Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Manuela Tulli, vaticanista: “A família Ulma encarna a santidade comum” [ENTREVISTA]

Jozef and Wiktoria Ulma Polish Catholic couple beatification

EpiskopatNews | Flickr CC

I. Media - publicado em 08/09/23

Perseguidos pelos nazistas por abrigarem judeus, Jozef e Wiktoria Ulma e seus sete filhos - incluindo um bebê - foram executados em 24 de março de 1944. Essa é a primeira vez que uma família inteira é beatificada como uma só. Veja aqui:

A beatificação da família Ulma no domingo, 10 de setembro de 2023, em Markowa, Polônia, é um evento excepcional na história da Igreja, pois é a primeira vez que uma família inteira é beatificada e reconhecida coletivamente como mártir. Perseguidos pelos nazistas por abrigarem judeus, Jozef e Wiktoria Ulma e seus sete filhos – incluindo um bebê – foram executados em 24 de março de 1944, juntamente com os oito membros da família judia que eles abrigaram por um ano e meio, os Goldmanns.

Manuela Tulli, vaticanista da agência de notícias italiana ANSA, é coautora de um livro com o padre polonês Pawel Rytel-Andrianik, chefe da seção polonesa da Rádio Vaticano, intitulado Uccisero anche i bambini – Gli Ulma, la famiglia martire che aiuto gli ebrei (em italiano), publicado pela Ares (em francês: Ils tuèrent aussi les enfants – Les Ulma, la famiglia martire qui aiuto gli ebrei). Ela fala à I.MEDIA sobre o significado dessa beatificação incomum.


Como você ficou sabendo do destino trágico da família Ulma?

Nós, jornalistas, geralmente procuramos histórias para contar, mas eu não procurei essa história: costumo dizer que foi a família Ulma que me procurou. Eu estava na Polônia em dezembro de 2022, na diocese deles, como parte de uma viagem organizada para visitar as instalações de recepção de refugiados ucranianos. O padre que interpretou para nós em italiano era o postulador para esse caso. Antes de partirmos para Kiev, ele nos deu um livro de fotografias de Jozef Ulma, dizendo-nos que a história dessa família merecia ser contada por jornalistas.

Eu nunca tinha ouvido falar deles antes, então simplesmente coloquei o livro em minha mala quando parti para a Ucrânia com outros colegas. Mas logo após meu retorno, em 17 de dezembro de 2022, o Papa Francisco autorizou a publicação do decreto que abre caminho para a beatificação dessa família. Então, reabri esse livro, ricamente documentado com fotografias tiradas pelo pai dessa família, que era fazendeiro, mas também fotógrafo do vilarejo, e tentei descobrir mais.

Fiquei emocionado com as coincidências entre essas diferentes situações: a guerra na Ucrânia e a Segunda Guerra Mundial, a recepção dada pelos poloneses aos refugiados ucranianos hoje e a recepção dada por essa família a esse grupo de judeus na época… Então, decidi aprofundar esse assunto para tornar essa história conhecida na Itália.

Então, esse martírio compartilhado por judeus e cristãos é um testemunho muito atual sobre o significado de uma vida renunciada em favor dos outros?

Sem dúvida, sim, e é por isso que este livro foi apoiado pelo Centro de Diálogo Cristão-Judaico da Universidade de Lublin, onde Karol Wojtyla, o futuro João Paulo II, era professor. Esses católicos e judeus viveram juntos, sofreram juntos, mas também experimentaram momentos de alegria.

Aqueles que os conheceram diretamente dão testemunho disso, em especial um amigo da família Ulma que faleceu este ano, aos 102 anos. Sabemos que as crianças de ambas as famílias brincavam juntas. E muito antes de sua beatificação, os Ulma foram reconhecidos como “Justos entre as Nações” pelo Centro Yad Vashem, em Israel. Portanto, trata-se de uma família que une, em um mundo que divide.

O seu relato também revela que essa família era moderna e culta, um fato notável na Polônia rural da época…

De fato, ambos os pais eram instruídos, tinham muitos livros e conheciam idiomas estrangeiros. Wiktoria entendia alemão e, por isso, compreendia tudo o que os nazistas diziam uns aos outros antes da execução. O casal sabia que corria o risco de ser condenado à pena de morte por esconder judeus, mas não desistiu. Foi uma escolha inspirada pelo Evangelho, que eles colocaram em prática. Na Bíblia que foi encontrada em sua casa, seus parentes notaram que eles haviam sublinhado, com um lápis, a parábola do Bom Samaritano. Eles estavam vivendo sua fé de forma autêntica.

A reputação de santidade continuou a cercar essa família nos anos seguintes ao massacre?

Sim, havia uma forma de santidade popular em torno deles, mas a Igreja não teve tempo para realmente estudar o caso durante o período comunista, porque havia outros assuntos urgentes. Foi somente nos últimos vinte anos, aproximadamente, que a causa deles foi formalmente estudada. Mas, com a memória de seus entes queridos, a devoção popular manteve esse fio conectado até os dias atuais.

Uma das coisas que mais me comove, além desse massacre horrível, é a beleza dessa família que abriu a porta de sua casa. Você pode ver nas fotos que são pessoas muito simples, descalças, que demonstram a “santidade da porta ao lado” da qual o Papa Francisco fala com frequência. Eles deram suas vidas de forma heroica, mas em uma vida comum. O pai, Jozef Ulma, simplesmente queria ajudar alguns amigos; ele conhecia pessoalmente essa família judia. Então, eles se organizaram simplesmente para preparar as refeições, lavar a roupa juntos… Era uma família feliz.

O fato de que as sete crianças, incluindo um bebê natimorto, também foram beatificadas é também uma mensagem para as famílias de hoje, um lembrete do valor de toda a vida?

Essa é a primeira vez que uma família inteira é beatificada como uma só. O sétimo filho é um caso especial porque sua cabeça, que saiu do útero da mãe, foi identificada quando o corpo foi exumado. Ele não tem nome, mas também é considerado pela Igreja como um mártir, em virtude do “batismo de sangue”.

O fato de esse massacre ter ocorrido em 24 de março, na véspera da Festa da Anunciação, também é um sinal mantido pela Positio (o relatório do dicastério para as Causas dos Santos que estabeleceu o martírio da família Ulma, nota do editor). Hoje, o dia 25 de março é também o dia dedicado à “nova vida” na Polônia. Essa história da família Ulma também pode dar muita esperança às famílias que perderam um filho. Ela nos lembra do valor das vidas dos menores, das pessoas que tiveram as vidas mais curtas, cuja santidade a Igreja pode, portanto, reconhecer.

Conheça a família Ulma:

Tags:
GuerraMártiresSantos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia