Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como se afastar da tristeza e do desespero

IN THOUGHT
Shutterstock
Compartilhar

A solução de São João da Cruz para seu desespero foi brilhante; aqui estão suas estratégias

Recentemente, um dos meus paroquianos me perguntou por que eu estava tão deprimido durante as missas ultimamente. Eu tinha que ser honesto e admitir que eu luto contra a depressão e estava no meio de uma pequena crise.

Esse não é um segredo que eu gostaria de compartilhar, em parte porque não é o tópico de conversa mais agradável e em parte porque há muito pouco que pode ser feito sobre isso. Estar deprimido não significa que eu tenha tido um dia ruim no trabalho ou que estou prestes a me machucar. Não é causado por pensamentos negativos ou influências externas. Quando adolescente, nunca fiquei deprimido se uma garota terminasse comigo ou se eu discutisse com meus pais.

Não, a depressão é muitas vezes diferente disso. Para mim, é um indefinível senso de ausência, a terrível convicção de que estou em um redemoinho girando em direção ao ralo, incapaz de fazer qualquer coisa a não ser descer. Quando isso acontece, é um ato de pura força de vontade me arrastar para fora da cama pela manhã. Uma vez que o faço, o dia avança e eu funciono mais ou menos normalmente – ou pelo menos é o que penso – na verdade, comporto-me como se estivesse ligeiramente entorpecido.

Existem algumas formas físicas para ajudar a tratar a depressão. Meu próprio remédio vigorosamente aplicado é o exercício ao ar livre. Eu passo horas a fio em minha bicicleta, banhando-me ao sol, e saio para correr enquanto meu corpo libera as substâncias químicas responsáveis ​​pela alta da famosa endorfina. Eu sou zeloso sobre o meu tempo fora porque sei que é a chave para minha saúde mental. No final, porém, a depressão pode se tornar um fato da vida para aqueles que sofrem com isso.

Há outro tipo de tristeza persistente que é distinta da depressão, mas está relacionada e é chamada de desespero. As pessoas nas garras do desespero sofrem com a falta de esperança sobre o futuro. A condição é frequentemente causada por um evento traumático – a morte de um cônjuge, divórcio, perda de emprego, uma crise de meia-idade. Esse tipo de tristeza é diferente da depressão, mas não menos devastador para aqueles que sofrem com isso.

Particularmente agora, no eventos de fim de ano, ressurgem velhos sentimentos e mágoas. É hora de celebrar, mas também coloca em foco o que pode estar faltando em nossas vidas – os membros da família que se recusam a ir jantar, os presentes que não estão debaixo da árvore por falta de dinheiro…

Em qualquer cenário em que nos encontramos – depressão clínica ou desespero – podemos cair em uma armadilha. Ambos exigem nossa atenção e perguntas como: Por que isso está acontecendo comigo? O que eu fiz para merecer isso? Por que a vida é tão injusta? Quando começamos a ponderar essas questões, ficamos presos em um ciclo. Quanto mais entretemos nossas queixas, mais nossos pensamentos e sentimentos se tornam nossa identidade.

Não há uma solução fácil ou um truque de internet que forneça uma saída quando estamos deprimidos ou desesperados. Tudo o que podemos escolher é como reagimos a isso. O desespero traz para a vida um impasse esmagador? Ou eu vou sair da cama e viver minha melhor vida, mesmo que por enquanto eu esteja sob uma sombra?

São João da Cruz poderia ter dificuldades com esses tipos de pensamento. Ele teve uma vida difícil. Ele foi jogado na prisão por pessoas que ele achava que eram seus amigos, ridicularizado e expulso de sua casa, e acabou morrendo apenas tendo atingido a idade de 45 anos. Ele poderia facilmente ter entrado em desespero, mas, ao invés disso, ele escolheu um caminho diferente. Nada poderia mudar o que aconteceu com ele, mas ele sempre permaneceu firme no controle de sua reação, e sua solução para o problema do desespero foi brilhante. Ele escolheu praticar um hábito saudável de desapego.

São João da Cruz desapegou de perguntar por quê. Ele desapegou da amargura. Ele desapegou da culpa e da amargura. Ele nunca permitiu que sua identidade se tornasse a de uma pessoa que se desespera. A partir do exemplo de sua vida e pensamento, aqui estão alguns benefícios do desapego.

Desapego como forma de receptividade

São João desapegou dos ferimentos do passado, nunca permitindo que o desespero sobre o passado o superasse. Ele se esforçou para soltar isso para que ele pudesse ser totalmente receptivo a qualquer coisa que o futuro pudesse conter. Desta forma, ele estava pronto e com expectativa. Mesmo na prisão, ele conseguiu escrever belas poesias e escritos espirituais que ainda são lidos hoje. Quando nos desapegamos da depressão e do desespero, nós também os deixamos para trás e nos tornamos receptivos a um futuro promissor.

Desapego de identidade falsa

São João poderia facilmente ter desempenhado o papel de um mártir. O que aconteceu com ele foi injusto e errado. Se ele não fosse cuidadoso, ele também poderia ter assumido um pouco desse desespero e permitido que se tornasse parte de sua identidade. Em minhas próprias lutas com a depressão, uma das promessas que fiz a mim mesmo é que nunca permitirei que a depressão me defina. Eu não quero falar sobre isso amplamente. Eu não quero usá-la como desculpa. A depressão não é quem eu sou. Quando nos separamos do falso martírio e da auto-imagem negativa, somos libertos para ser quem realmente somos.

Desapego como forma de amor

São João diz: “O amor não consiste em sentir grandes coisas, mas em ter grande desapego e em sofrer pelo Amado”. Com isso, ele quer dizer que não importa o que sentimos. Mesmo se estivermos profundamente deprimidos ou em desespero, ainda somos capazes de amar. De fato, quando nos separamos desses sentimentos negativos, os superamos e amamos aqueles que nos rodeiam mesmo quando não estamos sentindo isso, é uma forma ainda maior de amor.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.