Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como o sexo pode melhorar no decorrer do casamento?

SEKS BEZ UCZUĆ
Shutterstock
Compartilhar

A Ciência confirma que o vínculo, a confiança e a intimidade têm efeitos diretos na qualidade do encontro sexual

As ideias negativas sobre o matrimônio existem e, naturalmente, referem-se também ao que as pessoas pensam sobre o sexo no casamento. O conceito popular de que os casados são menos satisfeitos sexualmente se deve a juízos de valor que pouco têm a ver com o sexo. 

A pesquisadora e terapeuta de casais, Sarah Hunter Murray, que também tem doutorado em sexualidade humana e anos de experiência profissional, diz que sempre fica desconsertada quando se depara com as falsas suposições sobre o sexo no casamento: “Fico perplexa, pois a maioria das pessoas hoje em dia se casa com uma pessoa por quem esteja apaixonada, alguém que seja um bom amigo, com quem quer compartilhar a vida”. 

Muita gente pensa que o sexo no casamento não é frequente ou tão apaixonado como quando se é solteiro. No entanto, estatisticamente falando, é o contrário: a probalidade de ter uma melhor qualidade no encontro sexual aumenta durante o casamento. 

Segundo a pesquisadora, os anos de relacionamento fazem com que existam mais oportunidades de encontros e conhecimento mútuo. Além disso, “há um crescimento do nosso autoconhecimento e habilidades sexuais. E isso é algo que se fortalece com uma relação a longo prazo”. 

Por outro lado, a intimidade que a vida matrimonial oferece desempenha um papel essencial na qualidade da vida sexual do casal. 

Os estudos demonstram que o afeto e a proximidade têm efeitos diretos entre quatro paredes. O sexo sem amor pode ser divertido, mas também é provável que seja um pouco incômodo, emocionalmente incerto e, às vezes, cheio de arrependimento. 

Para Hunter Murray, o vínculo mais forte, a confiança e a intimidade comuns no matrimônio são o combustível que os casais precisam para se sentirem seguros, experimentar e falar mais abertamente sobre seus gostos sexuais com as pessoas que amam.  A pesquisadora explica que é um erro pensar que estar muito familiarizado com nosso cônjuge poderia reduzir o desejo. O que, sim, poderia acontecer é que a paixão se apagar. Mas não pela convivência, mas por falta de comunicação. 

Diante da falta de paixão, os casais costumam se perguntar se deveriam continuar juntos ou não. Mas, na realidade, o que eles deveriam fazer é falar mais sobre vários assuntos, inclusive sobre sexo. 

Longe das crenças sobre os benefícios das relações casuais, a terapeuta diz que “aqueles que investem tempo e se esforçam para planejar o encontro de intimidade têm sexo melhor do que aqueles que não o fazem.”