Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pensar devagar é a chave para uma aprendizagem bem-sucedida?

YOUNG,WOMAN,THINKING
Shutterstock
Compartilhar

Há dois tipos de pensamento: o rápido e o devagar; mas nosso ambiente digital privilegia apenas um

Algumas pessoas se destacam por um certo tipo de inteligência. Elas têm uma capacidade de resposta muito rápida e certeira. Todos nós já vimos isso acontecer em reuniões da empresa, entre amigos ou na escola. Quando o professor faz uma pergunta, geralmente há alguém que, rapidamente, dá a resposta correta. Ou aquela pessoa que sempre tem uma resposta perfeita em qualquer situação social.

Esse tipo de velocidade é uma habilidade socialmente admirada que, em nossa era de redes sociais, adquire cada vez mais relevância. Na verdade, qualquer pessoa pode participar de uma conversa e deixar um comentário apenas digitando e clicando em “enviar”. Mas essa habilidade também seria positiva em outros ambientes, como o aprendizado ou a solução de problemas?

Podemos identificar duas maneiras de pensar aqui como estando em conflito uma com a outra. Por um lado, temos o pensamento do tipo “carro de corrida de alta velocidade”. Por outro lado, temos o pensamento do tipo “caminhada”.

Ambos atingem o objetivo, mas a uma velocidade muito diferente e com uma experiência muito diferente. Enquanto o pensamento de alta velocidade não presta atenção ao que é encontrado ao longo do caminho, o pensamento de caminhada permite-se ser entretido nos detalhes. Permite pensar mais profundamente e encontrar formas diferentes de resolver problemas que, de outra forma, passariam despercebidas. Afinal, não foi Arquimedes que supostamente apenas tomando banho surgiu com o que mais tarde foi conhecido como o Princípio de Arquimedes?

Quando pressionados, mal conseguimos pensar para fazer perguntas ou pensar de maneira diferente, com flexibilidade. Essa é a razão pela qual o pensamento em alta velocidade tende a ser mais rígido, eventualmente sem a capacidade de se adaptar ou de encontrar novas soluções ao longo do caminho: é tudo sobre ganhar a corrida, e é isso.

Ao negociar, as pessoas que pensam como carros de corrida tendem a ter noções mais preconcebidas do que os caminhantes, evitando assim informações críticas que são frequentemente reveladas durante discussões, conversas e outras trocas de informações. Negligenciar ou descartar este tipo de descoberta pode obviamente ter consequências fatais. Não é estranho encontrar pessoas capazes de ler rapidamente, devorando livros em apenas algumas horas, que simplesmente não são capazes de tirar conclusões do que acabaram de ler. Leitores velozes muitas vezes simplesmente querem o prazer de concluir o livro, mas mal prestam atenção ao seu conteúdo.

Em suma, em um mundo onde a informação corre tão rápido, o pensamento lento não é um luxo, mas sim uma habilidade que vale a pena ser treinada se quisermos encontrar soluções boas, diferentes, originais e duráveis.

O aprendizado nem sempre significa “pressa”. A reflexão requer tempo, uma moeda raramente encontrada nas redes sociais ou no mundo dos negócios. Curiosamente, quando dedicamos tempo para pensar com cuidado e devagar, fazemos perguntas melhores, desenvolvendo a capacidade de sermos flexíveis, mesmo com nossas próprias convicções.

Passear, “caminhar” pela vida, com os olhos abertos e um ritmo lento, oferece-nos um foco muito necessário. Como Santo Inácio disse, “seja lento para falar; só depois de ouvir pela primeira vez em silêncio é que você pode entender o significado, as inclinações e os desejos daqueles que falam”.