Aleteia

Como aproveitar bem os momentos de lazer?

© unsplash ,Aanna Demianenko
Compartilhar

O tempo de descanso e lazer é como um laboratório que nos permite verificar o que realmente importa para nós

Quando o momento de lazer chega, dizemos a nós mesmos: “Agora que eu tenho tempo, poderei fazer muitas coisas. Vou ler todos os livros que estão empilhados na mesa de cabeceira. Vou sair e ver aqueles amigos que não tenho tempo de ver durante o ano, etc..”

Magnífico programa! Mas antes de aplaudirmos, vamos esperar melhor que chegue o final do tempo de descanso.

A experiência mostra, de fato, que esses fantásticos planos geralmente não são respeitados. Começamos milhares de coisas, mas raramente as terminamos. O que está acontecendo?

Um círculo vicioso que se instala gradualmente

É preciso dizer que, depois de trabalhar durante o ano, temos o direito de descansar um pouco. E que melhor descansar do que dormir abundantemente?

O incômodo é que a manhã que dormimos fica tão encurtada que nos parece que não vale a pena começar o trabalho sério. E o almoço está chegando. Que alegria prolongar a refeição, que prazer permanecer durante bastante tempo na mesa e ficar também bastante tempo deitado na cama!

E ser estiver calor? Existe piscina, rio ou praia nas proximidades? Afinal, estamos de férias, então por que não tomar um banho? E aquelas tardes têm a infeliz tendência de passar sem que percebamos. Voltamos no final da tarde, é certo, “cansados mas felizes”, e a noite já chegou.

As noites durante as férias são para socializar. Como se costuma dizer, a noite é jovem! É conveniente aproveitar as noites para conversar com os amigos, para sonhar, para se divertir, numa palavra… para viver. E a noite passa e as horas passam.

Nós vamos dormir tarde. Às vezes muito tarde. Na manhã seguinte, não dá em nada. O dia começa ao meio-dia. E assim o ciclo está instalado.

Quando o tempo vai passando

O tempo está muito calmo. O tempo passa, sem dúvida, sem fazer o menor comentário descortês. O tempo não tem pouca educação para pesar na consciência daqueles que o deixam voar. Ele nunca lembra que ele está passando e que não voltará. Não diz que é inacessível como um punhado de areia.

E, no entanto, o tempo é um presente do Deus Bom. Um presente muito desigualmente distribuído. Nem todo mundo recebe o mesmo. Ninguém nunca sabe quanto tempo está disponível. Talvez muito? Talvez pouco? Não se sabe. E, verdade seja dita, pouco importa.

Georges Brassens dizia numa de suas músicas: Le Temps ne fait rien à l’affaire; isto é, o próprio tempo não é o culpado. Apenas o bom uso que fazemos dele conta. Uma coisa é clara: o tempo determinado não é recuperado. O tempo passado nunca refaz seus passos. O tempo é como pão fresco, você tem que comer ele logo, não podemos ficar com ele.

É dever do cristão refletir sobre esta questão do tempo que passa. Não é uma questão trivial. Muito pelo contrário, não há mais assunto urgente.

De fato, somos seres muito precários, nossa vida é efêmera, depende de um fio e não sabemos se veremos o dia de amanhã. E, ao mesmo tempo, somos seres da eternidade. Temos a promessa de vida eterna. Cristo não nos convida urgentemente a fazer bom uso do tempo?

O tempo de descanso e lazer é como um laboratório que nos permite verificar o que realmente importa para nós.

Apenas pense que, para o que realmente importa para nós, sempre encontramos tempo! Se dizemos a nós mesmos que não temos tempo, não estamos realmente interessados.

Tenha cuidado, o mundo joga poeira em nossos olhos. Ele nos oferece todos os tipos de ocupações que são pura e simplesmente uma perda de tempo. E, ao mesmo tempo, esse mundo tem muito medo de desperdiçar o tempo que passa.

Como não acredita na eternidade, apega-se como um louco à ilusão de reter o tempo. Ele entra em pânico ao ver o tempo passar. Prefere não falar sobre isso. É urgente reagir!

O cristão, o tempo, o descanso e o lazer

Seria criminoso perder o tempo, ou seja, desperdiçar o precioso capital que o Nosso Senhor Jesus Cristo nos dá para que possamos usá-lo convenientemente.

O cristão é, por excelência, alguém que “tem” tempo. Conheça o “Mestre” do tempo, quem é o Criador. Foi Ele quem nos deu o tempo. Ele nos convida à vida eterna. A vida eterna é um instante de felicidade (ou de miséria) que não passa.

No momento, a regra do jogo é que não devemos, sob nenhuma circunstância, “desperdiçar” nosso tempo. Seria como perder um tesouro valioso que nos foi confiado. Quem será ilusório o suficiente para não cuidar dele? Quem será irresponsável o suficiente para desperdiçar isso?

As férias, o tempo de descanso e os momentos de lazer, para quem tem a alegria de apreciá-las, são um momento privilegiado para aprender a ser mestres do nosso tempo.

Não se trata tanto de fazer um programa tão rígido que nos afogue, mas de tomar a firme resolução de tirar proveito do menor momento recebido do Nosso Senhor.

Por exemplo, através da oração. Quando Jesus Cristo nos diz: “Estejam avisados e rezem incessantemente” (Lc 21,36), ele não diz “reze mais tempo”, mas “reze constantemente”!

São Lucas expressa claramente. E deveria ser o mesmo para tudo e especialmente durante as férias. Sejamos vigilantes o tempo todo: poderíamos prestar um serviço, facilitar uma reunião, fazer uma leitura etc.

Temos a sorte de estar livres de servidão e obrigações. Essa liberdade nos é dada para que possamos colocá-la à serviço do que é eterno, isto é, do que nunca acontecerá. E sabemos o que nunca vai acontecer? A Caridade.

O Nosso Senhor nos convida a dedicar todo o nosso tempo ao serviço da Caridade. O tempo de lazer será um tempo ganho se for colocado, a todo momento, ao serviço da Caridade.

Alain Quilici

Boletim
Receba Aleteia todo dia