Aleteia

Como ser mais paciente no dia-a-dia?

BUSINESSMAN
Compartilhar

Uma longa fila no supermercado, um capricho de criança, o mau humor de um colega, um cônjuge que é frustrantemente lento… Todos os dias, a nossa paciência é posta à prova. No entanto, ser paciente diariamente pode ser muito útil e ajudar a viver com serenidade

Sejamos pacientes connosco próprios. A primeira pessoa a quem devemos ser longânimos somos nós mesmos. Se não nos aceitarmos como somos, com a nossa lentidão para progredir, as nossas repetidas baixas, as nossas insuficiências e as nossas limitações, não seremos capazes de aceitar os outros. “Quantas agressões contra os outros estão simplesmente a acertar contas com si próprio. Os pais têm uma experiência cruel disso quando seus filhos lhes reenviam suas próprias faltas”, adverte o Padre Pascal Ide.

Reze pedindo paciência

Ser paciente consigo mesmo não é cair no orgulho. É cumprir a vontade de Deus ser paciente consigo mesmo, pois o próprio Deus é paciente. Para adquirir esta paciência, é essencial ter tempo para se expor à luz do Espírito Santo.

É preciso orar, especialmente quando se está tenso, zangado ou muito cansado. É na oração que podemos ser plenamente nós mesmos, em paz. É o olhar amoroso de Deus sobre nós que nos permite aceitar como somos, com mansidão e paciência.

A fadiga, o primeiro inimigo da paciência

Todo mundo sabe que qualquer coisa que ataque e perturbe nosso corpo prejudica nossa capacidade de ser paciente. Saibamos isto para o ter em conta. É claro que não é sempre possível dormir o suficiente, tampouco evitar o ruído, a acumulação de fadiga, as preocupações, mas é importante saber que os nossos estados de espírito estão profundamente ligados ao nosso estado físico. E quanto mais tenso e cansado estivermos, mais provável será que acumulemos artificialmente as causas da tensão e da fadiga. Você tem que saber como dizer: “Pare! Não aguento mais!”

Pedir perdão ao Senhor e à nossa família por nossa falta de paciência, fazer grandes resoluções, está tudo muito bem, mas talvez devêssemos começar a dormir mais – e assim seja se nossas outras obrigações padecem disso. Devemos decidir então nos organizar de modo a manter um pouco de tempo todos os dias, todas as semanas “para si mesmo”, para respirar, relaxar, descansar e… rezar.

A paciência é exigente

A paciência requer uma coisa a cada vez. Quando uma criança aprende a andar, é encorajada a dar um passo, depois outro… e assim, passo a passo, se torna capaz de caminhar longas distâncias. É assim que cresce: nada se consegue de uma vez, nunca se tem “tudo, imediatamente”. E se algum progresso parece deslumbrante, na maioria das vezes é porque foi preparado de forma invisível, como o grão que caiu na terra e germina discretamente, antes de engendrar uma planta magnífica. Somos muitas vezes tentados a forçar o crescimento da semente, correndo o risco de a esgotar, de exigir demasiado, demasiado cedo, dos nossos filhos, do nosso cônjuge, dos nossos familiares, dos nossos colegas…

Ser paciente é mostrar confiança

Ser paciente às vezes significa ter esperança contra toda a esperança. Muitos pais de crianças com deficiência nos dão, neste sentido, testemunhos luminosos. Ao concordar em caminhar passo a passo com seu filho, ao rejeitar o derrotismo e as falsas esperanças com a mesma energia, eles estão fazendo maravilhas, quando os mais eminentes especialistas estão desistindo. Ser paciente é perdoar “setenta vezes sete vezes”, como o próprio Deus nos perdoa. Significa partir novamente depois de cada fracasso, se levantar depois de cada caída, se recusando a se deixar desencorajar. Os nossos filhos, especialmente no período frágil da adolescência, têm uma necessidade infinita de perdão e de encorajamento.

Quando a nossa paciência seja posta à prova, voltemos para Aquele que é a fonte de todo o amor, para que Ele nos dê tesouros de paciência: os nossos filhos precisam deles para crescer na alegria.

Christine Ponsard

Boletim
Receba Aleteia todo dia