Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Rio de Janeiro: bandidos fazem arrastão em igreja católica

CHURCH, RIO DE JANEIRO
Compartilhar

Violência no Rio não perdoa nem quem tenta rezar em paz

Era uma preparação espiritual para a Páscoa. Cerca de 40 paroquianos e padres estavam na Igreja Cristo Operário e Santo Cura D’Ars, na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio, participando de um mutirão de Confissão. Foi quando, segundo a polícia, três homens armados e encapuzados invadiram o local e anunciaram o assalto. Os criminosos obrigaram todos os fiéis e religiosos a permanecerem quietos no local e roubaram seus pertences, como dinheiro, relógios, celulares e até alianças de casamento.

Foram minutos de verdadeiro pânico dentro da igreja. Um padre, que não quis se identificar, contou que “ao sair, um dos criminosos fez ameaças dizendo que quem olhasse para trás levaria um tiro.”

“Colocaram todo mundo dentro da capela do Santíssimo e depois saíram. Todo mundo ficou em pânico” — diz uma fiel que também tem medo de se identificar.

No Facebook, os paroquianos postaram várias mensagens de indignação. Uma mulher desabafou: “o indivíduo assaltou até o padre que veio de outra paróquia para ajudar na Confissão. O infeliz do bandido não teve respeito com a Casa de Deus”.

Operação do Exército

O arrastão na Paróquia Cristo Operário e e Santo Cura D’Ars aconteceu à noite, algumas horas depois que o Exército deixou o local depois do segundo dia seguido de operação na comunidade, que é conhecida por ser uma região de intenso tráfico de drogas.

O trabalho das forças federais e da Polícia Civil na região contou com cerca de 1.400 homens, carros blindados e helicópteros. O objetivo foi destruir as barreiras construídas pelos traficantes para impedir o acesso à comunidade e garantir a segurança no local.

Depois do arrastão na igreja, o Exército reforçou a ação nas ruas da Vila Kennedy.