Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As três palavras para fazer durar a felicidade na sua relação

DANCING
Shutterstock
Compartilhar

Para que a felicidade dure na sua relação, você não precisa ler tablóides cheios de conselhos sobre o assunto. Três palavras simples são suficientes para viver feliz com o seu casal

“Cada vez que há noivos que vêm para me visitar, me dizia um sacerdote, eu lhes deixo estas três palavras: falar, perdoar, rezar.” Um programa de vida conjugal que se resume em três palavras, como os três pilares do amor. Falar, perdoar, rezar. Estas três palavras podem constituir muitos pontos de referência para nos ajudar a avançar na nossa relação, para nos questionar e fazer um balanço: em que situação estamos no que respeita à comunicação entre os cônjuges? Acaso não temos perdão para dar? Está a oração no coração da nossa vida?

Falar

Todos sabemos que podemos falar por nada, e que a comunicação no casal não é proporcional ao número de palavras trocadas. Isto se reflete no caso extremo de alguns casais onde um dos cônjuges não pode mais se expressar, devido a uma doença ou a um acidente, e ainda assim eles se entendem profundamente. Para que a palavra esteja a serviço do amor, devemos começar por escutar o outro. Muitos casais se queixam da falta de diálogo, mas poucos da falta de escuta. No entanto, foi a falta de escuta que impediu o diálogo: bastava que um abrisse a boca para que o outro, sabendo o que ia ouvir, olhasse irritado antes do final da frase. Em seguida, procuramos outro assunto para discussão, depois outro, etc., até que não haja mais. Vamos cair no anonimato e num pesado silêncio que não tem nada em comum com a compreensão do coração.

É voltando a tomar o tempo para sentir esta presença recíproca que uma palavra de amor pode emergir, depois uma conversa sobre um assunto que pode ser difícil, mas aceitável nos abismos do amor. E será a recuperação da partilha. Falar um com o outro, requer tempo. Você tem que saber como “perder tempo” conversando sobre coisas, tendo o tempo para estar realmente disponível para o seu cônjuge. Entre os cônjuges, não agendamos um encontro para falar sobre os assuntos mais sérios… Isto acontece muitas vezes de forma inesperada, à medida que as palavras vão passando, porque demos tempo para nos domarmos através de uma escuta real.

Perdoar

Podemos aplicar ao matrimônio o que Jean Vanier dizia sobre a vida comunitária em geral: “Se entramos numa comunidade sem saber que estamos entrando nela para aprender a perdoar e a ser perdoados setenta e sete vezes, logo ficaremos decepcionados”. É provável que muitos divórcios venham do fato de que a maioria das pessoas engajadas não percebe que o casamento é provavelmente onde nós temos mais perdão para dar e receber. Pelo contrário, muitos imaginam que “o amor é nunca ter que dizer que você se arrepende”, disse Erich Segal em “Love Story”. Quando surgem queixas – e surgem em algum momento, precisamente porque nos amamos uns aos outros e o amor nos torna vulneráveis – os esposos começam por fingir que não as vêem e acabam por pensar que já não se amam.

O perdão não é um fracasso do amor, é exatamente o contrário: é o sinal do verdadeiro amor. Eu me lembro de um padre que observava um casal de anciãos caminhando juntos e que então disse com grande admiração: “Um amor que dura assim representa centenas e centenas de perdões recíprocos”.

Rezar

Um casal de cinquenta anos recebeu um dia este conselho: “Todas as noites, sem exceção, digam juntos, de mãos dadas, um Pai Nosso e uma Ave-Maria para oferecer o dia a Deus, e também à noite para um bom descanso”. Um pouco céptico em relação a um requerimento tão simples, o marido, no entanto, concordou em rezar assim com a sua esposa.

E, alguns anos depois, testemunhou: “A nossa relação transformou-se. Isto é devido em grande parte a este breve mas fiel tempo juntos diante de Deus e para Deus. É a este abandono de nós mesmos na mão de Deus que devemos toda a simplicidade que agora temos em nossa vida de casal.”

Muitos casais não conseguem rezar juntos porque tomam resoluções que não são viáveis a longo prazo. Para rezar juntos – e durar em oração conjugal – não se deve procurar coisas muito complicadas: o que poderia ser mais simples do que recitar um Pai Nosso e uma Ave Maria? É quase nada, e muda tudo. Porque este “quase nada” é como os cinco pães e dois peixes do Evangelho: o Senhor os multiplica infinitamente.

Christine Ponsard

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.