Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A oração que o Papa Francisco escreveu antes de ser ordenado padre

Holy Communion
Antoine Mekary | ALETEIA
Compartilhar

Hoje está fazendo 48 anos que o jovem Jorge Mario Bergoglio recebeu o sacramento indelével do sacerdócio de Jesus Cristo!

Em dezembro de 2013, o primeiro ano do atual pontificado, jornais e sites do mundo todo publicaram um texto composto por um jovem religioso jesuíta que estava prestes a ser ordenado sacerdote de Jesus Cristo para toda a eternidade.

Ele tinha recebido o sacramento indelével da ordem sacerdotal no dia 13 de dezembro de 1969, quatro dias antes de completar 33 anos de idade.

Seu nome era Jorge Mario Bergoglio. E hoje ele atende pelo nome de Papa Francisco.

Eis o seu texto, às vésperas do acontecimento que literalmente selaria a sua vida para sempre:

Quero crer em Deus Pai, que me ama como filho,
e em Jesus, o Senhor,
que infundiu o Seu Espírito na minha vida
para me fazer sorrir e me levar assim
ao Reino eterno de vida.

Creio na Igreja.

Creio que, na história,
que foi tocada pelo olhar de amor de Deus,
no dia da primavera, 21 de setembro,
Ele veio ao meu encontro para
me convidar a segui-lo.

Creio na minha dor,
infecunda pelo egoísmo no qual me refugio.

Creio na mesquinhez da minha alma,
que procura receber sem dar… sem dar.

Creio que os outros são bons e que
devo amá-los sem medo e sem traí-los jamais,
sem buscar seguranças para mim.

Creio na vida religiosa.
Creio que quero amar muito.
Creio na morte cotidiana, ardente, da qual eu fujo,
mas que sorri para mim, convidando-me a aceitá-la.

Creio na paciência de Deus, acolhedora,
boa como uma noite de verão.

Creio que o meu pai está no céu, junto ao Senhor.

Creio que o padre Duarte também está lá,
intercedendo pelo meu sacerdócio.

Creio em Maria, minha Mãe,
que me ama e nunca me deixará sozinho.

E espero a surpresa de cada dia,
em que se manifestarão o amor, a força,
a traição e o pecado,
que vão me acompanhar até o encontro definitivo
com esse rosto maravilhoso
que não sei como é,
do qual eu fujo continuamente,
mas que quero conhecer e amar.

Amém.