Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A nobre e a escrava: Santas Perpétua e Felicidade, mulheres de fibra e mártires da fé

FELICITY
Compartilhar

Uma era mãe de recém-nascido, a outra estava grávida: nem isso impediu a perseguição anticristã de martirizá-las covardemente

A Igreja celebra duas grandes mulheres em 7 de março, véspera daquele que veio a ser chamado de “dia internacional da mulher”. Trata-se das santas mártires Perpétua e Felicidade, duas mulheres de fibra que se mantiveram firmes diante da ameaça de morte por causa da fé.

A nobre e a escrava

Perpétua era filha de uma família nobre e tinha um filho recém-nascido. Felicidade era escrava e estava grávida. As duas mães do norte da África foram presas por serem cristãs, durante uma das muitas épocas de perseguição brutal contra os seguidores de Jesus – dessa vez, promovida pelo imperador Severo.

SAINT FELICITY
Paullew | Flickr CC by NC ND 2.0

Na prisão em Cartago, onde fizeram questão de ser batizadas, as duas amigas deram prova de coragem e fé sólida.

Felicidade recebeu a graça que tanto tinha suplicado a Deus: a de dar à luz o seu filho antes do dia da execução. Mesmo em meio às dores do parto, ela respondeu ao guarda que a provocava:

“O que sofro agora é fruto da natureza, mas quando for atacada pelas feras, não estarei sofrendo sozinha: Cristo sofrerá por mim!”

Perpétua, no dia do martírio ao lado da amiga Felicidade, também registrou:

“Permanecei firmes na fé e guardai a caridade entre vós; não deixeis que o sofrimento se converta em pedra de escândalo”.

O dia do martírio

Segundo uma narração do século III, Perpétua e Felicidade foram jogadas diante de uma vaca brava, às vistas da multidão reunida para assistir ao “espetáculo”. A primeira a ser atacada foi Perpétua, que não se deixou amedrontar e ainda encorajou Felicidade, que estava no chão. Resistentes, as duas foram retiradas da arena pela porta dos gladiadores vitoriosos.

SAINT PERPETUA
Public Domain

Foi quando Perpétua voltou a si de uma espécie de êxtase: só então ela perguntou se já era hora de enfrentar as feras. Ao saber que ambas já tinham passado pela arena e saído vivas, ela mal pôde acreditar. Mas a multidão clamou pelo retorno das duas mártires, que se deram um beijo da paz e foram reconduzidas ao local em que a sua morte serviria como abjeta “distração” para um público profundamente degenerado.

Felicidade foi decapitada pelos gladiadores. Perpétua, porém, escapou ao primeiro golpe porque o seu carrasco estava tão nervoso que o errou. Ela própria ofereceu então o pescoço e, assim, morreu pela fé ao lado de Felicidade e de outros mártires que no mesmo dia também foram executados.