Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como dividir tarefas domésticas sem conflitos

Wash, Dishes, Family, Father, Son,
©DGLimages
Compartilhar

Remover o lixo, limpar o quarto… Mesmo que em uma família as tarefas domésticas sejam mais comuns do que desejamos, gritos e brigas por causa delas se repetem. No entanto, existe uma solução simples para pôr um fim a essas discussões

Muitas famílias já colocaram em prática o revezamento de tarefas. Lavar a louça, colocar a mesa, passar o aspirador na casa… E, no entanto, apesar de existir uma lista de tarefas a executar, ouvimos várias vezes ao dia: “Não é a minha vez!”. E aí em seguida seguem as brigas entre as crianças e até mesmo entre os cônjuges. Como acabar com essas disputas?

Aquele que é responsável e aquele a quem precisamos ajudar

Os turnos às vezes conseguem exercer um papel de justiça, limitando o serviço aquém da caridade. Mesmo se a caridade, para ser exercida, muitas vezes precisa de justiça, não pode ser limitada por ela.

No serviço da vida cotidiana, o objetivo não é apenas ajudar o outro, mas, através do serviço prestado, aprender a amar e experimentar que não há amor maior do que dar sua vida por aqueles que amamos.

Então, o que fazer quando tudo é ditado pela magnífica tabela de tarefas a serem executadas diariamente, cada um no seu horário? Devemos rejeitá-la?

Não, mas é preciso sem dúvida dar a ela um novo sentido, o que significa lembrar-se, como em qualquer jogo, qual é a regra.

Assim, aquele que está em seu “turno de serviço” não é aquele que deve fazer tudo, deixando aos demais nada a fazer.

Pelo contrário, precisamos entender que aquele que está no turno de serviço é também aquele a quem devemos ajudar.

É ele que tem a responsabilidade coletiva, mas a coletividade tem a responsabilidade de ajudá-lo, para que ele não seja esmagado nem humilhado no exercício de seu serviço. Proceder assim é introduzir o imprevisível ao planejado.

Dessa maneira, desenvolvemos a virtude da vigilância em relação aos outros, em vez da indiferença ou opressão. Essa atenção a quem serve levará outros a o ajudar em sua tarefa em outros níveis enquanto ele estiver prestando serviço.

Vincent de Mello

Boletim
Receba Aleteia todo dia