Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Papa Francisco: pensar em nossa despedida deste mundo

Pope Francis 01 © Giulio Napolitano / Shutterstock.com – pt

<a href="http://www.shutterstock.com/pic.mhtml?id=195361514&amp;src=id" target="_blank" />Pope Francis</a> © Giulio Napolitano / Shutterstock.com

&lt;a href=&quot;http://www.shutterstock.com/pic.mhtml?id=195361514&amp;src=id&quot; target=&quot;_blank&quot; /&gt;Pope Francis&lt;/a&gt; &copy; Giulio Napolitano / Shutterstock.com

Vatican News - publicado em 19/05/15

O que cada um de nós vai ter deixado no momento do adeus? - perguntou o Papa

O Papa Francisco pediu hoje que cada cristão reflita sobre as despedidas da vida e também sobre o momento em que terá de deixar este mundo.

“Jesus se despede, Paulo se despede – disse – e isso nos ajudará a refletir sobre nossas despedidas”. Na nossa vida, observou, “existem tantas despedidas”, pequenas e grandes, e há também “tanto sofrimento e lágrimas”.

Existem pequenas e grandes despedidas na vida, reiterou o  Papa, como a “despedida da mãe, que saúda, dá o último abraço ao filho que parte para a guerra; e todos os dias se levanta com o medo de que alguém lhe diga: ‘agradecemos muito pela generosidade de seu filho, que deu a vida pela pátria’. E há também a “última despedida – disse – que todos nós devemos fazer, quando o Senhor nos chama para o outro lado. Eu penso nisto”.

Essas grandes despedidas da vida, “inclusive a última – reiterou –, não são as despedidas como ‘até logo’, ‘até breve’, que são as despedidas que indicam um regresso imediato ou depois de uma semana: são despedidas que não se sabe quando e como voltarei”. E recordou que o tema do adeus está presente também nas artes e nas músicas.

“Vem-me uma em mente, a dos alpinos, quando o capitão se despedida dos seus soldados: o testamento do capitão. Eu penso na grande despedida, na minha grande despedida, não quando digo, 'até depois', 'até mais tarde', 'até breve', mas 'adeus'? Estes dois textos dizem a palavra 'adeus'. Paulo confia a Deus os seus companheiros e Jesus confia ao Pai os seus discípulos, que permanecem no mundo. ‘Eles não são do mundo, mas cuida deles’. Confiar ao Pai, confiar a Deus: esta é a origem da palavra 'adeus'. Nós dizemos "adeus" somente nas grandes despedidas, sejam as despedidas da vida, seja a última”.

“Eu creio – afirmou – que, com estes dois ícones – o de Paulo, que chora, de joelhos na praia, todos ali, e Jesus, triste, porque ia para a Paixão, com os seus discípulos, chorando no seu coração – podemos pensar na nossa despedida. Vai nos fazer bem. Quem será a pessoa que vai fechar os meus olhos?”.

“O que eu deixo? Tanto Paulo quanto Jesus, todos os dois, nestas duas passagens fazem uma espécie de exame de consciência: ‘Eu fiz isso, isso, isso …’ E eu o que fiz? Mas nos faz bem nos imaginarmos naquele momento. Quando será, não sabemos, mas haverá o momento no qual 'até depois', 'até breve', 'até amanhã', 'até mais' vai se tornar 'adeus'. Estou preparado para confiar a Deus todos os meus entes queridos? Para confiar-me a Deus? Para dizer aquela palavra que é a palavra da entrega do filho ao Pai?"

O Papa concluiu então a sua a homilia aconselhando todos a lerem as leituras de hoje sobre a despedida de Jesus e de Paulo e a “pensar que um dia” também nós deveremos dizer a palavra “adeus”: “A Deus confio a minha alma; a Deus  confio a minha história; a Deus confio os meus entes queridos; a Deus confio tudo”. “Que Jesus morto e ressuscitado – foi a sua invocação final – envie-nos o Espírito Santo, para que aprendamos a palavra, aprendamos a dizê-la, existencialmente, com toda a força: a última palavra, adeus”.

(Com Rádio Vaticano)

Tags:
HomiliasMortePapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia