Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco: “Rivalidade e vanglória provocam guerras”

POPE FRANCIS AUDIENCE
Antoine Mekary | ALETEIA | I.MEDIA
Compartilhar

E tudo começa na nossa própria casa, no trabalho, no cotidiano. Mas existe um antídoto: "a gratuidade de Jesus"

Na Santa Missa desta manhã, 5 de novembro, o Papa Francisco destacou que a rivalidade e a vanglória destroem os fundamentos das comunidades, semeiam divisões e provocam conflitos.

A gratuidade de Jesus é universal

Francisco enfatizou que o ensinamento de Jesus é claro: “não fazer as coisas por interesse”. Quando se age visando a própria “vantagem”, pratica-se “uma forma de egoísmo, de segregação e de interesse”. Já a “mensagem de Jesus” é exatamente o contrário: a “gratuidade”, que “alarga a vida”, “amplia o horizonte, porque é universal”.

Prosseguindo na fala sobre a divisão, o Papa afirmou:

“Existem duas coisas que vão contra a unidade: a rivalidade e a vanglória”.

Rivalidade

É “um modo de destruir as pessoas”, disse o Papa, acrescentando:

“É uma luta para destruir o outro. A rivalidade é ruim: pode ser de maneira aberta, direta, ou com luvas brancas; mas sempre para destruir o outro e elevar a si mesmo. E já que eu não posso ser tão virtuoso, tão bom, então eu diminuo o outro para continuar ‘alto'”.

Vanglória

Tão prejudicial quanto a rivalidade é vangloriar-se de ser “superior” aos outros, comentou Francisco:

“Isso destrói uma comunidade, destrói uma família também… Pensem na rivalidade entre os irmãos pela herança do pai, por exemplo: isso acontece todos os dias. Pensem na vanglória, naqueles que se vangloriam de ser melhores que os outros”.

O remédio

Francisco nos recomendou, como antídoto à rivalidade e à vanglória, seguir o exemplo do Filho de Deus, cultivando “a gratuidade”: fazer o bem sem nos preocuparmos se os outros fazem ou não o mesmo.

“Quando lemos as notícias das guerras, vamos pensar nas notícias da fome das crianças no Iêmen, fruto da guerra: é longe, crianças pobres… Mas por que elas não têm o que comer? A mesma guerra se faz em nossas casas, em nossas instituições, com a rivalidade: a guerra começa nisso! E a paz também deve ser feita ali: na família, nas instituições, no local de trabalho, buscando sempre a unanimidade e a concórdia e não o próprio interesse”.