Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Universidade proíbe aluna de distribuir cartões com frases como “Jesus te ama”

Polly Olsen
Compartilhar

Alegação da instituição para tentar justificar a censura é que a jovem não tem permissão para "trabalhos religiosos" em suas dependências

A estudante universitária norte-americana Polly Olsen manteve durante vários anos o costume de entregar cartões com mensagens bíblicas para outros estudantes e funcionários do campus da Northeast Wisconsin Technical College, onde estudava. Recentemente, porém, a diretoria da instituição resolveu proibir a jovem de 29 anos de continuar distribuindo as suas mensagens cristãs.

A desculpa em que se baseou a censura abertamente cristofóbica foi o fato de se tratar de uma propriedade privada em que Polly não tinha “permissão” para realizar “trabalhos religiosos”.

Polly acatou a proibição num primeiro momento, mas depois decidiu processar a universidade por considerar que a sua liberdade de expressão estava sendo violada.

Segundo a instituição, outros alunos teriam se sentido “ofendidos” com os cartões. A razão da “ofensa” eram frases como:

Você é especial! (1 João 4,11)”
Deus é amor! (1 João 4,11)”
Jesus te ama! (Romanos 5,8)”
Você é amado e cuidado! (1 Pedro 5,7)”.

Polly afirma que a decisão de percorrer a via judicial também se deve a posturas que ela considera repressivas contra a fé no ambiente universitário:

“Está na hora de nós, cristãos, agirmos e fazermos acontecer”.

Os advogados da jovem destacam não existir qualquer tipo de violação à lei no fato de se oferecer gratuitamente material com referências bíblicas.

Polly declara que não sente nenhuma “alegria” em processar a própria universidade, mas ressalta que precisou se defender:

“Eu amo a minha escola e detesto fazer isso. Mas também amo a minha liberdade e, muito mais ainda, amo o meu Deus”.