Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como falar de sexualidade entre pai e filho

Dad - Father - Son - Boy - Discussing
© Roman Samborskyi
Compartilhar

Quando, como e a que ritmo devemos fornecer informação sobre sexualidade aos nossos rapazes? Isso pode parecer um autêntico quebra-cabeça, especialmente em uma sociedade onde ela se espalha por toda parte, falseada, degradada, distorcida

Este quebra-cabeça é acompanhado de outra dificuldade, muito maior, que é que o sexo é uma questão de intimidade. Esta intimidade conjugal, que é o segredo mais profundo da vida familiar, sem o qual os nossos filhos não teriam chegado a este mundo, e não estariam ali na nossa frente a fazer-nos certas perguntas – ou pelo menos não estaríamos a questionar-nos, ou até a torturar a nossa mente, para saber se e como deveríamos falar-lhes da sexualidade.

O pudor dos pais

Para os pais normalmente equilibrados e apaixonados um pelo outro, o pudor é grande. Pode ser paralisante, mas é melhor vencê-lo, porque é essencial que nossos meninos tenham as respostas às suas perguntas da nossa parte, os pais, em um diálogo respeitoso e carinhoso. Caso contrário, essa curiosidade será ainda mais acentuada: eles terão a impressão de que as coisas estão escondidas e que, se estão escondidas deles, é porque vale a pena escondê-las, que elas são altamente misteriosas. E eles irão, em segredo, sentindo-se como se estivessem cometendo um grande erro, para buscar os seus conhecimentos a partir das fontes de informação existentes no seus entornos pessoais.

Este entorno é em primeiro lugar a escola, com tudo o que se pode dizer no pátio entre os meninos sobre sexo, sobre o que é “sujo”. No entanto, o que eles podem dizer uns aos outros sobre o assunto, através de gabarolas, críticas, fotos ou vídeos pornográficos, não parece ser uma fonte de informação muito confiável ou construtiva, apesar de ser difícil de evitar (sejamos realistas!). Sem esquecer que o conteúdo dos programas escolares é às vezes muito duvidoso. A solução reside precisamente naquilo que mais falta em tudo o que acaba de ser referido, a saber, o pudor. E o nosso pudor parental em falar sobre estas coisas é, em última análise, muito mais uma solução do que um problema.

O nosso pudor, que nos conduz à delicadeza, nos dá a forma mais segura de fazer com que os rapazes sintam a beleza da intimidade sexual. O nosso pudor deve levar-nos a não fornecer demasiada informação, ou seja, não mais do que a sua idade pode suportar. Por exemplo, falar demasiado cedo sobre desvios sexuais não parece apropriado. Apesar de não se tratar de excluir uma pergunta inesperada sobre este assunto.

Explicações e pequenos esquemas

Ao contrário, o nosso pudor nos obriga a acompanhar o desenvolvimento normal do menino até a puberdade, sem precipitar o movimento com informações indiscretas que mostrariam mais nossa preocupação do que sua real necessidade. Devemos, portanto, partir do que lhe interessa, do que observa sobre si mesmo, do que experimenta: cabelo, ereções, masturbação. É bom indicar-lhe que estas transformações fazem parte do seu processo de crescimento, que significam que está a tornar-se capaz de ser pai, de ter o seu próprio filho. É algo de que nos podemos orgulhar, apesar de ser um pouco impressionante.

Podem ser feitas algumas explicações, com pequenos esquemas, sobre a anatomia e funcionamento dos sexos masculino e feminino, sem pretender fazer dele um médico em biologia reprodutiva. Deve-se organizar sem qualquer tipo de pré-aviso, sem que os irmãos e irmãs sejam informados (não é assunto deles). Isso deve ser feito sozinho e não tem de durar mais de uma hora, contanto que a criança tenha a certeza de que poderá voltar e fazer perguntas sempre que quiser, de que estamos disponíveis.

A importância da primeira entrevista pai-filho

Desta forma, serão estabelecidas as bases para o futuro. O rapaz vai lembrar-se durante toda a sua vida desta entrevista em que o pai falou a serio com ele. Ele vai agradecer-lhe por ter aberto o seu horizonte a boas perspectivas. Muitas vezes, esta primeira entrevista é seguida por um grande silêncio de alguns rapazes e por muitas perguntas de outros (menos frequente). Se o menino souber que está se tornando capaz de ser pai, será mais fácil para ele deduzir o estilo de suas relações com as meninas, e isso será uma oportunidade para novas conversas.

Do mesmo modo, mais tarde, é claro, surgirão perguntas sobre contracepção. O respeito pela vida pode lhe parecer óbvio. E um pouco mais tarde, quando ele desenvolve uma certa maturidade, podemos até ter, como família, discussões francas sobre como a sexualidade é vivida hoje, as aberrações a que ela pode conduzir e as lutas esperançosas para travar sobre este assunto. A coisa mais importante é ter primeiro estabelecido uma base básica e sólida, focada na paternidade. E para falar da beleza da futura intimidade conjugal, nada supera a intimidade atual de um pai com seu filho.

Doutor Dominique Megglé

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.