Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Rezar o terço sem contemplar os mistérios é válido?

PRAY YOUNG
Philippe Lissac I Godong
Compartilhar

Um padre responde à dúvida de um católico

O pe. Cido Pereira, que escreve no jornal O São Paulo, da arquidiocese paulistana, respondeu à pergunta de um leitor que relatou a sua dificuldade para contemplar os mistérios ao rezar o terço sozinho e que se questionava sobre a validade do terço rezado sem a contemplação.

O sacerdote respondeu:

Claro que você pode rezar o Terço sem contemplar os mistérios, meu irmão. Mas eu entendo que a oração do Terço fica muito mais completa com a contemplação dos mistérios. E sabe por quê? Porque a gente mergulha fundo na história de nossa salvação. Ao contemplar os mistérios, Maria está conduzindo-o a Jesus. Porque a sua devoção a Maria não o fecha para Cristo, e você aprende com Maria a fazer tudo o que Jesus mandar.

A beleza da devoção do santo Rosário consiste mesmo nesse mergulho nos mistérios gozosos, luminosos, dolorosos e gloriosos de nossa fé. É uma devoção que é essencialmente bíblica, porque não há mistério contemplado que não esteja presente nos textos bíblicos.

Quer catequese mais bonita do que repassar toda a vida pública de Jesus, todo o ensinamento dele, toda a sua Paixão, Morte e Ressurreição?

A reza do Rosário nos permite isso. Então, faça um esforço de decorar esses mistérios. De tanto rezar o Terço, eu já sei todos os mistérios de cor. E me faz bem, quando viajo, quando caminho pela cidade, quando perco o sono à noite, invocar Maria e mergulhar nos mistérios da fé. Sinto-me acolhido pelo amor maternal de Maria e sinto-me mais próximo de Jesus.

O artigo original do pe. Cido em O São Paulo pode ser acessado aqui.