

Referindo-se às congregações gerais nas quais participou em 2005 e 2013 antes de entrar no conclave, o Papa Francisco confidenciou que eram “duas ocasiões importantes para enfrentar o estado de saúde da Igreja, especialmente os problemas a serem enfrentados”. Segundo ele, “dois cenários muito diferentes foram descritos”.

Em 2013, o Papa disse que todos os cardeais, inclusive ele próprio, fizeram exigências “muito concretas” à pessoa que seria eleita. O 266º sucessor de Pedro explica que em 10 anos ele colocou em prática os pedidos elaborados durante estas reuniões pré-conclaves. Ele cita como exemplo a criação de um conselho de cardeais restritos para apoiar o papa em seu governo, que acaba de ser renovado. Ele também menciona o trabalho sinodal em andamento na Igreja. “Quando falo da Igreja, não me refiro apenas a nós padres, que somos 1%, mas aos leigos, que perfazem 99% da Igreja”, disse ele.

“Eu nunca perdi o sono”

Perguntado sobre as dificuldades de dirigir a barca de São Pedro, o Papa respondeu que ele “nunca tinha perdido o sono”. Ele deplora as “reconstruções totalmente fabricadas” que ele lê aqui e ali. “As coisas são muito mais simples do que aparecem por fora”, insiste ele.

Ele também salienta que é bom que algumas pessoas na Igreja tenham a coragem de dizer as coisas cara a cara, “sem alimentar os mexericos, que matam”. Neste sentido, ele nos lembra que unidade não significa uniformidade.

Quando perguntado pelo jornalista italiano o que mais o faz sofrer, o pontífice argentino responde imediatamente que se trata de corrupção. “Não estou falando apenas de corrupção econômica, dentro e fora do Vaticano, estou falando de corrupção do coração”, diz ele. E ele adverte: É muito difícil para uma pessoa corrupta converter-se: um suborno hoje e outro amanhã. “É por isso que os mafiosos são excomungados: eles têm dinheiro de sangue nas mãos. Eles negociam com armas e drogas. Eles matam os jovens e a sociedade. Eles matam o futuro. Devemos ser claros: não há lugar na Igreja para os mafiosos”!

Nesta entrevista, na qual o Papa também lembra o horror da guerra na Ucrânia ou sua condenação do clericalismo na Igreja, ele finalmente confessa que “ser Papa não é um trabalho fácil”. “Ninguém estudou antes para fazer este trabalho”, argumenta ele, tranquilizando-se lembrando que Jesus pediu a Pedro, um simples pescador que até o negou, que liderasse sua Igreja. “Esta é a misericórdia de Deus para nós”, regozija-se o Papa.

2Em Frankfurt, no coração da máquina sinodal alemã

Por Camille Dalmas, Frankfurt: O Caminho Sinodal terminou oficialmente em 11 de março, pouco mais de três anos após seu lançamento. Um olhar sobre a quinta e última sessão do sínodo, cuja atmosfera causou preocupação em Roma e em outras partes do mundo.

O edifício KAP Europa foi escolhido para sediar a última etapa do Sínodo alemão durante três dias. Este moderno edifício todo em vidro está localizado aos pés dos famosos arranha-céus de Mainhattan, apelido dado a Frankfurt para sublinhar seu status como a capital financeira da União Européia.

Restauração permanente e ilimitada, distribuição gratuita de Bíblias, o mais moderno equipamento eletrônico e organização meticulosa: o evento da Igreja Alemã, que tem fama de ser muito rico, não tem nada a invejar de uma convenção organizada por uma empresa cotada na bolsa de valores. Por decisão da Conferência Episcopal Alemã (DBK), o Caminho Sinodal Alemã tem recebido, desde 2020, um orçamento de 2,3 milhões de euros por ano.

Todos os 220 membros do Caminho Sinodal estão presentes. Cerca de 100 observadores da sociedade civil e religiosa alemã e internacional também foram convidados. Todas as Conferências Episcopais dos países vizinhos, com exceção da Holanda, também enviaram um delegado. O evento também mobilizou cerca de 100 voluntários e 100 funcionários de diversas organizações católicas alemãs. Finalmente, 80 jornalistas vieram para cobrir o evento.

No Salão do Caminho Sinodal

Na entrada do edifício, todos foram recebidos no primeiro dia por grandes grupos de pressão que vieram endereçar suas mensagens aos membros do Caminho Sinodal. Cada um distribui seus folhetos, grita seus slogans e esfrega os ombros contra seu oponente sem o menor sinal de agressão.

Quatro andares acima, a sala onde são realizadas as discussões foi montada como um parlamento inglês. Os membros do caminho sinodal, divididos em dois grupos, se enfrentam em uma plataforma onde estão sentados os moderadores, líderes designados e oradores. Sua colocação é determinada por ordem alfabética, a fim de apagar qualquer estrutura hierárquica entre bispos, sacerdotes ou leigos durante as discussões.

Aqui, o termo “caminho sinodal” é usado, mas nunca “sínodo”, uma forma de reunião limitada pela lei canônica que os bispos alemães se recusaram voluntariamente a convocar a fim de manter uma certa independência de Roma e permitir que os leigos votassem.

Onipresença do voto

A dimensão democrática é central: todos têm o mesmo tempo de palavra, que é cronometrado, e todas as fases do processo sinodal são governadas por um conjunto de regras que foram votadas no início do sínodo. Quase tudo o que é dito nesta sala está sujeito a votação. Pedir uma pausa, mudar uma vírgula em um texto, estender o trabalho até a noite: votamos, mesmo que isso signifique perder tempo para respeitar a burocracia processual.

Os resultados são adotados por uma estrita maioria para questões regulamentares. No que diz respeito aos “textos de ação”, dois terços dos votos devem ser obtidos para ratificar os documentos que expressam a vontade do caminho sinodal. Neste último caso, o voto dos bispos também deve chegar a dois terços, caso contrário, trata-se de um veto.

As instruções são dadas antes de cada votação: “Se você votar a favor da moção de emenda, pressione 1 para sim”. Caso contrário, vote 2 a favor do não ou 3 a favor da abstenção”. As abstenções têm um papel importante: os bispos as utilizam em várias ocasiões para mostrar sua recusa sem, no entanto, querer bloquear a passagem dos textos. A maioria dos textos foi adotada com mais de 90% dos votos. Cada vez, os resultados foram transmitidos em telões.

Um sistema de votação eletrônica sofisticado e muito confiável foi criado por um prestador de serviços. Quando perguntado por um colega jornalista se era possível manipular os resultados, um dos engenheiros responsáveis pelas inúmeras votações respondeu com um sorriso: “Só se você puder pagar mais do que a Conferência Episcopal!”

Um debate democrático estruturado

A agenda é seguida com muita seriedade, apesar dos atrasos devido à grande participação nas discussões. Assim, as intervenções, limitadas a dois minutos, são estendidas a um minuto e meio e depois a um minuto – após uma decisão tomada por votação, é claro.

Cada texto – cerca de quinze – é apresentado pelos membros do “Fórum” encarregado do assunto, depois comentado por um relator que o redigiu e, finalmente, são apresentadas emendas. O texto pode ser enviado de volta para uma segunda leitura, caso seja tomada uma decisão por maioria. Isto é seguido por uma longa seqüência de discussões durante as quais cada orador dá sua opinião sobre o texto e as instruções de votação. Finalmente, as emendas são votadas, uma a uma, e depois o texto como um todo.

A estratégia é importante durante esta seqüência: alguns explicam porque eles estão fazendo concessões para forçar a outra parte a fazer concessões. Os participantes também podem decidir votar para tornar pública uma votação – isto será feito sistematicamente para cada votação do texto.

Há regras específicas para limitar o discurso no caso de discussões sobre abuso, para evitar traumatizar as vítimas, embora em geral as discussões sejam sempre respeitosas e bem argumentadas.

Ar fresco

Alguns momentos espirituais são organizados, notadamente no início e no final de cada dia. Eles são conduzidos por um padre e uma leiga. Eles são frequentemente acompanhados por um conjunto musical de três jovens católicos que cantam salmos e textos de Karl Barth para música suave. No meio do segundo dia, uma missa foi celebrada pela “equipe de animação espiritual” na sala de discussão.

O ritmo do trabalho é muito intenso: às vezes quase três horas de discussão ininterrupta e há poucos intervalos. As intervenções dos observadores de outros países, notadamente Itália, Austrália, Tanzânia e Índia, são intercaladas entre as seqüências de discussão. Finalmente, atividades artístico-espirituais ou festivas são organizadas à noite.

3O Papa Francisco visitará uma igreja em Roma durante as “24 horas para o Senhor”

Por Hugues Lefèvre : O Papa Francisco confirmou durante o Angelus de 12 de março de 2023 que visitaria uma paróquia romana na próxima sexta-feira, por ocasião da iniciativa “24 Horas para o Senhor”. Ele pediu novamente para não esquecer o “povo ucraniano martirizado”.

O Papa Francisco estará mais uma vez envolvido na iniciativa “24 Horas para o Senhor”, um “tempo dedicado à oração, adoração e ao sacramento da reconciliação”, disse ele da janela do Palácio Apostólico em frente a quase 20.000 fiéis reunidos na Praça de São Pedro. Lançado no início de seu pontificado e organizado pelo dicastério para a evangelização, este evento, inicialmente limitado a algumas igrejas romanas, é agora realizado em dioceses de todo o mundo na véspera do 4º domingo da Quaresma.

Na tarde do dia 17 de março, o pontífice visitará a paróquia de Santa Maria das Graças, logo ao norte do Vaticano. Durante a celebração, todos os fiéis que o desejarem poderão receber o sacramento da reconciliação, disse o dicastério da Evangelização em um comunicado emitido em 7 de março.

Lembrete da consagração da Rússia e da Ucrânia

Durante a primeira edição das “24 horas para o Senhor”, em março de 2014, o Papa Francisco criou uma surpresa ao ir confessar ostensivamente na Basílica de São Pedro. O objetivo era claro: encorajar os católicos a redescobrir o gosto por este sacramento, durante o qual a Igreja ensina que Deus perdoa os pecados. Foi também com isto em mente que o Papa lançou um Jubileu da Misericórdia no ano seguinte.

Durante o Angelus, o Papa Francisco também fez eco ao “ato solene de consagração ao Imaculado Coração de Maria” que ocorreu no ano passado no contexto das “24 Horas para o Senhor”. Naquele momento, o Papa fez uma oração para confiar a humanidade, e em particular a Rússia e a Ucrânia, à Virgem Maria.

“Que nossa confiança não enfraqueça, que nossa esperança não vacile”, acrescentou o Papa Francisco enquanto a guerra na Ucrânia continua. Ele pediu aos católicos que permaneçam unidos na fé e na solidariedade com seus “irmãos e irmãs que sofrem por causa da guerra; acima de tudo, não esqueçamos o povo ucraniano martirizado!”

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Abusos SexuaisDireto do VaticanoUcrânia
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia