Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

13 anos de idade. Em coma. Iam desligar os aparelhos. E então… ele acordou

Trenton McKinley
Jennifer Reindl / Facebook (Fair Use)
Compartilhar

Família fala em milagre. Médicos não sabem explicar. Mistério adicional: em que se baseiam tantas tendências médicas a desligar aparelhos?

Trenton McKinley é um menino de 13 anos que vive no Estado norte-americano do Alabama. Ao sofrer um acidente de carro em março deste ano, ele teve fraturas no crânio e ficou com graves danos cerebrais.

Enquanto Trenton permanecia em coma, os médicos disseram aos seus pais que ele nunca se recuperaria. O quadro era realmente de pouquíssimas esperanças. Trenton tinha passado por várias cirurgias cranianas, tinha sofrido falência dos rins, tinha tido uma parada cardíaca e tinha ficado nada menos que 15 minutos sem sinais vitais na mesa de cirurgia durante as tentativas de salvá-lo.

Por outro lado, os médicos também disseram aos pais de Trenton que ele era compatível com cinco crianças que precisavam de transplantes. Foi a notícia de que cinco crianças poderiam ser salvas o que levou a mãe do menino, Jennifer Reindl, a concordar com a doação de órgãos de seu filho, num contexto em que toda a equipe médica praticamente descartava qualquer chance de recuperação.

E foi diante desse quadro, pouco depois que os pais assinaram os papéis autorizando o desligamento dos aparelhos e a doação dos seus órgãos, que o extraordinário aconteceu: Trenton simplesmente começou a dar sinais de consciência.

A mãe dele relatou aos meios de comunicação:

“Depois que nós concordamos com a doação, eles tiveram que manter o Trenton vivo para ‘limpar’ os seus órgãos que iam ser doados. No dia seguinte, estava marcado o último teste de atividade cerebral para determinar o desligamento dos aparelhos. Mas aí os sinais vitais tiveram um pico e eles então cancelaram o teste”.

Trenton vem enfrentando um processo lento de recuperação. O menino que segundo os médicos “não tinha mais chance de recuperação” voltou não apenas a andar e a falar, como também está fazendo exercícios de matemática.

No entanto, ele ainda tem dores nevrálgicas e convulsões, o que exigirá mais cirurgias para a recuperação do crânio.

Milagre?

A mãe de Trenton é direta ao afirmar que, para ela, a recuperação é “um milagre”.

Em uma das várias entrevistas que já deu, o próprio menino afirmou que, durante o tempo que passou em coma, achou que estava no céu:

“Era como se eu estivesse caminhando num campo aberto. Não existe outra explicação a não ser Deus”.

A família pediu ajuda nas redes sociais para bancar os custos médicos. Eram necessários 4 mil dólares. Até agora, 240 pessoas já doaram, juntas, mais de 12 mil.

Esta solidariedade que ultrapassa metas certamente não é um milagre: é uma virtude e é perfeitamente esperada de seres humanos verdadeiros.

E quanto à recuperação não explicada de Trenton?

Até pode não ser um milagre, já que a ciência poderia ter condições de explicá-la com mais clareza algum dia – o que ainda não ocorreu.

Mas há outro “mistério” que, tanto quanto a recuperação do menino, aguarda por explicações convincentes: seria muito oportuno que a ciência médica explicasse melhor em que se baseiam certas tendências suas a tão categoricamente querer desligar aparelhos de pessoas cuja vida ainda não se auto-esgotou naturalmente.

Não se trata de uma acusação formal contra estes médicos em particular – eles parecem ter seguido protocolos legais e agido com esforço para salvar Trenton e, quando acharam que isso não era mais possível, quiseram pelo menos tentar salvar outras cinco crianças. Os médicos costumam refletir a concepção de medicina em que foram formados. E esta sim é a matéria-chave a ser discutida: qual é, no fundo, a concepção de medicina que está sendo incutida nos médicos desses nossos “tempos líquidos”? Esta pergunta é mais do que lícita: é moralmente obrigatória.

Depois de casos abomináveis como os dos bebês ingleses Charlie Gard e Alfie Evans, que foram assassinados por médicos com respaldo judicial e contra a vontade expressa dos seus pais, está mais do que na hora de salvar a ética médica, em diversos contextos mundo afora, da sua progressiva degeneração rumo ao estado de coma.

Será necessário um milagre?

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.