Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Dezembro |
São João Damasceno
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

O segredo para fazer penitência com rigor mas sem exagero

MAN,PRAYS,CHURCH

Pascal Deloche | Godong

Edifa - publicado em 09/03/21

Penitência! A palavra que ouvimos neste tempo, que vem para agradar nossos ouvidos sensíveis e nosso humor delicado. É, porém, à penitência que a Igreja nos convida neste tempo de Quaresma. Mas será que nós sabemos realmente o que é, a que se refere e o que ela acarreta?

A palavra “penitência” vem do latim poena, “pena” entendida no duplo sentido de julgamento e tristeza: penitência é a pena “infligida” em reparação por nossas ofensas, mas é também, e sobretudo, aquilo que sentimos por ter ofendido a Deus com as nossas faltas. Mesmo quando batizados, os cristãos não se livram das fraquezas de sua natureza humana: nem sempre são fiéis às promessas do batismo e muitas vezes cometem erros. Essa inclinação para o pecado permanece em cada um de nós. Além disso, Jesus nos chama à conversão. Este esforço de conversão que nos compete praticar “não é apenas uma obra humana”, recorda-nos o Catecismo da Igreja Católica (n. 1428): “É o movimento do coração contrito, atraído e movido pela graça para responder ao amor misericordioso de Deus que nos amou primeiro. “Seria oportuno [portanto] insistir mais no segundo sentido da palavra poena”, explica o padre Matthieu Rouillé d’Orfeuil, diretor de estudos do seminário francês de Roma. “A penitência exprime a tristeza de haver pecado, para redescobrir a alegria da salvação”. Muito pesada para alguns, a penitência não é tão popular. A Quaresma é então uma grande oportunidade de tirar o pó dessa noção-chave da vida cristã.

Um esforço essencial, invisível, mas concreto

“O apelo de Jesus à conversão e à penitência não visa prioritariamente as obras exteriores, como jejuns e mortificações, mas a conversão do coração e a penitência interior”, recorda o Catecismo (n ° 1430). “Não é a penitência visível que é o mais importante, mas a penitência que vem do fundo do coração”, sublinha assim a irmã filipina, freira da Família Missionária de Notre-Dame e responsável pela casa do Grand-Fougeray na França. Além disso, ela insiste, “a penitência, para um cristão, normalmente não é nada extraordinário, muito menos extravagante. Também não é intransponível. Consiste em viver humildemente as vicissitudes desta vida, aceitando as tristezas, pequenas ou grandes, que ela pode nos trazer”.

Muitas vezes, a penitência nos é oferecida sem que tenhamos que aplicá-la com a força do pulso: “Um cônjuge que nos irrita, os filhos que nos cansam, uma comida queimada, uma quebra de eletrodomésticos, uma enxaqueca, um engarrafamento que retarda o nosso caminho, etc., são todas as oportunidades de conversão “, diz o Pe. Marc Vaillot, autor de Amar é… Pequeno livro do amor verdadeiro (em tradução livre). Ele especifica: “A teologia clássica ensina que o ato principal e mais difícil da virtude da fortaleza é resistir ao que cai sobre nós, em vez de empreender esforços extenuantes. A paciência é, portanto, um esforço essencial, invisível, mas concreto.

As três formas de penitência

Se a Escritura e os Padres da Igreja insistem sobretudo nas três formas de penitência que são o jejum, a oração e a esmola, é para “exprimir a conversão em relação a si mesmo, em relação a Deus e em relação aos outros”, recorda o Catecismo da Igreja Católica (no. 1434). E isso pode se traduzir em esforços que não teríamos pensado espontaneamente. Para o padre Marc Vaillot, “o jejum também diz respeito à inteligência e à força de vontade, não apenas ao estômago: claro, pode-se comer um açúcar em vez de dois, um ou dois chocolates em vez de quatro; mas o jejum também pode ser evitar ser insolente com os pais, não ficar com raiva sem motivo, etc. “.

O mesmo vale para a oração: “Na Quaresma podemos rezar mais três Ave-Marias do que de costume; mas também podemos ir mais longe e viver esta penitência sendo melhores na missa, mandando mensagens de amor a Deus quando andamos na rua (orações ejaculatórias), não esquecendo de fazer uma oração antes de ir para a cama. A oração não se limita a alguns momentos exclusivos, mas a todos os momentos do dia.

Que tal esmolas? Sua realidade não é imediata? “Dar esmola”, responde o nosso interlocutor, “é também dar um sorriso a uma pessoa que não é necessariamente o teu melhor amigo, é conversar dois minutos com um sem-abrigo quando não temos dois reais no bolso, é desejar um feliz aniversário à sua sogra… Porque a esmola é o dom constante de si mesmo e não apenas os trocados que damos aos outros”.

Penitência, um ato de amor e não uma tarefa

Apesar da gentileza maternal da Igreja e da sabedoria de seus pastores, a penitência tem má publicidade. “É um ato de amor, não um filme de terror! », Avisa o Padre Armel d’Harcourt. “Não deve ser entendido como uma tarefa árdua, mas como uma resposta livre ao amor de Jesus que se ofereceu por nós na cruz”, afirma. E acrescentar: “A penitência não é um castigo de Deus: tem um lado alegre, de amor filial, pelo qual sabemos que, apesar de sua onipotência, Deus nos permite participar da salvação. ”

A penitência, portanto, procede do esforço amoroso e nos convida a voltar ao Pai de todo o coração. “O objetivo, avisa o padre Matthieu Rouillé d’Orfeuil, é a caridade: amar melhor a Deus e ao próximo. É, portanto, em função desse objetivo único, mais do que de um ascetismo individualista bem-sucedido, que as penitências a serem implementadas devem ser escolhidas. “Quanto mais amor temos a Deus, mais coração colocamos na conversão e na prática de penitência”, diz a irmã Philippine. “O esforço da penitência deve, portanto, ser preparado e realizado em oração, aconselha o padre Rouillé d’Orfeuil. Aceitarei assim receber, na morte e ressurreição de Jesus, o progresso espiritual de que necessito e que peço. Com um pouco de boa vontade, aceitarei deixar-me transformar por Cristo, da maneira como ele quer responder à oração que me inspira”. Nos basta um pouco de boa vontade!


SAINT ANTHONY OF PADUA

Leia também:
10 sugestões de Santo Antônio para fazer penitência pelos pecados

Joseph Vallançon

Tags:
EspiritualidadePenitênciaQuaresma
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais