Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Oração do dia
Festividade do diaHistórias de Santos

Santa Cecília

Mártir (†180)

CECILIA

Public Domain

Santa Cecília

Cecília era da “nobre família dos Metelos, filha de senador romano”. Desde a infância foi muito religiosa e, por decisão própria, fez voto secreto de virgindade. Os pais, acreditando que ela mudaria de ideia, deram-na em casamento, contra a vontade, a um jovem chamado Valeriano, também da nobreza romana. Ao receber a triste notícia, Cecília rezou pedindo proteção do seu anjo da guarda, de Maria e de Deus, para não romper com o voto. Após as núpcias, Cecília contou ao marido que era cristã e do seu compromisso de castidade. Disse ainda que para isso estava sob a guarda de um anjo. Valeriano ficou comovido com a sinceridade da esposa e prometeu cooperar, mas para isso queria ver esse anjo. Ela o aconselhou a visitar o Papa Urbano que, devido à perseguição, estava refugiado nas catacumbas. O jovem esposo foi acompanhado de seu irmão Tibúrcio, mas ficou sabendo que antes era preciso acreditar na Palavra. Os dois ouviram a longa pregação, ao final se converteram e foram batizados. Valeriano cumpriu a promessa. Depois, um dia, ao chegar a casa, viu Cecília rezando e ao seu lado o anjo da guarda.

Turcius Almachius, prefeito de Roma, teve conhecimento da conversão dos dois irmãos, promovida por Cecília. Delatou-os diante do tribunal e exigiu peremptoriamente que abandonassem, sob pena de morte, a religião que tinham abraçado. Os três foram presos, ela em sua casa, e os dois quando ajudavam a sepultar os corpos dos mártires nas catacumbas. Julgados, se recusaram a renegar a fé e foram decapitados. O prefeito, de novo, falou com Cecília em consideração à família ilustre à qual pertencia e exigiu que abandonasse a religião, ameaçando-a de morte. Cecília negou-se e, no próprio balneário de seu palacete, foi colocada para morrer asfixiada pelos vapores, mas saiu ilesa. Tentou-se, então, a decapitação. O carrasco a golpeou três vezes e, mesmo assim, sua cabeça permaneceu ligada ao corpo. Mortalmente ferida, ficou estendida no chão três dias, durante os quais animou os cristãos, que foram vê-la, a não renegarem a fé. Ao Papa entregara todos os bens, com o pedido de distribuí-los entre os pobres. Os soldados pagãos que presenciaram tudo se converteram.

Seu corpo foi enterrado na Catacumba de São Calisto. As diversas invasões dos godos e lombardos fizeram com que os Papas resolvessem a transladação de muitas relíquias de santos para igrejas de Roma. O corpo de Santa Cecília, no entanto, ficou muito tempo escondido, sem que se soubesse sua localização. Já no século VI No terreno de seu antigo palácio foi construída a igreja de Santa Cecília, onde se celebrava sua memória no dia 22 de novembro.

Entre os anos 817 e 824, o Papa Pascoal I empreendeu a busca de seu túmulo após ter tido uma visão de Santa Cecília. Finalmente, o corpo foi encontrado incorrupto e na mesma posição em que havia sido enterrado. Ao lado da Santa foram encontrados os corpos de Valeriano, Tibúrcio e Máximo. O ataúde de Santa Cecília foi fechado e colocado numa urna de mármore sob o altar da igreja a ela dedicada.

Outros séculos se passaram. Em 1559, o cardeal Sfondrati ordenou nova abertura do esquife e o corpo foi encontrado incorrupto, ainda na mesma posição descrita pelo papa Pascoal I. O escultor Stefano Maderno que assim o viu, reproduziu em finíssimo mármore, em tamanho natural, a sua imagem.

A devoção à sua santidade avançou pelos séculos sempre acompanhada de incontáveis milagres. Santa Cecília é uma das santas mais veneradas pelos fieis cristãos, do Ocidente e do Oriente, na sua tradicional festa do dia 22 de novembro. O seu nome vem citado no cânon da missa e, desde o século XV, é celebrada como padroeira da música e do canto sacro.

Cecília era da “nobre família dos Metelos, filha de senador romano”. Desde a infância foi muito religiosa e, por decisão própria, fez voto secreto de virgindade. Os pais, acreditando que ela mudaria de ideia, deram-na em casamento, contra a vontade, a um jovem chamado Valeriano, também da nobreza romana. Ao receber a triste notícia, Cecília rezou pedindo proteção do seu anjo da guarda, de Maria e de Deus, para não romper com o voto. Após as núpcias, Cecília contou ao marido que era cristã e do seu compromisso de castidade. Disse ainda que para isso estava sob a guarda de um anjo. Valeriano ficou comovido com a sinceridade da esposa e prometeu cooperar, mas para isso queria ver esse anjo. Ela o aconselhou a visitar o Papa Urbano que, devido à perseguição, estava refugiado nas catacumbas. O jovem esposo foi acompanhado de seu irmão Tibúrcio, mas ficou sabendo que antes era preciso acreditar na Palavra. Os dois ouviram a longa pregação, ao final se converteram e foram batizados. Valeriano cumpriu a promessa. Depois, um dia, ao chegar a casa, viu Cecília rezando e ao seu lado o anjo da guarda.

Turcius Almachius, prefeito de Roma, teve conhecimento da conversão dos dois irmãos, promovida por Cecília. Delatou-os diante do tribunal e exigiu peremptoriamente que abandonassem, sob pena de morte, a religião que tinham abraçado. Os três foram presos, ela em sua casa, e os dois quando ajudavam a sepultar os corpos dos mártires nas catacumbas. Julgados, se recusaram a renegar a fé e foram decapitados. O prefeito, de novo, falou com Cecília em consideração à família ilustre à qual pertencia e exigiu que abandonasse a religião, ameaçando-a de morte. Cecília negou-se e, no próprio balneário de seu palacete, foi colocada para morrer asfixiada pelos vapores, mas saiu ilesa. Tentou-se, então, a decapitação. O carrasco a golpeou três vezes e, mesmo assim, sua cabeça permaneceu ligada ao corpo. Mortalmente ferida, ficou estendida no chão três dias, durante os quais animou os cristãos, que foram vê-la, a não renegarem a fé. Ao Papa entregara todos os bens, com o pedido de distribuí-los entre os pobres. Os soldados pagãos que presenciaram tudo se converteram.

Seu corpo foi enterrado na Catacumba de São Calisto. As diversas invasões dos godos e lombardos fizeram com que os Papas resolvessem a transladação de muitas relíquias de santos para igrejas de Roma. O corpo de Santa Cecília, no entanto, ficou muito tempo escondido, sem que se soubesse sua localização. Já no século VI No terreno de seu antigo palácio foi construída a igreja de Santa Cecília, onde se celebrava sua memória no dia 22 de novembro.

Entre os anos 817 e 824, o Papa Pascoal I empreendeu a busca de seu túmulo após ter tido uma visão de Santa Cecília. Finalmente, o corpo foi encontrado incorrupto e na mesma posição em que havia sido enterrado. Ao lado da Santa foram encontrados os corpos de Valeriano, Tibúrcio e Máximo. O ataúde de Santa Cecília foi fechado e colocado numa urna de mármore sob o altar da igreja a ela dedicada.

Outros séculos se passaram. Em 1559, o cardeal Sfondrati ordenou nova abertura do esquife e o corpo foi encontrado incorrupto, ainda na mesma posição descrita pelo papa Pascoal I. O escultor Stefano Maderno que assim o viu, reproduziu em finíssimo mármore, em tamanho natural, a sua imagem.

A devoção à sua santidade avançou pelos séculos sempre acompanhada de incontáveis milagres. Santa Cecília é uma das santas mais veneradas pelos fieis cristãos, do Ocidente e do Oriente, na sua tradicional festa do dia 22 de novembro. O seu nome vem citado no cânon da missa e, desde o século XV, é celebrada como padroeira da música e do canto sacro.

Cecília era da “nobre família dos Metelos, filha de senador romano”. Desde a infância foi muito religiosa e, por decisão própria, fez voto secreto de virgindade. Os pais, acreditando que ela mudaria de ideia, deram-na em casamento, contra a vontade, a um jovem chamado Valeriano, também da nobreza romana. Ao receber a triste notícia, Cecília rezou pedindo proteção do seu anjo da guarda, de Maria e de Deus, para não romper com o voto. Após as núpcias, Cecília contou ao marido que era cristã e do seu compromisso de castidade. Disse ainda que para isso estava sob a guarda de um anjo. Valeriano ficou comovido com a sinceridade da esposa e prometeu cooperar, mas para isso queria ver esse anjo. Ela o aconselhou a visitar o Papa Urbano que, devido à perseguição, estava refugiado nas catacumbas. O jovem esposo foi acompanhado de seu irmão Tibúrcio, mas ficou sabendo que antes era preciso acreditar na Palavra. Os dois ouviram a longa pregação, ao final se converteram e foram batizados. Valeriano cumpriu a promessa. Depois, um dia, ao chegar a casa, viu Cecília rezando e ao seu lado o anjo da guarda.

Turcius Almachius, prefeito de Roma, teve conhecimento da conversão dos dois irmãos, promovida por Cecília. Delatou-os diante do tribunal e exigiu peremptoriamente que abandonassem, sob pena de morte, a religião que tinham abraçado. Os três foram presos, ela em sua casa, e os dois quando ajudavam a sepultar os corpos dos mártires nas catacumbas. Julgados, se recusaram a renegar a fé e foram decapitados. O prefeito, de novo, falou com Cecília em consideração à família ilustre à qual pertencia e exigiu que abandonasse a religião, ameaçando-a de morte. Cecília negou-se e, no próprio balneário de seu palacete, foi colocada para morrer asfixiada pelos vapores, mas saiu ilesa. Tentou-se, então, a decapitação. O carrasco a golpeou três vezes e, mesmo assim, sua cabeça permaneceu ligada ao corpo. Mortalmente ferida, ficou estendida no chão três dias, durante os quais animou os cristãos, que foram vê-la, a não renegarem a fé. Ao Papa entregara todos os bens, com o pedido de distribuí-los entre os pobres. Os soldados pagãos que presenciaram tudo se converteram.

Seu corpo foi enterrado na Catacumba de São Calisto. As diversas invasões dos godos e lombardos fizeram com que os Papas resolvessem a transladação de muitas relíquias de santos para igrejas de Roma. O corpo de Santa Cecília, no entanto, ficou muito tempo escondido, sem que se soubesse sua localização. Já no século VI No terreno de seu antigo palácio foi construída a igreja de Santa Cecília, onde se celebrava sua memória no dia 22 de novembro.

Entre os anos 817 e 824, o Papa Pascoal I empreendeu a busca de seu túmulo após ter tido uma visão de Santa Cecília. Finalmente, o corpo foi encontrado incorrupto e na mesma posição em que havia sido enterrado. Ao lado da Santa foram encontrados os corpos de Valeriano, Tibúrcio e Máximo. O ataúde de Santa Cecília foi fechado e colocado numa urna de mármore sob o altar da igreja a ela dedicada.

Outros séculos se passaram. Em 1559, o cardeal Sfondrati ordenou nova abertura do esquife e o corpo foi encontrado incorrupto, ainda na mesma posição descrita pelo papa Pascoal I. O escultor Stefano Maderno que assim o viu, reproduziu em finíssimo mármore, em tamanho natural, a sua imagem.

A devoção à sua santidade avançou pelos séculos sempre acompanhada de incontáveis milagres. Santa Cecília é uma das santas mais veneradas pelos fieis cristãos, do Ocidente e do Oriente, na sua tradicional festa do dia 22 de novembro. O seu nome vem citado no cânon da missa e, desde o século XV, é celebrada como padroeira da música e do canto sacro.

Cecília era da “nobre família dos Metelos, filha de senador romano”. Desde a infância foi muito religiosa e, por decisão própria, fez voto secreto de virgindade. Os pais, acreditando que ela mudaria de ideia, deram-na em casamento, contra a vontade, a um jovem chamado Valeriano, também da nobreza romana. Ao receber a triste notícia, Cecília rezou pedindo proteção do seu anjo da guarda, de Maria e de Deus, para não romper com o voto. Após as núpcias, Cecília contou ao marido que era cristã e do seu compromisso de castidade. Disse ainda que para isso estava sob a guarda de um anjo. Valeriano ficou comovido com a sinceridade da esposa e prometeu cooperar, mas para isso queria ver esse anjo. Ela o aconselhou a visitar o Papa Urbano que, devido à perseguição, estava refugiado nas catacumbas. O jovem esposo foi acompanhado de seu irmão Tibúrcio, mas ficou sabendo que antes era preciso acreditar na Palavra. Os dois ouviram a longa pregação, ao final se converteram e foram batizados. Valeriano cumpriu a promessa. Depois, um dia, ao chegar a casa, viu Cecília rezando e ao seu lado o anjo da guarda.

Turcius Almachius, prefeito de Roma, teve conhecimento da conversão dos dois irmãos, promovida por Cecília. Delatou-os diante do tribunal e exigiu peremptoriamente que abandonassem, sob pena de morte, a religião que tinham abraçado. Os três foram presos, ela em sua casa, e os dois quando ajudavam a sepultar os corpos dos mártires nas catacumbas. Julgados, se recusaram a renegar a fé e foram decapitados. O prefeito, de novo, falou com Cecília em consideração à família ilustre à qual pertencia e exigiu que abandonasse a religião, ameaçando-a de morte. Cecília negou-se e, no próprio balneário de seu palacete, foi colocada para morrer asfixiada pelos vapores, mas saiu ilesa. Tentou-se, então, a decapitação. O carrasco a golpeou três vezes e, mesmo assim, sua cabeça permaneceu ligada ao corpo. Mortalmente ferida, ficou estendida no chão três dias, durante os quais animou os cristãos, que foram vê-la, a não renegarem a fé. Ao Papa entregara todos os bens, com o pedido de distribuí-los entre os pobres. Os soldados pagãos que presenciaram tudo se converteram.

Seu corpo foi enterrado na Catacumba de São Calisto. As diversas invasões dos godos e lombardos fizeram com que os Papas resolvessem a transladação de muitas relíquias de santos para igrejas de Roma. O corpo de Santa Cecília, no entanto, ficou muito tempo escondido, sem que se soubesse sua localização. Já no século VI No terreno de seu antigo palácio foi construída a igreja de Santa Cecília, onde se celebrava sua memória no dia 22 de novembro.

Entre os anos 817 e 824, o Papa Pascoal I empreendeu a busca de seu túmulo após ter tido uma visão de Santa Cecília. Finalmente, o corpo foi encontrado incorrupto e na mesma posição em que havia sido enterrado. Ao lado da Santa foram encontrados os corpos de Valeriano, Tibúrcio e Máximo. O ataúde de Santa Cecília foi fechado e colocado numa urna de mármore sob o altar da igreja a ela dedicada.

Outros séculos se passaram. Em 1559, o cardeal Sfondrati ordenou nova abertura do esquife e o corpo foi encontrado incorrupto, ainda na mesma posição descrita pelo papa Pascoal I. O escultor Stefano Maderno que assim o viu, reproduziu em finíssimo mármore, em tamanho natural, a sua imagem.

A devoção à sua santidade avançou pelos séculos sempre acompanhada de incontáveis milagres. Santa Cecília é uma das santas mais veneradas pelos fieis cristãos, do Ocidente e do Oriente, na sua tradicional festa do dia 22 de novembro. O seu nome vem citado no cânon da missa e, desde o século XV, é celebrada como padroeira da música e do canto sacro.

Cecília era da “nobre família dos Metelos, filha de senador romano”. Desde a infância foi muito religiosa e, por decisão própria, fez voto secreto de virgindade. Os pais, acreditando que ela mudaria de ideia, deram-na em casamento, contra a vontade, a um jovem chamado Valeriano, também da nobreza romana. Ao receber a triste notícia, Cecília rezou pedindo proteção do seu anjo da guarda, de Maria e de Deus, para não romper com o voto. Após as núpcias, Cecília contou ao marido que era cristã e do seu compromisso de castidade. Disse ainda que para isso estava sob a guarda de um anjo. Valeriano ficou comovido com a sinceridade da esposa e prometeu cooperar, mas para isso queria ver esse anjo. Ela o aconselhou a visitar o Papa Urbano que, devido à perseguição, estava refugiado nas catacumbas. O jovem esposo foi acompanhado de seu irmão Tibúrcio, mas ficou sabendo que antes era preciso acreditar na Palavra. Os dois ouviram a longa pregação, ao final se converteram e foram batizados. Valeriano cumpriu a promessa. Depois, um dia, ao chegar a casa, viu Cecília rezando e ao seu lado o anjo da guarda.

Turcius Almachius, prefeito de Roma, teve conhecimento da conversão dos dois irmãos, promovida por Cecília. Delatou-os diante do tribunal e exigiu peremptoriamente que abandonassem, sob pena de morte, a religião que tinham abraçado. Os três foram presos, ela em sua casa, e os dois quando ajudavam a sepultar os corpos dos mártires nas catacumbas. Julgados, se recusaram a renegar a fé e foram decapitados. O prefeito, de novo, falou com Cecília em consideração à família ilustre à qual pertencia e exigiu que abandonasse a religião, ameaçando-a de morte. Cecília negou-se e, no próprio balneário de seu palacete, foi colocada para morrer asfixiada pelos vapores, mas saiu ilesa. Tentou-se, então, a decapitação. O carrasco a golpeou três vezes e, mesmo assim, sua cabeça permaneceu ligada ao corpo. Mortalmente ferida, ficou estendida no chão três dias, durante os quais animou os cristãos, que foram vê-la, a não renegarem a fé. Ao Papa entregara todos os bens, com o pedido de distribuí-los entre os pobres. Os soldados pagãos que presenciaram tudo se converteram.

Seu corpo foi enterrado na Catacumba de São Calisto. As diversas invasões dos godos e lombardos fizeram com que os Papas resolvessem a transladação de muitas relíquias de santos para igrejas de Roma. O corpo de Santa Cecília, no entanto, ficou muito tempo escondido, sem que se soubesse sua localização. Já no século VI No terreno de seu antigo palácio foi construída a igreja de Santa Cecília, onde se celebrava sua memória no dia 22 de novembro.

Entre os anos 817 e 824, o Papa Pascoal I empreendeu a busca de seu túmulo após ter tido uma visão de Santa Cecília. Finalmente, o corpo foi encontrado incorrupto e na mesma posição em que havia sido enterrado. Ao lado da Santa foram encontrados os corpos de Valeriano, Tibúrcio e Máximo. O ataúde de Santa Cecília foi fechado e colocado numa urna de mármore sob o altar da igreja a ela dedicada.

Outros séculos se passaram. Em 1559, o cardeal Sfondrati ordenou nova abertura do esquife e o corpo foi encontrado incorrupto, ainda na mesma posição descrita pelo papa Pascoal I. O escultor Stefano Maderno que assim o viu, reproduziu em finíssimo mármore, em tamanho natural, a sua imagem.

A devoção à sua santidade avançou pelos séculos sempre acompanhada de incontáveis milagres. Santa Cecília é uma das santas mais veneradas pelos fieis cristãos, do Ocidente e do Oriente, na sua tradicional festa do dia 22 de novembro. O seu nome vem citado no cânon da missa e, desde o século XV, é celebrada como padroeira da música e do canto sacro.

Descubra outros santos clicando aqui
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais