Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 05 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconEstilo de vida
line break icon

Testemunho: o escotismo mudou completamente a vida deles

geste d'honneur scout

ChaiyonS021/Shutterstock

Edifa - publicado em 22/02/21

No Dia Mundial do Escotismo, descubra testemunhos de jovens os quais o Escotismo consolidou a fé ou os levou a descobrir um Deus que não conheciam

Alguns pais criticam o escotismo por sua dimensão religiosa. Será que eles a conversão de seus filhos? Foi o que aconteceu com Cassandra, aos 13 anos. “Durante as atividades no escotismo, descobri a vida de Jesus e isso me fez querer ser filha de Deus”, explica de forma simples. Aos 8 anos, ela pediu aos pais para ser batizada e escolheu uma de suas líderes como madrinha. Apesar da pouca idade, organizou detalhadamente o Dia D: “Queria ser batizada de uniforme, pelo meu capelão escoteiro, numa igrejinha situada perto do meu acampamento, na estrada para Santiago”, diz a jovem, que agora é guia e pretende ser líder escoteira, “para transmitir aos outros” o que recebeu. Este é um caso nada isolado. E mesmo que não vá tão longe a ponto de converter almas, o escotismo ajuda os jovens a crescer, compensando um ambiente espiritual quase inexistente ou mais ou menos questionado durante a adolescência.

Um lugar onde a fé é transmitida

Batizado, mas de família não praticante, Humberto tornou-se escoteiro a convite de um colega de classe. “Eu só ia à missa nos fins de semana de escoteiro, então uma vez a cada dois meses. Em casa, não falávamos de Jesus, rezávamos. Então, graças às etapas de progressão propostas no grupo, meu compromisso se tornou mais espiritual. Na estrada, aprendi a orar e a servir aos outros. Ao ver meus companheiros se ajoelharem durante a missa, percebi que algo diferente estava acontecendo. Comecei a ir à missa todos os domingos. Quando eu tinha 22 anos, saí na estrada e recebi o sacramento da Confirmação naquele mesmo dia”.

Sim, o reconhecimento e a transmissão da fé andam de mãos dadas. E não é por acaso. “Uma organização como a nossa perderia seu objetivo se não ensinasse religião às crianças”, escreveu seu fundador Baden-Powell (Scouting for boys, 1908). Ao detectar um espírito profundamente cristão no escotismo, o padre Jacques Sevin e o cônego Cornette importaram-no para a França em 1920 e deram-lhe uma espiritualidade católica. O objetivo deles? “Forjar as almas de nossos filhos, para reconstruir, após a guerra, em meio às ruínas materiais e morais acumuladas, a cidade de Deus”. Quase um século depois, os movimentos escoteiros católicos continuam, cada um a seu modo, a cumprir esta missão em um contexto de descristianização crescente.

O movimento obteve grande sucesso! Porque o catolicismo e pedagogia escoteira formam uma dupla vencedora, como resume Bruno Rondet, presidente da Rede Escotismo e Oração: “A Lei Escoteira está de acordo com as aspirações profundas que Deus colocou no coração do homem e que chamamos de lei natural. Ela acaba sendo uma excelente base para uma educação sobrenatural e para levar o escoteiro a viver de forma prática as exigências do Evangelho”.

Liderar permite que você se aproprie de sua fé adulta

“Graças à pedagogia escotista, desde muito cedo nos tornamos atores do nosso próprio progresso espiritual”, testemunha Delphine, ex-guia, líder de grupo dos Escoteiros da Europa. Assumir a responsabilidade por uma equipe por volta dos 16-17 anos é um passo essencial nesta progressão espiritual. O cuidado com a alma permite ao adolescente se apropriar de sua fé adulta. “Quando você é um líder de patrulha”, ela continua, “a vida espiritual dos guias é confiada a nós. Temos que caminhar espiritualmente de uma forma mais consciente e responsável. E na hora de ser chefe, servimos de modelo, como diz muito claramente a cerimônia de posse: “Os jovens te observam””.

Antes disso, o contato com guias seniores dá um impulso poderoso na vida espiritual. “Aprendi a encontrar um tempo pessoal com Deus nos meus dias, durante os quais medito com a Bíblia ou num texto espiritual, e releio o meu dia à luz da minha fé”, explica Delphine que, aos 37 anos, permaneceu fiel a esta prática. Muitos ex-membros confirmam isso: foi como escoteiros que eles realmente aprenderam a rezar. Durante o acampamento, a oração pontua o dia, as bênçãos precedem sistematicamente as refeições. Adquirimos o hábito de falar com Deus. Atividades vividas em meio a um caráter evangelizador também desempenham um grande papel nesta progressão espiritual. “Viver ao ar livre durante três semanas de acampamento permite que nos desconectemos do mundo moderno e nos concentremos no essencial. A beleza da natureza leva à reflexão e necessariamente leva a Deus”, constata Luís.

Antes de entrar por acaso na Rota com os Escoteiros da Europa, Patrício encontrou ali uma “pedagogia da beleza” que “estruturou a sua fé”. “A força do escotismo está nas orações e ensinamentos em torno de uma grande fogueira ou na montanha sob o céu estrelado”, explica ele. O Bom Deus passa pela Criação que contemplamos. Tivemos uma missa celebrada às 7h da manhã para dez escoteiros em uma pequena igreja românica e uma vigília de oração numa basílica lotada. Eu senti a graça de Deus ali”.

O escoteiro tem o compromisso de ser um missionário

A pedagogia escoteira é mais fecunda espiritualmente quando conduzida por um líder e um capelão. O Capelão Escoteiro é o embaixador de Cristo no meio das unidades. A sua simples presença testemunha um dom total a Deus e lembra aos jovens que devem colocar as suas atividades sob o olhar vigilante do Pai. Ele os acompanha individualmente no seu progresso humano e espiritual: preparação, promessas, direção espiritual para aqueles que o desejam. Ele celebra a missa e distribui os sacramentos. Sua boina dupla de escoteiro e padre promove uma proximidade única com os adolescentes.

Para Patrick, seu encontro com seu capelão escoteiro foi “decisivo” em sua jornada espiritual. “Sem ele, nunca teria questionado a minha vocação religiosa”, assegura. Trinta e cinco anos depois, Isabelle lembra com emoção que é graças ao seu capelão que conhece as orações, que não lhe haviam sido ensinadas nem por seus pais nem em sua escola católica. Ele a apresentou ao sacramento da penitência aos 16 anos. Testemunha dessas lacunas catequéticas, ele terminou organizando aulas durante as saídas escoteiras, o que fez os jovens dizerem que ele foi o seu verdadeiro professor de catecismo.

Mas, se o Escotismo é um lugar de transmissão da fé, é também porque o escoteiro está empenhado em ser missionário. “Ele trabalha para estabelecer o reino de Cristo em toda a sua vida e no mundo ao seu redor”. Entre o grupo Escoteiros da França, o anúncio da fé é opcional e deixado ao critério dos dirigentes de acordo com suas convicções e o público a que se dirigem. Foi justamente para evangelizar que João Batista, de 26 anos, se tornou líder desse grupo. “Recebemos jovens de origens muito diferentes, não praticantes ou mesmo que não têm fé. O escotismo é uma forma de evangelizar com grande potencial, mas a cada ano lutamos e temos dificuldades para recrutar líderes praticantes”, diz ele. Encontrar líderes que se comprometam a liderar as almas que lhes foram confiadas a Deus é um desafio para todos os movimentos. A luta pela fé não deve cessar por falta de combatentes.




Leia também:
O escotismo: uma escola de confiança




Leia também:
A oração do escoteiro católico

Élisabeth Caillemer

Tags:
JuventudeValoresVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Princesa Diana no Accord Hospice
Reportagem local
Um padre católico acompanhou a princesa Diana na madrugada de sua...
Ver mais