Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 15 Abril |
São Damião Veuster
home iconEstilo de vida
line break icon

Como conviver com pessoas com transtorno mental na família?

MULHER AO AR LIVRE

Shutterstock_282875027- Iryna Kalamurza

Edifa - publicado em 10/03/21

A doença mental não afeta apenas a pessoa que vive. A vida de quem está ao redor vira de cabeça para baixo. A seguir encontre o conselho de um especialista para acompanhar um ente querido no caminho às vezes tortuoso da doença mental

As doenças mentais são o destino de muitas pessoas em todo o mundo. As famílias envolvidas muitas vezes se isolam, fechando-se junto a seus fardos. Exceto durante eventos dramáticos, o silêncio costuma reinar sobre essas famílias. Por ocasião do Dia Mundial da Esquizofrenia, Jean Canneva, ex-presidente da União Nacional Francesa de Amigos e Famílias de Doentes Mentais dá conselhos a famílias que têm dificuldades em viver com um ente querido que sofre de doença mental.

O que é uma doença mental?

Este termo não denota dificuldades menores ou momentâneas, mas doenças graves. A doença mental é progressiva, e não é uma consequência de pequenas deficiências intelectuais. Essas doenças marginalizantes costumam aparecer desde a adolescência. Seu principal sintoma costuma ser um problema de relacionamento consigo mesmo e com os outros. No início, é difícil distingui-la dos transtornos clássicos que vivem os adolescentes. A patologia é detectada através da persistência e do agravamento dos sintomas. A autonomia da pessoa passa a ficar reduzida; começam a surgir ideias, comportamentos obsessivos e descontrolados, criando vícios que podem ser quase intransponíveis. A doença empede a liberdade de expressão da pessoa, por seu caráter excessivo e interminável.

Quais são as diferentes doenças mentais?

Nós distinguimos neuroses de psicoses. No primeiro caso, as soluções são mais fáceis de encontrar (a pessoa sofre de sintomas como uma depressão temporária). Em princípio, quanto mais jovem a pessoa, mais falamos sobre neuroses. Um transtorno mental é infinitamente menos sério quando toca um adolescente e traz uma probabilidade bem maior de se recuperar do que quando ocorre na idade adulta. As psicoses, por sua vez, incluem esquizofrenia e depressão maníaca, que se manifestam em graus muito diversos. A palavra psicose, portanto, abrange realidades muito diferentes, mas na maioria das vezes encontramos sintomas de grande fragilidade e isolamento dramático.

Quais são os sinais que podem alertar as pessoas ao seu redor?

Há dois sinais principais a decifrar: uma espécie de excitação, até mesmo de delírio, com ciclos repetitivos (mais visíveis), ou uma ansiedade (mais escondida: medo da multidão, do passar do tempo, de morrer…). Estas são certamente duas expressões “clássicas” de sensibilidade, mas a doença mental as “radicaliza” e impede a passagem de um estado a outro com facilidade. Essa dificuldade de adaptação causa uma defasagem com o seu meio ambiente e, portanto, sofrimento. Cada um de nós pode experimentar alguma vez na vida a ansiedade existencial, mas ela é normalmente é compensada por atividades criativas ou hobbies que nos ajudam. Para pacientes psíquicos, essa falha permanece aberta. A inteligência em si não é afetada, mas o doente não consegue usá-la adequadamente. Esses distúrbios não se devem, no entanto, a uma fraqueza de caráter, mas a fatores biológicos, psicológicos e sociais. Esta situação é difícil de explicar. A doença mental é diferente de tudo: o paciente, sua família e aqueles que o acompanham ainda se deparam com uma realidade desconhecida.

É difícil para os pais não se sentirem culpados: “O que fizemos de errado em nossa educação para que nosso filho chegasse a esse ponto?” O que você responde a eles?

O risco é o mesmo em todos os países, em todos os círculos sociais e profissionais. Não é culpa de ninguém! Internalizar essa sensação de esterilidade (que parece natural no início) mina, impede o avanço, complica e intoxica os relacionamentos. É um erro pensar que os pais foram os responsáveis por “fabricar” a doença. Ao contrário do que se acredita, e que gera um preconceito generalizado, a hereditariedade não é uma especificidade importante das doenças psiquiátricas. Outro preconceito, enterrado pelos psiquiatras, mas que ainda parece estar em alta, é o das chamadas mães “abusivas”: tomamos por causa o que pode ser apenas uma reação legítima ao filho que sofre! Minha segunda resposta: informe-se, para evitar qualquer remorso. Essas doenças não são bem compreendidas. Acima de tudo, não se isole, peça conselhos a outras famílias. Sozinhos nós somos péssimos juízes.

A partir de que momento é preciso buscar ajuda médica, e como convencer o doente e a sua família da necessidade de tratamento?

O acompanhamento ao doente deve envolver uma parceria com cuidadores e gestores sociais:indivíduos e famílias sozinhos, mesmo profissionais experientes, ficam desconcertados com a complexidade dos problemas encontrados. Como as estadias em estabelecimentos especializados agora são reservadas para períodos de crise, 80% dos pacientes com doenças mentais estão fora dos hospitais. As famílias são, portanto, as primeiras a serem afetadas.

A reação inicial, seja dos pacientes ou dos familiares, consiste em sentir-se culpado e isolar-se, quando a expressão da dificuldade é o primeiro passo a ser dado. Devemos estender a mão para as famílias que passam por uma dificuldade assim, estreitar os laços. Principalmente porque em 40% dos casos a pessoa ainda mora com os pais; e que em mais de 70% dos casos a família está muito envolvida. Os grupos de apoio também fazem muito bem às famílias. É impossível esconder o rosto por muito tempo (“Amanhã será melhor…”), porque sem ajuda e sem cuidados, os distúrbios serão cada vez mais pesados.

Por fim, sabemos que os períodos de remissão que suscitam novas esperanças, mas que alternam com novas recaídas, são cansativos para todos. A intensidade do sofrimento psíquico é terrível, é o argumento essencial para convencer um doente a ir ao médico. A pessoa se desvaloriza, se isola do seu meio ambiente. Ela não encontra causa nem significado para sua doença. Nesse momento, é necessária a ajuda de pessoas que não a julguem.

É apropriado consultar vários médicos? A ajuda de um psicólogo pode ser suficiente?

As doenças mentais são casos médicos. É bom ser acompanhado por um psicólogo, mas é insuficiente. A terapia deve ser aliada a medicamentos. Durante o adoecimento psiquiátrico o paciente adquire problemas relacionais e confrontos frequentes com o médico fazem parte da patologia. Os pacientes têm dificuldade em admitir que estão decepcionados com seus cuidadores, pois procuram infinitamente a pérola rara que os compreenderá. Portanto, se eles têm afinidades com um médico específico, deixe-os tentar caminhar com ele. Para garantir a continuidade do atendimento, deve-se evitar trocar de médico com muita frequência.

O paciente deve conhecer o seu diagnóstico?

Quando a pessoa é jovem, o diagnóstico é muito difícil. É por isso que muitos médicos se recusam a dar um nome ao distúrbio, que não é necessariamente patológico. Um segundo motivo que exige cautela é a multiplicidade de formas que essas doenças assumem. Enfim, a imagem que tem essas doenças é péssima: basta evocar os “clichês” do hospital psiquiátrico de outrora. Alguns pacientes aguentarão ouvir o diagnóstico, outros não.

O que fazer em caso de crise? Como evitar que o paciente fique ressentido com seus entes queridos em caso de internação forçada, por exemplo?

Em caso de crise, é necessário chamar os serviços de emergência, é impossível lidar sozinho com uma situação assim. Mas a atitude diante de uma crise deve ser pensada de antemão, na medida do possível. Deve haver um número especial ao alcance de todos para emergências psíquicas. Na pessoa que sofre, há um grito implícito de ajuda, uma necessidade de uma resposta externa. Se isso for feito com habilidade e em parceria, a tensão pode cair. Já vi internações em que o paciente fica feliz em ser atendido, ou que, depois de se oporem, ficam aliviados ao ver que queremos ajuda-lo a lidar com a situação.

Como melhorar a comunicação com esse ente querido que sofre e se isola?

Ouvir ativamente é muito benéfico. Tanto quanto possível, as trocas devem ser claras, precisas, baseadas na realidade e na confiança. Deixe que o relacionamento seja verdadeiro. Quem sofre percebe sinceridade ou simulação, ainda mais quando está com a sua sensibilidade no limite. A expressão do rosto, por exemplo, não deve contradizer observações positivas. Evite críticas, interpretações, sarcasmos, ameaças… A insatisfação deve ser expressa, mas sem acusar, e evitando misturar dimensões emocionais muito fortes. Devemos também aprender a lidar com a natureza crônica e imprevisível da doença. E ajudar outras famílias que passam pela mesma situação permite trocas verdadeiramente positivas que geram segurança mútua.


Sintomas da depressão

Leia também:
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu próximo

Isabelle Larroque

Tags:
DoençaFamíliaSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
4
LOVE AND MERCY FILM
Aleteia Brasil
O filme sobre Santa Faustina e a Divina Misericórdia já está disp...
5
DIVINE MERCY
Reportagem local
Como obter indulgência plenária no Domingo da Divina Misericórdia...
6
agnus Dei
Catholic Link
Filme “Agnus Dei”: o dilacerante calvário das freiras...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais