Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

O imperador romano que contou com a ajuda de uma poderosa criatura celeste

São Miguel Arcanjo

Procy | Shutterstock

Loo Burnett - publicado em 27/08/23

"Com este sinal, vencerás”: um acontecimento de origem preternatural conduziria Constantino e sua tropa para uma de suas principais vitórias

Filho de uma santa e conhecido, sobretudo, por vencer inúmeras batalhas entre os séculos III e IV, Constantino se tornou o primeiro imperador cristão do Império Romano com a ajuda de uma poderosa criatura celeste.

Constantino foi o responsável pelo fim das impetuosas perseguições aos cristãos na Europa. Conta-se que o imperador se dizia cristão, mas recebeu o batismo quase no leito de morte. Sua participação em nossa história cristã foi fundamental, contribuindo para a libertação da religião e a disseminação do culto micaélico.

Um acontecimento de origem preternatural conduziria Constantino e sua tropa para uma de suas principais vitórias: o combate que travou na ponte Mílvia, em Roma. Enquanto Constantino marchava com seu exército, avistou no céu o sinal da Cruz de Cristo, cujo fato pode ser testemunhado por todos os que o acompanhavam. Mas foi antes da batalha sobre a ponte Mílvia que, através de um sonho, uma voz misteriosa o avisou: “Com este sinal, vencerás”. 

Acreditando na sucessão dos acontecimentos, Constantino mandou gravar o sinal avistado sobre os escudos de seus combatentes. O símbolo cunhado era representado pelo cristograma Chi-Rho, um signo tradicional utilizado na arte cristã antes de Constantino se tornar imperador. E, imbuído da confiança, partiu com seus soldados para mais uma batalha, vencendo seus oponentes e alcançando a vitória já anunciada em sonho.

Ocorre que, dois anos depois desta conquista, em 314, um episódio extraordinário despertaria o imperador. Uma criatura celeste fulgura como um relâmpago clareando a noite escura e se apresenta diante de Constantino com imensas asas abertas, declarando: “Eu sou Miguel, chefe do Deus dos exércitos, o protetor da fé dos cristãos. Fui eu quem, quando você lutou contra o tirano e perverso, o ajudou, colocando a vitória novamente em suas mãos”. 

Como forma de agradecimento e reconhecimento pelos feitos deste tão poderoso Arcanjo, Constantino dedicou a suntuosa construção de um santuário honrando São Miguel sobre o antigo templo destinado à deusa Vesta, próximo de Constantinopla.

O Michaelion foi consagrado no ano de 337, tornando-se um dos primeiros e célebres locais  para reverenciar o Arcanjo Miguel. Inúmeras graças e milagres foram reportados pelos fiéis e devotos que peregrinavam ao Michaelion para pedir a intercessão do anjo mais importante do céu. 

_____

Bibliografia 

BURNETT, Loo. São Miguel Arcanjo um tratado sobre angelologia. SÃO PAULO: Paulus, 2021.

STANZIONE, Marcello.L´Arcangelo Michele e i suoi devoti amici: 50 testimonianze di santi e mistici. MILANO: Sugarco Edizioni, 2018.

Tags:
História da IgrejaromaSão Miguel
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia