Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 23 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Bispos da Polônia se unem para defender João Paulo II

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
papież Jan Paweł II w Kalwarii Zebrzydowskiej podczas pierwszej pielgrzymki do Polski w roku 1979

BOCCON-GIBOD/SIPA/EAST NEWS

I. Media - publicado em 20/03/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 20 de março de 2023

Por Cyprien Viet: As recentes investigações jornalísticas acusando Karol Wojtyła de ter acobertado casos de abuso quando ele era arcebispo de Cracóvia foram feitas “em desrespeito à análise científica, de forma tendenciosa, muitas vezes anedótica, sem conhecimento do contexto”, os bispos poloneses protestam em uma declaração conjunta, publicada por ocasião de sua 394ª assembléia plenária. Eles denunciam a manipulação da mídia dos documentos da polícia secreta comunista, que tinha como objetivo desestabilizar a Igreja Católica.

“Nos últimos dias, a pessoa e a imagem de São João Paulo II foram objeto de um ataque sem precedentes”, os bispos recordam, após a difusão de um documentário e de um livro denunciando as reações do então Cardeal Karol Wojtyła a casos de padres abusadores na diocese de Cracóvia, da qual ele foi arcebispo de 1964 a 1978. Eles apontam que estes documentos dos arquivos da polícia secreta comunista são tendenciosos e “mostram sobretudo a extensão da vigilância da pessoa do Cardeal Karol Wojtyła”.

Eles lamentam que estas investigações sejam baseadas em documentos elaborados por “aqueles que vigiaram os cidadãos, escreveram denúncias, colaboraram com o regime comunista, perseguiram os crentes e violaram as consciências”.

Documentação vista como tendenciosa

Um documentário transmitido na Polônia pelo canal privado TVN em 5 de março, assim como um livro publicado em 8 de março pelo jornalista holandês Ekke Overbeek, causou uma tempestade na mídia sobre a atitude do Cardeal Karol Wojtyła, o futuro João Paulo II, em relação aos casos de padres da diocese de Cracóvia culpados de abuso sexual de menores. Os bispos poloneses pediram a criação de uma comissão para investigar os arquivos diocesanos e assim restabelecer o equilíbrio diante de documentação considerada parcial e tendenciosa.

Um dos casos já havia sido tratado em uma investigação do jornal Rzeczpospolita publicada em dezembro de 2022, que, ao contrário, havia destacado a firmeza e o rigor do Cardeal Wojtyła. De fato, o Arcebispo de Cracóvia havia retirado do ministério um padre condenado por abuso sexual de meninas, que havia sido condenado por um tribunal civil. Ele então o restabeleceu na paróquia, mas sem a possibilidade de confessar ou catequizar, e sob a estrita supervisão do pároco-reitor, de acordo com o Código de Direito Canônico de 1917 então em vigor. Este jornal republicou recentemente o artigo para demonstrar que as acusações de inação contra o futuro pontífice são infundadas.

Defendendo o legado de João Paulo II

“São João Paulo II é um dos maiores compatriotas de nossa história. Ele é também o pai de nossa liberdade. Ele caminhou diante de nós como Moisés – ele nos tirou da casa da escravidão, nos conduziu através do Mar Vermelho”, insistem os bispos, colocando o pontífice polonês “na linha dos grandes profetas”.

“Suas peregrinações à sua pátria foram grandes retiros para a nação, marcos em nossa história, um sopro do Espírito Santo na consciência de compatriotas atormentados e desorientados”, eles se lembram. As visitas de João Paulo II em 1979, 1983 e 1987 enfraqueceram a ditadura no poder na Polônia, e foram marcos importantes para a queda dos regimes comunistas na Europa Central e para a queda do Muro de Berlim.

Os bispos poloneses também sublinham que João Paulo II “foi o primeiro cidadão do mundo; ele foi a todas as nações”, lembram, referindo-se às 104 viagens internacionais do Papa polonês. “Ele apelou para a unidade espiritual da Europa e nos lembrou de suas raízes cristãs, a partir das quais nossa cultura e nossa civilização se desenvolveram”, acrescentam eles.

“Sua pregação papal, suas visitas apostólicas e seus esforços diplomáticos contribuíram para o crescimento espiritual de milhões de pessoas em todo o mundo”, disseram eles. Para eles, João Paulo II “foi e continua sendo uma referência moral, um mestre da fé e um intercessor no céu”.

“O processo de canonização realizado, com uma análise histórica completa e científica, não deixa dúvidas sobre a santidade de João Paulo II”, insistem os bispos poloneses. Entre eles está o bispo Slawomir Oder, que foi o postulador da causa de beatificação e canonização de João Paulo II, e que acaba de ser ordenado bispo de Gliwice, no sul do país, em 11 de março.

“O julgamento da Igreja sobre a santidade de uma pessoa não é feito com base em decisões individuais ou na falta delas”, dizem, explicando que durante estes procedimentos complexos, “é o conjunto da vida e das atividades de uma pessoa, assim como os frutos que dela fluem, que são levados em conta”.

A pedofilia, um dos crimes mais graves de acordo com João Paulo II

“Como Papa, São João Paulo II considerou o dano a uma criança na esfera sexual como um dos crimes mais graves”, insistem. Referindo-se ao motu proprio Sacramentorum sanctitatis tutela de 2001, elaborado com a ajuda do Cardeal Joseph Ratzinger, então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, os bispos poloneses lembram que João Paulo II “obrigou todos os bispos do mundo a introduzir normas específicas para lidar com tais casos”.

“Fiéis às suas instruções, estamos hoje preocupados com a segurança dos menores dentro das estruturas da Igreja”. Sentimo-nos obrigados a ouvir e a dar ajuda concreta a todos aqueles que estão feridos”, disseram eles.

Recusa de uma instrumentalização política

Numa época em que a memória de João Paulo II se tornou um ponto de discórdia entre o governo e a oposição liberal, e apenas alguns meses antes das eleições parlamentares previstas para o outono de 2023, os bispos convidam a Igreja “a não usar a pessoa do Papa polonês para fins políticos atuais”. “Não nos dividamos, defendamos juntos nossos valores mais preciosos”, insistem os bispos, num clima de grande preocupação na Polônia sobre a ofensiva russa na Ucrânia.

Esta declaração conjunta se soma à do Bispo Stanisław Gądecki, o presidente do episcopado polonês, que em 9 de março apelou para “não destruir o bem comum e o legado” de João Paulo II.

Em recente entrevista a I.MEDIA, o Padre Stanisław Tasiemski, vice-presidente da KAI, a Agência Polonesa de Informação Católica, havia lembrado que durante o processo de canonização de João Paulo II, estas questões relacionadas a casos de abuso haviam sido examinadas, e os especialistas haviam concluído que o Cardeal Wojtyła havia agido de acordo com a lei da época.

Os documentos utilizados pelo diretor do documentário, ele explicou, vieram da polícia secreta comunista, e alguns podem ter sido fornecidos por arruaceiros sem “credibilidade”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Direto do VaticanoJoão Paulo IIPapa
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia