Aleteia

O que devo fazer para ter uma boa memória?

KOBIETA COŚ ZAPOMNIAŁA
Shutterstock
Compartilhar

Deseja adquirir uma memória confiável ou obter mais capacidade de atenção? Qualquer que seja a sua idade e sua história, é possível fazê-lo! Basta saber que tipo de memória você possui e adotar o método apropriado

Filtre o essencial, descarte o supérfluo… Na era digital, Anne de Pomereu, professora de memória e metodologia, oferece-nos algumas estratégias para melhorar nossa memória.

Melhorar a memória, na era da inteligência artificial, é realmente útil?

A memória é indispensável para o raciocínio: só podemos pensar com inteligência se tivermos um mínimo de conhecimento. Quanto mais nosso mundo é digitalizado, mais crucial é ter uma boa memória.

Hoje em dia vivemos num mundo sobrecarregado de informação. Como a memória é associativa, precisamos ter em nós sólidos pontos de fixação que nos ajudem a capturar e preservar aquilo que for novidade.

Se as notícias falsas funcionam tão bem, é porque as pessoas negligenciam a aquisição de conhecimentos que deveriam poder perguntar-se: isso é verdadeiro ou falso?

Devemos lembrar de tudo?

Lembrar de tudo seria tão absurdo quanto inútil! Não temos que ter medo de esquecer, é uma função nobre da memória, não é o seu “reverso”. A pouca memória permite filtrar o essencial e descartar o supérfluo.

Além disso, o esquecimento é necessário para se recuperar de um trauma ou um sofrimento. O objetivo não é acumular conhecimentos como um robô acadêmico.

O que conta é memorizar conhecimentos sólidos que permitam o desenvolvimento de nossa liberdade interior, de nossa capacidade de tomar uma decisão verdadeira, sem pressão social ou ideológica.

Quando podemos confiar no conhecimento que dominamos, ganhamos em auto-estima, em paz interior.

Por que algumas pessoas têm uma memória muito grande e outras têm pouca memória?

Há uma desigualdade na distribuição dessa aptidão desde o nascimento. Mas não há nada determinado! Podemos adquirir uma memória extraordinária, porque a memória é aprendida. Ela só fica estragada se não utilizamos ela.

Existem vários tipos de memória?

Nossas capacidades estão desigualmente distribuídas dentro de nós. Costumamos falar de memória visual, auditiva ou cinestésica. Podemos ir além: memória de figuras, de nomes abstratos, de textos e poesias, de letras de músicas, de nossas lembranças pessoais, de lugares, de pessoas que conhecemos.

A imagiologia médica permitiu confirmar que nossa memória é plural: a memória a curto prazo (que vai se estragando com o envelhecimento) preserva as informações (de número e duração limitados) antes de transferi-las para a memória a longo prazo.

A memória a longo prazo é, por sua vez, constituída por uma memória gestual ou processual (andar de bicicleta, nadar, dirigir …), uma memória semântica (os conhecimentos aprendidos) e uma memória episódica (nossas lembranças).

Como podemos descobrir nosso tipo de memória?

Apenas pergunte a si mesmo: o que eu posso memorizar sem dificuldade? O que é mais difícil para mim? É extremamente difícil para mim lembrar os nomes das pessoas, mas lembro-me facilmente dos números. Minha filha se lembra da letra das músicas depois de ouvi-las duas ou três vezes, enquanto eu devo fazer um esforço para aprender de memória separadamente a melodia.

Que método você recomenda para melhorar nossa memória?

Vamos nos apoiar no que a memória faz sem esforço. A memória retém perfeitamente lugares e imagens. Então, vamos transformar, através da nossa imaginação, as coisas que queremos lembrar em sinais ilustrados. É o que eu chamo de “imagens mentais”.

Em seguida, ordenaremos essas imagens em lugares reais, fixadas em pontos de trânsito, distribuídas numa determinada ordem. A ordem dos lugares preserva a ordem das coisas. É o famoso “palácio da memória”, herdado dos gregos, conhecido, mas não amplamente utilizado. Algumas ideias bem fixadas são suficientes para acomodar muitas outras sem esforço.

Eu gosto muito de História, mas eu misturava tudo e não me lembrava de nada até que aprendi a cronologia dos reis e presidentes. Fiz uma lista das datas de seu reinado. Então, gravei as informações transformando os nomes e as datas em imagens mentais de uma maneira vívida em meu “palácio da memória”.

Coloco na mesma sala os reis que reinaram no mesmo século. Utilizando meu conhecimento cronológico, valorizo ​​melhor os programas históricos e lembro dos livros que leio sem dificuldade. É o que eu chamo de estratégia de cabides.

Sobre o que é essa estratégia?

Consiste em não memorizar tolamente. Para lembrar por muito tempo, você deve selecionar cerca de 20% do conteúdo – é o mínimo necessário e suficiente – que “codificaremos” de maneira sólida e que nos permitirá recuperar o restante sem esforço.

A senhora diz que a atenção é a porta de entrada para a memória. Na nossa sociedade de barulho e de telas, a atenção não é tão ruim?

Sem atenção, não há memória! No entanto, nossa atenção é frágil, desobediente, está sempre atraída para o que é mais fácil. A atenção é cobiçada pelos fabricantes de conteúdo (Facebook, Twitter, Snapchat, Instagram …), que são formidáveis ​​para roubá-la de nós.

Por exemplo, queremos trabalhar, mas facilmente perdemos duas horas navegando em nossos grupos. Hoje em dia, quem é bem-sucedido e se sente realizado é aquele que consegue dominar sua atenção e resistir à tentação de multitarefa.

Uma boa memória faz você feliz?

Claro! Simone Weil disse num tratado sobre a atenção, De l’attention: “A inteligência só pode ser guiada pelo desejo. Para que exista desejo, deve haver prazer e alegria. A inteligência é apenas frutífera na alegria”.

Conhecer um salmo de cor ou lê-lo no missal não é o mesmo. Meditar de cabeça uma oração aumenta minha alegria espiritual e me aproxima de Deus. Conhecer um lindo poema de cor nos deixa felizes. Quando um advogado argumenta sem ler suas anotações, isso reforça o poder de seus argumentos. Na memória há uma pedagogia da felicidade.

Caroline de Fouquières

Boletim
Receba Aleteia todo dia