Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“A virtude está no meio”: uma fácil desculpa para ser medíocre e relativista?

COUPLE FIGHT
Compartilhar

Sim, é preciso ser equilibrado, mas, primeiro, é preciso superar as interpretações equivocadas de "equilíbrio"

Quase todos já ouviram a frase “A virtude está no meio” – mas poucos sabem explicar o que ela quer dizer.

Há quem entenda o sentido desta frase como um convite ao “meio termo” entre os extremos, destacando que a virtude seria um equilíbrio entre comportamentos opostos.

Neste sentido, a interpretação pode descambar para certa tolerância com a mediocridade: ser “virtuoso”, dessa perspectiva, seria como ser “morno”, nem muito quente, nem muito frio…

Há também quem entenda que o “meio” em questão é o ambiente em que vivemos, concluindo que a virtude é relativa e varia conforme as circunstâncias, exigindo adaptabilidade – e até renúncia a certos princípios em nome da conveniência…

O pe. José Eduardo Oliveira tratou desta frase nesta semana em seu perfil no Facebook e comentou:

Virtus in medio” (em latim, a preposição “in” rege ablativo quando indica permanência) não significa “Virtus in mediocritate”, ainda mais quando a mediocridade favorece o crime ou a impunidade.

Imagine, por exemplo, se um bandido entrar em sua casa e você quiser ser “moderado” ou “equilibrado” nos termos falaciosos acima e disser: “Bem, eu não vou nem dar um abraço nem vou impedir o bandido, mas vou ficar tranquilo enquanto a mamãe apanha e é roubada”.

Isso não seria equilíbrio, mas omissão culposa, mediocridade pecaminosa. Muito cuidado! Há muitos paladinos do equilíbrio que puxam o fiel da balança para o seu extremo, fingindo neutralidade.

Numa briga entre um homem honesto e desprovido de meios e um bandido bem aparelhado, a neutralidade nada mais é que teatro e favorecimento do crime contra a moralidade e a justiça. #PenseNisso.

Tags:
Virtudes