Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Religião

Dois papas no Yad Vashem: o que eles disseram?

Benjamin

George Weigel - publicado em 15/06/14

Francisco e João Paulo II nos legaram discursos extraordinários diante do mistério do mal

Como brincam as paródias literárias, "era uma noite escura e tempestuosa". 21 de março de 2000, para ser mais preciso: naquela noite, eu fui do hotel Hilton de Jerusalém até o Centro Notre Dame para encontrar um funcionário do Vaticano que tinha me prometido um disquete com os discursos que João Paulo II faria durante a sua épica visita à Terra Santa.

O disquete foi devidamente entregue e, de volta ao meu quarto de hotel, fui lendo os discursos com especial atenção para o que o papa polonês diria quando visitasse o Memorial do Holocausto no Yad Vashem, evento sobre o qual tinha havido considerável controvérsia. O texto, que só poderia ter vindo das próprias mãos de João Paulo II, dava fim àquela tagarelice com quatro frases perfeitamente trabalhadas:

"Neste lugar de memórias, a mente, o coração e a alma sentem uma necessidade extrema de silêncio. Silêncio no qual lembrar. Silêncio no qual tentar dar sentido às lembranças que vêm à tona. Silêncio porque não há palavras suficientemente fortes para deplorar a terrível tragédia da Shoah".

Mais tarde, recebi um telefonema de um amigo israelense, distinto e erudito soldado que conhecia bem o mundo do poder e que tinha trabalhado para encontrar um caminho de paz realista em situações onde muita gente só estava interessada no próximo assassinato. "Eu tinha que lhe contar", disse ele, "que a minha esposa e eu choramos durante toda a visita do papa ao Yad Vashem. Foi a sabedoria, a humanidade e a integridade personificadas. Não faltou nada. E não precisava ser dito mais nada".

A visita de João Paulo II ao Yad Vashem teve um impacto singular por muitas razões: o fato de ele ter sido o primeiro bispo de Roma a visitar o Memorial do Holocausto; o fato de ele ter perdido amigos na Shoah; o fato de muitas das mortes terem ocorrido na sua Polônia natal; a autoridade moral única que ele tinha conquistado com o seu próprio testemunho de respeito à liberdade religiosa e a outros direitos humanos fundamentais, pelos quais ele também tinha sofrido pesadamente.

Ainda assim, com o caráter único da peregrinação de João Paulo II ao Yad Vashem, a recente visita do papa Francisco à chama eterna do mesmo Saguão da Lembrança não passou sem irradiar ao mundo a sua própria ressonância extraordinária. Em um discurso notável, muito pouco relatado por uma imprensa mundial obcecada com a política do Oriente Médio, Francisco se atreveu a assumir a voz de Deus no terceiro capítulo do livro do Gênesis, perguntando à humanidade:

"Adão, onde estás? Onde estás, ó homem? O que foi que fizeste? (…) Adão, quem és? Não te reconheço mais… Quem és tu, ó homem? Em que te transformaste? De que horror foste capaz? O que te fez cair em tais profundidades?

Não foi, certamente, o pó da terra de que foste feito. O pó da terra é bom: é obra das minhas mãos. Não foi, certamente, o sopro da vida que eu inspirei dentro de ti. Este sopro vem de mim e é algo bom.

Não, este abismo não é apenas obra das tuas mãos, do teu coração… Quem foi que te corrompeu? Quem foi que te desfigurou? Quem foi que te levou a acreditar que és o mestre do bem e do mal? Quem te convenceu de que tu és Deus? Não apenas torturaste e mataste os teus próprios irmãos e irmãs, como os sacrificaste a ti mesmo, porque fizeste de ti mesmo um deus".

O profundo senso que o papa Francisco tem do mistério do mal continua fugindo ao entendimento daqueles que o imaginam como um papa inconsistente. A pregação constante do Santo Padre sobre a misericórdia divina se vincula aos seus lembretes persistentes de que o maligno age no mundo e que seus efeitos da sua ação estão à nossa volta. Somente quando reconhecemos isto é que podemos dizer, como Francisco disse no Yad Vashem:

"Lembra-te de nós na tua misericórdia. Concede-nos a graça de ter vergonha do que nós, homens, fizemos; de ter vergonha dessa ingente idolatria, de termos desprezado e destruído a nossa própria carne, à qual Tu deste a vida com o teu próprio sopro de vida".

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DiálogoTerra Santa
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia