Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco

Manual de instruções para acolher a graça do abandono em Deus

By Jacob_09 | Shutterstock

Edifa - publicado em 13/05/20

Como pode ser difícil se abandonar à graça divina! Sobretudo quando os acontecimentos da vida vão de encontro aos nossos projetos profissionais. Contudo, é indispensável que procuremos nos abandonar para que sejamos salvos. Portanto, vamos compreender o que realmente quer dizer se abandonar à Providência Divina

Todas as pessoas que trabalham como salva-vidas sabem que, ao ajudar alguém que está se afogando, o principal perigo que estas pessoas correm é de se desesperar.

O medo, o desejo de sair da água a todo custo, geralmente leva a movimentos bruscos. A pessoa se debate ou se agarra desesperadamente ao seu salvador, e isso pode na verdade o impedir de nadar.

Dessa mesma forma frequentemente nos comportamos em relação ao Senhor. Em vez de deixá-lo nos salvar, procuramos fazer as coisas do nosso jeito.

Por medo ou orgulho – geralmente ambos ao mesmo tempo – nos recusamos a nos deixar conduzir, a nos abandonar na confiança. Como um homem afogado que procura respirar, todo homem busca a felicidade.

É um desejo inscrito profundamente em nós. Esse desejo é bom porque vem de Deus. Mas será que realmente acreditamos que ele sabe melhor do que ninguém o que é necessário para nossa felicidade e a de nossos filhos?

O abandono não é nem relaxar e nem ter preguiça

Quando nos recusamos a nos render ao amor de Deus, é como se estivéssemos dizendo a ele: “Eu sei melhor do que você o que preciso, o que minha família precisa”.

Somos como um homem afogado, que recusa a ajuda oferecida a ele porque tem medo e tenta manter-se fora da água a todo custo, sem ver que seu salvador sabe melhor do que ninguém o que fazer para trazê-lo de volta à terra seca.

No entanto, não podemos esperar a salvação sentados. Deus nos respeita demais para nos dar uma felicidade pronta. Ele quer nos associar à sua obra de amor e por isso nos dá a vontade, liberdade e múltiplos talentos para construir o Reino.

Mas todos esses talentos não devem nos levar a esquecer que nada podemos fazer sozinhos. Recebemos tudo do Senhor, sem ele não somos nada e não podemos fazer nada. Sempre que esquecemos disso, nós nos recusamos a nos abandonar.

Muitas vezes confundimos independência e liberdade, dizendo: “Não preciso de ninguém, posso administrar tudo muito bem sozinho”. Pensamos em nós mesmos como pessoas muito fortes e capazes, quando somos – fundamental e radicalmente – pobres.

Mas há também outro perigo: o Maligno. Como ele é muito habilidoso, ele sempre quer nos tentar inserindo o mal sob o disfarce do bem.

Assim, o homem preguiçoso será possivelmente tentado a justificar sua inatividade como um suposto abandono à Providência: “Não vale a pena que eu me canse, pois Deus cuidará de nós”. Já o covarde raciocinará da mesma maneira, refugiando-se na oração para evitar o risco de compromissos concretos, onde ele precisará se posicionar: “Senhor, conto contigo porque não quero que tu me peças para intervir nesta situação”. O abandono não é preguiça nem covardia.

O abandono não é uma atitude de pessoas iluminadas que estão longe da realidade

O mistério da encarnação nos coloca com os pés no chão e não há outra maneira de conhecer e servir ao Senhor a não ser viver a vida cotidiana da forma mais concreta possível. Não basta repetir: “Senhor, Senhor, obrigado por cuidar de nós!”.

Certamente o louvor é a oração dos que se rendem ao amor de Deus. Mas a única maneira de verificar a autenticidade desse louvor é confrontá-lo com a realidade. Questione-se: “Será que louvo à Deus somente durante meu tempo de oração ou esse louvor muda a maneira como lidarei com meus assuntos profissionais, resolverei as dificuldades da família, acomodarei as preocupações financeiras, planos futuros, etc?”.

Em verdade vos declaro: se não vos transformardes e vos tornardes como criancinhas, não entrareis no Reino dos Céus” (Mt 18, 3).

Se não aceitarmos nos abandonar com a absoluta confiança que tem uma criança, se não concordarmos em entregar tudo ao Pai – todos os nossos desejos, nossos projetos, nossas preocupações, aqueles que amamos e até nossos pecados – não seremos capazes de entrar no Reino de Deus.

Não seremos capazes de provar da felicidade do Reino, prometida desde agora para aqueles que possuem um coração pobre e humilde.

Christine Ponsard

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
ConfiançaDeusJesusOração
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais