Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

A incrível rede mundial católica de combate ao tráfico de pessoas

Rede Talitha Kum
Compartilhar

Freiras e religiosos coordenados em 76 países atacam uma das mais brutais e vastas formas de escravização contemporânea

A frase “Talitha Kum” aparece no Evangelho de São Marcos, capítulo 5, versículo 41. Traduzida do aramaico, a expressão significa “Menina, eu te ordeno, levanta-te”.

São as palavras que Jesus dirigiu à filha de Jairo, uma menina de 12 anos que, mesmo tendo experimentado o toque da morte, se levantou imediatamente após essas palavras do Filho de Deus e começou a andar.

Talitha Kum é também o nome de uma corajosa rede internacional formada por religiosas e religiosos que combatem o tráfico de pessoas mediante o intercâmbio de informações e a execução de operações em 76 países.

Fundada em 2009 para coordenar e fortalecer as atividades da vida consagrada nos cinco continentes contra o tráfico humano, a rede escolheu o seu nome daquela expressão de Cristo porque ela define bem a sua identidade: “Menina, levanta-te” sintetiza o poder da compaixão e da misericórdia e o desejo profundo de dignidade e de vida, adormecido e ferido pelas muitas formas de exploração de seres humanos indefesos.

A rede acaba de realizar em Roma um encontro intitulado “Talitha Kum na África: as religiosas protagonistas contra a escravidão moderna”. Nesse evento, a irmã Gabriella Bottani, coordenadora da rede, enfatizou que “é ilusão achar que não se pode fazer nada“.

“O medo que nos é incutido dá uma força incrível às organizações criminosas, mas a força do bem vai contra a dinâmica do medo. Não tenhamos medo porque podemos verdadeiramente mudar e descobrir o valor das pessoas. Precisamos da convivência no respeito da humanidade; precisamos de uma sociedade onde todas as pessoas possam ser reconhecidas na sua dignidade”.

Também participou do encontro a coordenadora regional da sessão de Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Flaminia Vola, que declarou:

“O tráfico de pessoas tira a dignidade e identidade do indivíduo. Torna-os mercadoria para a vantagem de alguns. Se quisermos realmente eliminar o tráfico de pessoas, a própria sociedade deverá mudar. Quem gera a necessidade de serviços ligados à exploração das vítimas do tráfico é pessoalmente responsável pelo impacto destruidor do seu comportamento sobre outros seres humanos e pela consequente violação dos valores morais”.

Ela destacou ainda o “limite cada vez mais sutil entre o tráfico de migrantes e o tráfico de pessoas”.

_____________

Com informações do Vatican News

Aleteia Top 10
  1. Lidos