Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 25 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Há 70 anos, eles mantêm uma linha direta noturna para Deus

Servicio Sacerdotal de Urgencia de Buenos Aires

Courtesy of Servicio Sacerdotal de Urgencia de Buenos Aires

Esteban Pittaro - publicado em 30/10/23

Lançado em outubro de 1953, em Buenos Aires, o Serviço de Emergência Sacerdotal tem mantido uma linha telefônica noturna desde o início, atendendo a ligações todas as noites de pessoas doentes, suas famílias e equipes de saúde. O objetivo: tornar Deus presente mesmo nas profundezas da escuridão

“A noite pertence a Deus”. Sacerdote em Buenos Aires, o padre José María Villarino participa do Serviço de Emergência Sacerdotal (SES) uma vez por mês. É uma missão que ele considera essencial e a vê como uma Igreja “que vigia à noite”. O que exatamente isso envolve? O SES foi lançado há 70 anos, em 1º de outubro de 1953, em Buenos Aires. Totalmente gratuito, todas as noites do ano, ele tem várias equipes de vigilância, cada uma composta por dois ou três leigos e um padre, cuja missão é responder a chamadas de emergência para ajudar uma pessoa espiritualmente doente, administrando os sacramentos, particularmente a extrema-unção, ou respondendo às perguntas e ansiedades daqueles que ligam.

Atualmente presente em cerca de quinze dioceses argentinas, esse serviço ininterrupto esteve de plantão por mais de 25.000 noites, durante as quais mais de 64.000 pacientes e suas famílias foram assistidos. É um empreendimento monumental que envolve tanto padres quanto leigos. Com discrição e abnegação, há mais de 70 anos eles acompanham não apenas os doentes, mas também suas famílias e a equipe de saúde e de atendimento que os acompanha.

Emergencias-Sacerdotal-Argentina

Os voluntários admitem prontamente que testemunham milagres e graças genuínos que ocorrem à noite. Não se trata apenas de correr para que a pessoa no fim da vida possa receber a Unção dos Enfermos, um sacramento que, obviamente, é administrado durante o serviço. “Há histórias que terminam, outras que se abrem e até mesmo espaço para outros sacramentos inesperados”, diz o padre José María Villarino.

Entrevistado pela edição espanhola da Aleteia, Martín Braceras se lembra, acima de tudo, da alegria e da paz das pessoas visitadas, mas também da paz recebida em igual medida por aqueles que a dão. Para o padre José María Villarino, esse serviço personifica “a Igreja que está ao lado de Jesus para curar a dor”. “O abismo da misericórdia de Deus chama o abismo da dor. A dor é imersa na misericórdia de Deus, que é o Coração de Jesus”, explica ele.

As pessoas pensam que o paciente não está pronto, mas muitas vezes o paciente também está esperando por um encontro íntimo com Jesus e está preparado para tudo o que está prestes a acontecer.

Em termos práticos, o papel do leigo é acompanhar o padre e levá-lo até onde o paciente está. O paciente pode estar no hospital, em casa, em uma casa de repouso, etc. “Quando somos chamados, estamos prontos para ir. Quando somos chamados, anotamos onde o paciente está, seu nome, quem o acompanha, e os dois leigos e o padre dirigem até o local onde o paciente está”, explica Martín Braceras. “Em geral, os parentes estão perturbados, preocupados e agitados. Essa visita, que ocorre à noite e em horários bastante estranhos, traz muito conforto. Oramos juntos, os acompanhamos e eles compartilham conosco suas preocupações e medos”.

Os leigos recebem orientação sobre como acompanhá-los, inclusive como responder e participar da oração durante o sacramento dos enfermos. “Os leigos que trabalham com o Serviço de Emergência Sacerdotal já o fazem há muito tempo. Suas experiências são muitas e variadas. Muitas vezes somos testemunhas silenciosas de muitos milagres de pessoas que estão longe da fé, longe de seus irmãos e irmãs, longe de suas famílias, que se reconciliam”, diz ele. “Muitas vezes pensamos que a pessoa doente não está pronta, mas muitas vezes ela também está esperando por um encontro íntimo com Jesus e está preparada para tudo o que vai acontecer”.

Entre as histórias que pôde acompanhar, ele se lembra especialmente da de uma pessoa relativamente jovem na lista de espera para um transplante de coração, que ligou às 3 horas da manhã. E lembra: “O próprio paciente tinha um telefone celular escondido em seu quarto e ligou quando recebeu a notícia de que iria fazer o transplante. Ele pediu com urgência a presença do padre. Fomos imediatamente ao seu encontro e o padre pôde cuidar dele enquanto se preparava para a operação, pois o tempo estava se esgotando”. Ele continuou: “Eles não permitiam que ninguém se aproximasse, mas o homem insistiu que queria ver o padre, e o padre pôde cuidar dele enquanto o preparavam para o transplante”. O jovem se recuperou da operação e começou seu próprio apostolado no serviço de emergência sacerdotal da Diocese do Paraná. Às vezes, o paciente se recupera de sua doença, mas muitas vezes a visita ao SES precede naturalmente a partida do paciente para a casa do pai. O voluntário se lembra das muitas pessoas que deixaram o hospital aliviadas depois de receberem o sacramento dos enfermos.

Batismos e casamentos

Há também graças inesperadas, como a celebração de um casamento com um casal que esteve junto a vida toda. “Um homem muito idoso, que estava doente, estava esperando o padre de mãos dadas com sua esposa. E enquanto eles estavam conversando”, ele se lembra. “Eles disseram ao padre que nunca haviam se casado, que sempre haviam adiado por vários motivos, mas agora podiam receber o sacramento do matrimônio com leigos como testemunhas”.

Às vezes também são celebrados batismos. O Padre José María se lembra especialmente de uma visita à unidade de terapia intensiva do hospital pediátrico de Garrahan, onde uma mãe estava cuidando de seu filho de 7 anos, que havia sido completamente queimado em um incêndio. O padre batizou a criança, levou conforto e paz à equipe e, ao sair, recebeu um telefonema do chefe local agradecendo-lhe por ter vindo naquelas circunstâncias.

Papas e serviço sacerdotal de emergência

João Paulo II, durante sua visita a Córdoba em 1987, elogiou a SSU da seguinte forma:

Sei que, graças a uma iniciativa nascida nesta cidade de Córdoba, foi criado o primeiro Serviço de Emergência Sacerdotal, por meio do qual, todas as noites, sacerdotes e leigos, em expectativa vigilante, se mobilizam para responder ao chamado de Cristo por meio de seus doentes. Sei também que esse belo exemplo se espalhou por outras dioceses da Argentina. Isso me dá muita alegria, e eu os encorajo a continuar esse esforço apostólico, que mostra a preocupação da Igreja com seus filhos mais necessitados, dia e noite.

É uma iniciativa que só pode ser desenvolvida para tornar Cristo cada vez mais presente na vida de todos.

Tags:
leigosPadresTestemunho
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia