Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco amplia poderes de órgão anticorrupção do Estado do Vaticano

POPE FRANCIS
Antoine Mekary | Aleteia | I.Media
Compartilhar

Gabinete do Revisor-Geral das Contas do Vaticano tem a missão de combater irregularidades administrativas e financeiras

O Papa Francisco sancionou nesta semana o novo estatuto do Gabinete do Revisor-Geral das Contas do Vaticano, autarquia elevada ao nível de “autoridade anticorrupção” e dotada de poderes que foram ampliados.

Interinamente, o cargo está sendo exercido por Alessandro Cassinis Righini.

Segundo o estatuto anterior, o gabinete podia “pedir aos entes e às administrações qualquer informação e documentação de natureza financeira ou administrativa relevante“, mas os dicastérios vaticanos, equivalentes grosso modo a “ministérios”, tinham a possibilidade de recusar as solicitações. A nova redação elimina essa possibilidade ao determinar que o Revisor-Geral “pede e obtém” os documentos que forem necessários à sua função de fiscalização e de combate a irregularidades.

Por sua vez, o gabinete tem a obrigação de comunicar às autoridades econômicas e judiciárias quaisquer crimes eventualmente descobertos mediante as suas inspeções.

O Estado do Vaticano tem passado por amplas e profundas reestruturações focadas em combater quaisquer práticas passíveis de fraude no campo financeiro, assim como vem adotando políticas de “tolerância zero” na luta contra a pedofilia, os abusos sexuais, os abusos de autoridade e o seu respectivo acobertamento por parte de superiores, inclusive bispos e cardeais. Clérigos julgados e condenados como responsáveis por tais crimes têm sido expulsos do sacerdócio e entregues às instâncias da justiça civil.