Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 23 Abril |
Bem-aventurada Maria Gabriela Saghéddu
home iconAtualidade
line break icon

Charles Townes, inventor do laser, ganhador do Prêmio Nobel e crente em Deus

Public Domain/Wikimedia Commons

John Burger - publicado em 03/02/15

Uma vida dedicada a explorar o universo não apenas físico, mas também espiritual

O fisicalismo, na história da filosofia, é uma visão de mundo segundo a qual não existe nada no universo além das coisas que são físicas. Charles Hard Townes, ganhador do Prêmio Nobel de Física e grande conhecedor do mundo físico, não concorda com essa ideia.

Ele foi aclamado pelo seu brilhantismo nos domínios da física e é reconhecido pela contribuição que deu à criação do laser. Além disso, Charles Hard Townes manteve uma profunda e permanente fé em algo que não pode ser explicado pela ciência.

Religião e fé, disse ele em uma entrevista de 2005 ao jornal da Universidade da Califórnia em Berkeley, têm "um significado muito profundo para mim: eu sinto a presença de Deus. Eu sinto essa presença na minha própria vida como um espírito que, de alguma forma, está comigo o tempo todo".

O trabalho de Townes beneficiou de muitas formas a humanidade toda. O laser é onipresente na vida moderna, desde as muitas modalidades tecnológicas de comunicação até a maneira de ouvirmos música, sem esquecer as inovadoras possibilidades dos procedimentos cirúrgicos. Milhões de pessoas, na semana passada, leram a notícia do falecimento de Townes na internet, uma rede cuja alta velocidade de transmissão de dados depende dos cabos de fibra óptica, os quais, por sua vez, funcionam graças à invenção do laser.

Mas o cientista que morreu neste mês, aos 99 anos de idade, também passou um bom tempo pensando, escrevendo e falando sobre um tipo diferente de ciência: a teologia. Seus esforços lhe garantiram em 2005 o Prêmio Templeton pelo Progresso em Pesquisa e Descobertas sobre Realidades Espirituais. A Associated Press publicou a notícia lembrando que “Townes também era conhecido pela sua forte fé espiritual. Membro dedicado da Igreja Unida de Cristo, ele atraiu elogios e ceticismo ao longo da carreira com discursos e ensaios focados nas similaridades entre ciência e religião”.

"A ciência tenta entender como é e como funciona o nosso universo, incluindo os seres humanos", escreveu Townes em 2005, ao ser homenageado com o Prêmio Templeton pelas suas contribuições em "afirmar a dimensão espiritual da vida". E prosseguiu: "A minha opinião é que a ciência e a religião podem parecer diferentes, mas guardam muitas similaridades e deveriam interagir e iluminar-se reciprocamente".

Em 1966, ele tinha publicado o artigo "A Convergência de Ciência e Religião", na revista THINK, da IBM. A diferença entre ciência e religião "é em grande parte superficial", escrevera; "as duas se tornam quase indistinguíveis quando olhamos para a verdadeira natureza de cada uma".

Numa época em que muitos cientistas evitam com firmeza qualquer laço com a religião, as opiniões manifestadas no artigo foram vistas como “blasfêmia” por pessoas de ambas as comunidades. Ao longo dos anos, Townes escreveu e falou muitas vezes sobre o assunto.

"Muitas pessoas não percebem que a ciência, basicamente, envolve pressupostos e fé. Mas nada é absolutamente comprovado", declarou ele na época. "Coisas maravilhosas, tanto na ciência quanto na religião, brotam dos nossos esforços alicerçados em observações, hipóteses atentamente pensadas, fé e lógica".

"De alguma forma, nós, seres humanos, fomos criados à semelhança de Deus", disse ele ao jornal da Universidade da Califórnia em Berkeley. "Nós temos o livre arbítrio. Temos independência, podemos fazer e criar coisas e isso é maravilhoso. E, à medida que aprendemos mais e mais, vamos reforçando mais ainda esta nossa característica. Que tipo de vida nós vamos construir? É sobre esta questão que o universo é aberto. O propósito do universo, penso eu, é presenciar este desenvolvimento e permitir que os humanos exerçam a liberdade de fazer coisas que tragam bons resultados para eles e para o resto do mundo".

  • 1
  • 2
Tags:
Ciência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
ROBERTO CARLOS
Ricardo Sanches
A música que Roberto Carlos cantou no próprio aniversário de 80 a...
2
Imagem de Nossa Senhora na Síria
Reportagem local
Freiras na Síria redescobrem oração de 700 anos contra epidemias
3
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
4
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma gestação rara
5
Broken Mary
Reportagem local
Nasce (e cresce) nos EUA a inspiradora devoção a “Nossa Senhora D...
6
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
7
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia