Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Afinal, devo receber a hóstia na boca ou na mão?

KSIĄDZ PODNOSI HOSTIĘ
Ania Freindorf/REPORTER
Compartilhar

Quem responde é o Papa Francisco

Em uma de suas audiências na Praça São Pedro, mais precisamente a do dia 21 de março de 2018, o Papa Francisco tirou uma dúvida que é a mesma de muitos católicos: devo receber a hóstia na boca ou na mão?

O pontífice referiu-se à Instrução Geral do Missal Romano, que diz:

“É muito para desejar que os fiéis, tal como o sacerdote é obrigado a fazer, recebam o Corpo do Senhor com hóstias consagradas na própria Missa e, nos casos previstos, participem do cálice para que a Comunhão se manifeste, de forma mais clara, nos próprios sinais, como participação no sacrifício que está a ser celebrado”.

“A Igreja deseja fervorosamente que os fiéis também possam receber o Corpo do Senhor com as hóstias consagradas na própria Missa. E o sinal do banquete eucarístico é mais completo se a Santa Comunhão acontecer sob as duas espécies [pão e vinho], sabendo que a doutrina católica ensina que sob apenas uma espécie se recebe todo o Cristo”, explanou o Papa.

Francisco continuou sua explicação dizendo que “o fiel deve se aproximar da Eucaristia normalmente ou em forma de procissão e comungar em pé ou de joelhos, conforme determinar a Conferência Episcopal [local], recebendo o Sacramento na boca ou, onde for permitido, na mão, como preferir”.

O Papa também afirmou que, para guardar o “presente recebido” na Comunhão em nossos corações, uma “oração silenciosa” ajuda, assim como um salmo ou hino de louvor.

Ao final, Francisco alertou que, recebendo Cristo na Comunhão, Ele arranca de nós o egoísmo: “aqui está o prodígio da Comunhão: convertermos naquilo que recebemos”.