Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Existem orações realmente infalíveis?

Compartilhar

É Deus quem governa e rege, e não os homens

É comum recebermos através das redes sociais correntes de oração que, supostamente, desde que seguidas fielmente, teriam efeito infalível.

Dom Estêvão Bettencourt discutiu esse assunto em um artigo de maio de 2008 de sua revista Pergunte e Responderemos.

Segundo o beneditino, não há orações todo-poderosas, como por vezes se diz na linguagem popular. Desde toda a eternidade, Deus já decretou que Ele quer dar, e a sua vontade é imutável. Rezamos então não para dobrar Deus, mas para colaborar com Ele, visto que, ao decretar dar-nos algo, Ele o fez incluindo a nossa oração: Ele quer dar, mas quer que o peçamos.

O monge faz uma análise de exemplares desse tipo de oração dita infalível.

1. Oração das 13 almas

“Oh! minhas 13 almas benditas, sabidas e entendidas, a vós peço pelo amor de Deus, atendei o meu pedido. Minhas 13 almas benditas, sabidas e entendidas, a vós peço pelo sangue que Jesus derramou, atendei o meu pedido, pelas gotas de suor que Jesus derramou do seu sagrado corpo, atendei o meu pedido. Meu Senhor Jesus Cristo, que a vossa proteção me cubra, vossos braços me guardem no vosso coração e me protejam com os vossos olhos, Oh! Deus de bondade, vós sois meu advogado na vida e na morte, peço-vos que atendei os meus pedidos e me livrai dos males e dai-me sorte na vida. Segui meus inimigos que os olhos do mal não me vejam, cortai as forças dos meus inimigos. Minhas 13 almas benditas, sabidas e entendidas se me fizerem alcançar esta graça, ficarei devota de vós e mandarei imprimir 200 desta oração mandando também rezar uma missa.

Reza-se 13 Pai Nossos e 13 Ave Marias, 13 dias.”

Pergunta-se: quem são essas treze almas? Já o número 13 é suspeito por estar muito ligado à superstição.

O pedido insistente de defesa contra os inimigos é uma das linhas-mestras das religiões afro-brasileiras, que atribuem todos os males a espíritos superiores que se encostam no ser humano. Tal oração será uma adaptação da mentalidade umbandista à linguagem cristã?

Essas 13 almas benditas, sabidas e entendidas são tão poderosas quanto Deus é?

2. Novena Milagrosa das Sandálias de Santo Antônio

“Reze durante Novembro terça-feira, com uma vela acesa sobre esta sola de sandália cinco Pai Nosso, cinco Ave-Maria, cinco Glória ao Pai. Quando acabar de Rezar, apague a vela e guarde para as outras terça- feira. Na última terça-feira, deixe que ela se queime até o fim. Faça dois pedidos difíceis de serem realizados e um pedido para sua melhoria geral.

A cada terça-feira, distribua três cópias desta novena. Se não tiver ninguém para quem dar as cópias, deixe-as em uma igreja junto a uma imagem de Santo Antônio. Esta novena é infalível. Quem não tem fé vai comover-se.”

Superstição é atribuir efeito maravilhoso a causas que a lógica e o bom senso não justificam. Donde a pergunta: Por que a sandália do Santo? Por que durante o mês de novembro?

Quem prometeu infalibilidade a tal prática? Certamente não o próprio Deus; nem Santo Antônio obteria isto de Deus.

3. Pedido Especial

“Oh, Mãe querida Nossa Senhora Aparecida

Oh, Santa Rita de Cássia.

Oh, meu Glorioso São Judas, protetor das Causas impossíveis,

Santo Expedito, o Santo da última hora.

Santa Edwiges, a Santa dos necessitados.

Vós, que conheceis meu coração angustiado,

Intercedei junto ao Pai por mim (pedir a graça).

Eu vos glorifico e vos louvo sempre.

Curvar-me-ei diante de vós… Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

Confio em Deus com todas as minhas forças, e peço que ilumine o meu caminho e a minha vida. Amém.

Atenção: rezar por três dias. Faça 25 cópias, e deixe na igreja, para sua propagação. Observe o que acontecerá no quarto dia. Sua graça será alcançada por mais difícil que seja.”

Esta oração começa por invocar seis Santos, nivelando de certo modo a virgem Santíssima com Santo Expedito, cuja existência é posta em dúvida.

Pergunta-se de novo: quem garante a eficácia de tal prece? Não é o próprio Deus; o único Onipotente. Ninguém pode garantir a ocorrência de um evento livre senão o próprio Deus.

Dizemos então que tais concepções dependem de uma mentalidade da mágica ultrapassada pela lógica e a mentalidade científica: Deus é imutável e não pode ser dobrado pela vontade humana nem a troco dos mais requintados artifícios.

Por que devemos orar?

Se Deus não modifica seus desígnios quando o homem lhe pede algo muito razoável e santo, por que oramos?

Deus decretou irrevogavelmente dar-nos o que nos convém, incluindo nesse desígnio a colaboração do homem pela oração. Oramos não para que Deus faça a nossa vontade, mas para que nós façamos a vontade dele à semelhança do que Jesus fez quando disse: “Que este cálice passe sem que eu o beba; faça-se, porém, a tua vontade e não a minha” (Mc 14, 36).

S. Agostinho comenta os fatos:

“Vós tratais o homem como um doente a restabelecer; dais-lhe quando julgais oportuno que ele receba; e dais-lhe segundo a sua necessidade. Por vezes, exprimimos a Deus um desejo que Ele não escuta; Ele sabe a hora em que convém dar-nos, porque vela sobre nós.

Porque digo eu isto, meus irmãos? Porque acontece, por vezes, que alguém não é ouvido quando pede coisas perfeitamente legítimas, ao passo que Deus pode escutar um pedido injusto, para castigo de quem pede. Quando pedires uma coisa perfeitamente justa e não fores escutado, não percas a coragem, não percas o ardor; fixa os olhos no alimento que Deus dá em tempo oportuno.

Quando Deus recusa dar, não dá para que o seu dom não se torne para nós um prejuízo. Paulo não fazia uma súplica injustificada quando pedia a Deus que o libertasse do espinho na sua carne, esse anjo de Satanás que o esbofeteava. Pediu e não recebeu. Era tempo de provar a sua fraqueza e não de lhe dar alimento: Basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que a minha força se manifesta.

O diabo pediu a Deus para pôr Jó à prova, e foi-lhe concedido. Meditai bem nisto, meus irmãos, porque é um grande mistério que devemos conhecer, recordar, ter sempre presente no espírito e nunca esquecer, porque nesta vida nunca nos faltarão provações.

Que direi? Há de comparar-se o Apóstolo ao diabo? O Apóstolo reza e não recebe; o diabo pede e obtém. Mas o diabo obtém para sua perda, enquanto Paulo não recebe para poder progredir na perfeição. O próprio Jó foi curado a seu tempo. Mais depressa foi escutado o demônio para tentar a Jó, do que Jó para lhe ser restituída a saúde. Deus difere, para pôr à prova. Aprendei a não murmurar contra Deus, e quando não fordes atendidos, não cesseis de dizer: todos os dias Vos bendirei”.

Mentalidade bem diferente daquela que nos passa no “Orações todo-poderosas”. É Deus quem governa e rege, e não os homens.

(Com Revista Pergunte e Responderemos, número 551, maio de 2008)

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.