Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 05 Fevereiro |
São Jesus Mendes Montoya
Aleteia logo
Daily Prayer
Festividade do diaHistórias de Santos

Santa Águeda

Virgem e mártir (†251)

shutterstock_720133813.jpg

ImagineDesign | Shutterstock

Santa Águeda (ou Ágata) é uma mártir dos primeiros séculos da Igreja. A arqueologia confirma em grande medida a antiguidade do culto de devoção tributado a essa santa. Ela teria nascido por volta do ano 235 na cidade de Catânia, no sul da Itália. Nesse período, o cristianismo estava sob perseguição. O direito romano dessa época previa que os cristãos poderiam ser denunciados e levados para a autoridade, com a finalidade de que eles fizessem a abjuração pública da fé cristã. Aqueles que se recusassem em rejeitar sua fé, eram torturados e depois assassinados. De um ponto de vista político, com essa metodologia, as autoridades romanas tentavam produzir a maior quantidade possível de apóstatas: visavam enfraquecer a fé cristã, pois – assim pensavam -, em pouco tempo o culto cristão deixaria de existir dentro do império. Catânia, mesmo na época de Águeda, era uma cidade considerável, a ponto de possuir um governador romano; seu nome era Quinciano, homem descrito como soberbo e arrogante. Conforme a narrativa, Águeda pertencia a uma rica e nobre família local que professava a fé cristã. Quando completou a idade de quinze anos, Águeda sentiu em seu coração o chamado para se consagrar totalmente a Deus. O bispo da cidade acolheu seu pedido e a fez ingressar no rol das virgens consagradas. Ela era uma moça muito bonita e as fontes dizem que quando o governador da cidade a conheceu, começou a arder de paixão pela menina, desejando-a em seu coração. Apesar de tentar seduzi-la por diversas vezes e modos, Águeda permaneceu firme em seu voto de fidelidade a Deus e ao Cristo. Diante da recusa da moça, Quinciano transformou sua paixão em fúria: sabendo que ela era cristã, iniciou um processo contra Águeda. Arrastada perante as autoridades, após um interrogatório, começam as torturas brutais. Chegaram a arrancar-lhe os seios – por esse motivo, em geral, santa Águeda é representada com dois seios sobre um pequeno prato – e os sofrimentos que experimentou foram atrozes. Apesar de tudo Águeda, por amor a Deus, suportava tudo com resignação. Durante a noite, após a terrível sessão de torturas, ela foi jogada no cárcere: São Pedro lhe apareceu acompanhado por um menino e a horrível ferida em seus seios foi milagrosamente curada. Após alguns dias no cárcere, arrastada novamente perante o governador Quinciano este fica maravilhado pela cura milagrosa; em vez de reconhecer a ação de Deus, Quinciano, agora com mais ódio, ordena que Águeda seja queimada viva. Diz-se que no momento em que Águeda era queimada viva, um fortíssimo terremoto abalou todas as estruturas da cidade. Em meio às cinzas de seu corpo, segundo a tradição, o véu que ela trazia não foi consumido pelas chamas, tornando-se uma relíquia que a comunidade cristã passou a usar como proteção contra as erupções do vulcão Etna. Uma das últimas vezes que essa relíquia foi usada, foi na erupção do ano 1886: nesse ano, o arcebispo de Catânia saiu em procissão suplicando a intercessão da santa para que a cidadezinha de Nicolosi fosse poupada da erupção, coisa que de fato ocorreu.

Access our archives of daily saint biographies here
PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais