Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco: “É em casa que se transmite a fé”

HANDOUT / VATICAN MEDIA / AFP
Compartilhar

Neste domingo, festa do Batismo do Senhor, Francisco batizou 27 crianças, exortou os pais a não discutirem diante dos filhos e incentivou as mães a amamentarem mesmo em público

Uma “sinfonia” diferente foi “entoada” na manhã deste domingo, festa do Batismo do Senhor, dentro da belíssima Capela Sistina, no Vaticano – a mesma em que os cardeais se reúnem durante os conclaves para eleger cada próximo Papa. A “sinfonia” em questão, conforme matéria do portal Vatican News, juntava as vozes do Coral Pontifício ao choro e ao balbuciar das 27 crianças ali presentes, acompanhadas pelos pais, padrinhos e madrinhas, para serem batizadas pelo Papa Francisco!

Vatican News

Em sua breve e espontânea homilia, o Santo Padre destacou a importância do testemunho dos pais na transmissão da fé:

“Vocês pedem a fé à Igreja para os filhos de vocês. E hoje eles receberão o Espírito Santo, o dom da fé em seus corações, na sua alma. Mas esta fé, depois, deve se desenvolver, crescer. A fé é transmitida. E este é um trabalho que diz respeito a vocês. É uma missão que vocês recebem hoje: transmitir a fé; a transmissão da fé. E isto se faz em casa. Porque a fé é sempre transmitida em dialeto, o dialeto da família, o dialeto da casa, no ambiente da casa”.

A missão dos pais, portanto, inclui:

“Transmitir a fé com o exemplo, com as palavras, ensinando a fazer o Sinal da Cruz… E isso é importante. Há crianças que não sabem fazer o Sinal da Cruz. Transmitir a fé com a vida de fé de vocês. Que eles vejam o amor dos cônjuges, que eles vejam a paz da casa, que eles vejam que Jesus está ali”.

Francisco acrescentou então um conselho muito concreto para os pais e mães:

Nunca discutam diante das crianças. Nunca! É normal que os esposos discutam, é normal! Seria estranho se não. Mas façam de forma que eles não ouçam, não vejam. Vocês não sabem a angústia que uma criança tem quando vê os pais ‘brigarem’! Permitam-me este conselho, que ajudará vocês a transmitirem a fé. É ruim discutir? Nem sempre. É normal, é normal. Mas que as crianças não vejam, não escutem, por causa da angústia. Tenham em mente isto: a missão de vocês é transmitir a fé a eles, transmiti-la em casa, porque lá se aprende a fé. Depois se estuda na catequese”.

O Papa ainda exortou as mães a não ficarem constrangidas de amamentar os seus filhos; afinal, eles sentem fome!

“Vocês sabem que as crianças se sentem hoje num ambiente que é estranho para elas: muito calor, estão cobertas. E sentem o ar abafado. Isto primeiro. E depois choram porque têm fome, têm fome. E um terceiro motivo do choro é o ‘choro preventivo’. Elas não sabem o que vai acontecer; ‘primeiro eu choro e depois vamos ver…’. É uma defesa. Eu digo a vocês: deixem que elas fiquem confortáveis. Cuidem para não cobri-las muito, e, se elas choram de fome, amamentem. Digo às mães: amamentem as crianças, tranquilamente; nosso Senhor quer isto! Porque elas também têm uma ‘vocação polifônica’. Um começa a chorar e o outro faz o contraponto, e o outro, e depois isso vira um coral de choro. Sigamos em frente com esta cerimônia em paz, com a consciência de que cabe a vocês a transmissão da fé”.

__________________

A partir de matéria do Vatican News