Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que têm a ver um cachorro, São Roque, São Domingos e os dominicanos?

cachorros e espiritualidade católica
Creative Commons
Compartilhar

Não, não é uma piada

O cachorro já era considerado “o melhor amigo do homem” há milhares de anos. Podemos vê-lo exercendo esse “papel” até em episódios da própria Bíblia, como é o caso do cão fiel de Tobias (cf. Tobias 5,16).

Em certos períodos da história, os cães chegaram a ser associados à cura de doenças humanas em virtude de propriedades atribuídas à sua lambida, que sanaria ferimentos. São Roque, muito invocado no século XIV como intercessor contra a peste que assolava o continente europeu, era costumeiramente retratado, por exemplo, junto ao seu fiel cachorro (imagem abaixo).

Mais tarde, o cão preto e branco se tornou uma espécie de “símbolo” da ordem dominicana, ou, mais diretamente, do seu fundador, São Domingos.

Isto se deveu, em parte, a um trocadilho entre a palavra “dominicanos” e a frase latina “Dómini canes”, que quer dizer “cães do Senhor”, no sentido de guardiães fiéis do cristianismo.

Além disso, corria um popular relato sobre a vida de São Domingos narrando que a mãe dele teria tido um sonho em que dava à luz um cachorro com uma tocha na boca – e esse cachorro incendiaria o mundo. Este curioso relato popular evocava a missão evangelizadora que, fielmente, São Domingos de fato exerceu.

VEJA TAMBÉM:

O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrário!

Foi em 1995, durante a viagem apostólica do papa São João Paulo II aos Estados Unidos, dentro de uma capela “vazia”…

LER ESSA HISTÓRIA