Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Os papas verdes

OSSERVATORE ROMANO / VATICAN / AFP
Compartilhar

Francisco não foi o primeiro a defender a boa gestão do meio ambiente

Muita gente anda dizendo que o papa Francisco é o primeiro "papa verde" da Igreja católica. É que circulam notícias sobre a próxima encíclica a ser lançada por ele, cujo tema seria o meio ambiente, além de comentários sobre as medidas que o papa defenderia para combater as mudanças climáticas no planeta.
 
Considerando que as alterações no clima são um dos assuntos favoritos dos ativistas de esquerda, esse tipo de notícia fez com que o papa Francisco “subisse no conceito” dos progressistas. Eles gostam de retratá-lo como um reformista, um papa "gay-friendly" que é defensor dos pobres, dos oprimidos e, em termos gerais, de todas as causas radicais. O fato de ele ter escolhido o nome Francisco (daquele São Francisco que pregava aos pássaros, domava lobos, amava a natureza e é o padroeiro das causas ambientais) também ajuda para que o papa seja tido em alta estima pelos “ativistas verdes”.
 
Mas que o papa Francisco esteja dedicando especial atenção ao meio ambiente não é coisa inédita no papado.

Em 1990, João Paulo II chamou a atenção durante um discurso na Jornada Mundial da Paz ao instar os católicos a considerarem o mundo natural como uma criação de Deus cuja proteção é de nossa responsabilidade.

Bento XVI estava tão envolvido em questões ambientais que também ele foi chamado de "papa verde". Na Jornada Mundial da Paz de 2010, ele declarou: "Se queremos justiça e paz, temos que proteger o habitat que nos sustenta". Em seguida, citando um relatório da Academia Pontifícia de Ciências, ele recomendou que os líderes mundiais cortassem as emissões de dióxido de carbono, reduzissem a poluição existente e se preparassem para os impactos inevitáveis das mudanças no clima.

O mesmo Bento XVI também fez o que pôde no Vaticano: aprovou um projeto para cobrir a Sala Paulo VI com painéis solares, a fim de gerar energia suficiente para iluminar, aquecer e climatizar uma boa parte da cidade do Vaticano; adquiriu créditos de carbono através do financiamento de uma floresta na Hungria, o que faria da cidade-Estado católica o único país de todo o mundo a neutralizar totalmente as emissões de carbono; vários anos mais tarde, ele apresentou um novo papamóvel híbrido que seria parcialmente elétrico.

A National Geographic reproduziu os elogios feitos aos esforços de Bento XVI por Walter Grazer, conselheiro da Parceria Religiosa Nacional para o Meio Ambiente e ex-porta-voz da Conferência Episcopal dos Estados Unidos (USCCB): "Eu acho que é notável a grande atenção que ele deu ao meio ambiente. Para ele, este era um grande tema".
 
Se algum papa recente foi pioneiro na defesa católica da responsável gestão do meio ambiente, esse papa foi Bento XVI. Ele entendia que as questões ambientais não são uma simples ideologia que está na moda, mas sim uma questão seriamente relacionada com o bem-estar humano. A preocupação com o meio ambiente caminha de mãos dadas com a atenção aos pobres. Glazer disse a respeito de Bento XVI: "Ele tem uma grande preocupação com o que aconteceria às pessoas mais pobres em decorrência da destruição do meio ambiente".
 
Com Francisco, vemos mais uma vez a preocupação, a metodologia e a filosofia profunda e unificada com que a Igreja aborda a questão ambiental. Enquanto a imprensa laica gostaria de pintar o papa Francisco como um amigo dos abraçadores de árvores, os conservadores tendem a sentir contra ele uma reação instintiva de desconfiança. Enquanto os progressistas se entusiasmam, os conservadores lamentam este "papa hippie". Nenhum dos dois lados compreendeu de verdade a questão. A preocupação católica com uma gestão melhor dos recursos do mundo faz parte da

Páginas: 1 2

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.