Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 24 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

A abordagem dinamarquesa para criar adolescentes felizes e confiantes

Adolescente sorrindo

Tatyana Soares | Shutterstock

Cerith Gardiner - publicado em 16/03/23 - atualizado em 22/06/23

Veja como tornar a vida familiar mais gratificante ao lidar com os os adolescentes de forma descomplicada

Não é nenhum mistério que a adolescência pode ser muito difícil para os pais e para os próprios adolescentes. Isso por causa das mudanças mentais e físicas pelas quais eles passam, juntamente com todas as pressões externas que eles sentem da escola, amigos e mídia social.

A boa notícia é que existem técnicas para tornar essa transição o mais suave possível. Uma delas foi desenvolvida pela psicoterapeuta dinamarquesa Iben Sandahl e está em seu livro The Danish Way of Raising Teens (“O modo dinamarquês de criar adolescentes”).

Levando-se em conta que os dinamarqueses são considerados alguns dos povos mais felizes do mundo, os conselhos dessa autora, que também é mãe, é definitivamente digno de nota, especialmente porque são baseados na compreensão e na compaixão. Aqui vão alguns deles:

Adeus “time-out”, olá “time-in”

Pais em todo o mundo usam castigos como punição há anos. No entanto, um dos problemas desse método é que, embora estimule um período de reflexão, ele não resolve o problema. Na verdade, isolar um adolescente incompreendido em seu quarto pode levá-lo a sentir ainda mais raiva e ressentimento.

“Ultimatos, lutas pelo poder, castigos e gestos para envergonhar seu adolescente passam a ideia de que você é dominante e está acima deles”, afirma Iben, conforme reportagem publicada no Daily Mail.

Ela explica que os adolescentes nem sempre conseguem controlar seu comportamento e é melhor serem guiados pelos pais, não punidos. Iben, portanto, sugere adotar a abordagem “time in”, que é mais “carinhosa e valiosa”.

Essa técnica “oferece uma pausa para que os adolescentes se expressem e se acalmem em um ambiente seguro, não ameaçados com ultimatos”, destaca Iben, acrescentando:

“Ter um pai presente para co-regular com o adolescente e fornecer linguagem para seus sentimentos, conforto e orientação sobre métodos alternativos de se expressar torna os intervalos uma alternativa melhor. Se você apontar apenas o que seu filho não pode fazer, ele terá dificuldade em descobrir o que você quer que ele faça.”

Essa abordagem faz sentido. Os pais costumam ser rápidos em dizer aos filhos o que não fazer, mas às vezes nossos adolescentes estão desesperados por orientação.

Iben também conta que algumas famílias têm uma “poltrona sagrada”, onde os membros podem se sentar sem serem incomodados. “Adoro este conceito porque todos precisamos de estar perto de quem nos dá segurança na hora de acalmar o nosso sistema nervoso”, explica a psicoterapeuta.

TEENAGER DISCUSSING WITH PARENTS
Conversa franca dos pais com filhos adolescentes sempre é necessária.

Dar informação aos adolescentes

Uma maneira de fornecer orientação aos adolescentes é dar-lhes as informações de que precisam. Embora haja muita informação na internet, se você for capaz de manter uma discussão de uma forma que seus filhos adolescentes não se sinta, julgado,, você fortalecerá seu relacionamento com eles  E um adolescente informado se sentirá mais confiante em relação a qualquer problema que tenha.

Lidar com a rejeição

Às vezes, um adolescente pode evitar suas tentativas de entender o que está acontecendo com ele. Às vezes, eles vão querer ir para o quarto e refletir sobre o que os incomoda no momento. Pode parecer que eles estejam rejeitando você, mas não estão. Na verdade, eles estão construindo mecanismos de enfrentamento que os ajudarão mais tarde na vida. Afinal, você nem sempre estará por perto para ajudá-los a lidar com todos os problemas.

Não leve as mudanças de humor para o lado pessoal

O cérebro de um adolescente passa por uma séria reprogramação que só termina por volta dos 20 anos para as meninas e 22 para os meninos. E, nesse tempo, as montanhas-russas emocionais dos adolescentes permitirão que eles cresçam em empatia.

Mantenha a calma com os adolescentes

Você pode não estar ciente do processo químico de 90 segundos que seu filho adolescente experimenta. Em um espaço de tempo muito curto, o corpo de seu filho é preenchido com substâncias químicas que podem fazê-lo passar de uma emoção para outra em um piscar de olhos. Se ele vir que você permanece calmo enquanto o cérebro dele é estimulado, isso o o ajudará a se acalmar também, enquanto o sistema nervoso dele estiver se sincronizando com o comportamento.

Aprecie a confusão

Em todas as fases da infância, nossos filhos aprendem o que não é mais um comportamento aceitável para sua idade. Isso não acontece da noite para o dia e, às vezes, eles podem ficar um pouco confusos sobre por que certas ações ou maneiras de falar não são mais apropriadas para a idade. Nesse caso, uma orientação gentil é fundamental.

Crie limites justos

Não há dúvida de que nossos adolescentes precisam de limites, mas também precisam correr riscos para crescer. Ao estabelecer limites, tente garantir que eles sejam razoáveis. Se houver alguma discórdia com seus filhos adolescentes, tenha uma discussão aberta e ouça-os antes de tomar uma decisão.

Atribua tarefas

Não é nenhuma surpresa que as tarefas sejam boas para nossos filhos. Mas Iben aponta que as tarefas domésticas permitem que nossos adolescentes se “distanciem” de todos os seus problemas e fazem com que eles se sintam úteis.

Construa uma relação de confiança com os adolescentes

Iben compartilha que o povo dinamarquês realmente valoriza a confiança, algo que leva à formação de indivíduos confiantes e felizes. 

Enfim, seguindo os pontos acima você estará desenvolvendo um relacionamento baseado na confiança. Seu filho adolescente pode cometer erros e, ainda assim, ser compreendido.

Tags:
EducaçãoFamíliaFilhospais
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia