Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 18 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

O bilhete da mãe que abandonou seu filho autista de 5 anos é para cada um de nós

Polícia de Hangzhou / Reprodução

Reportagem local - publicado em 20/05/19

Os dramas que se escondem por trás de outros dramas - e o quanto as "políticas para a família" estão errando o foco em todos os recantos do planeta

Um menino autista de 5 anos de idade foi abandonado pela mãe em uma lanchonete da rede internacional KFC localizada em uma estação de trem de Hangzhou, na China. O caso ocorreu na semana passada e foi divulgado pela imprensa chinesa na última sexta, 17.

As fotos acima, da mãe e do menino, foram divulgadas pela polícia de Hangzhou.

Os funcionários da lanchonete estranharam o longo tempo que o menino passou sozinho em sua mesa e tentaram conversar com ele, mas não conseguiram. Acionada, a polícia foi até o local e encontrou no bolso do pequeno um bilhete doloroso.

Era uma breve e triste carta da mãe. Ela explicava, primeiro, que o filho é autista e não fala. Contava ainda que resolveu deixá-lo ali porque não tinha mais condições de pagar a terapia do menino, já que ela própria tinha sido abandonada pelo marido em 2016. O peso de arcar com todos os custos e responsabilidades a estava abalando emocional e fisicamente.

Graças às câmeras de segurança da lanchonete, a polícia conseguiu identificar a mulher e localizá-la na quarta-feira passada. Nas imagens, pode-se ver que ela entra com o filho, fica um pouco de tempo ao lado dele e, num momento em que o menino se afasta, aproveita para ir embora.

Em seu depoimento, a mãe contou o porquê da decisão drástica de abandonar o filho e acrescentou informações bastante relevantes, que, do ponto de vista ético, ajudam a contextualizar o caso e a promover uma reflexão necessária sobre os dramas que provocam outros dramas.

Ela recordou, por exemplo:

  • que os orfanatos chineses só acolhem crianças abandonadas, mas não as que os pais tentam lhes entregar diretamente;
  • que escolheu a lanchonete porque sabia que ali o menino estaria em maior segurança e seria rapidamente abordado pelos funcionários;
  • que o governo da China não cobre nenhuma terapia para crianças autistas, cabendo todos os custos aos próprios pais;
  • que tanto ela quanto o filho morreriam de fome se continuassem juntos, porque o salário dela não pode sustentar os dois;
  • que pensou em alternativas durante muito tempo, mas só viu esta opção como viável para que ambos sobrevivessem.

O menino foi levado para um orfanato e a mãe está respondendo pelo crime de abandono de incapaz.

Família: um desafio em todos os países

As investigações avaliarão a veracidade das alegações da mulher, mas, independentemente de serem verdadeiras ou falsas, o fato claro é o quanto a família, nos mais diversos contextos sociais, culturais, políticos, econômicos e religiosos, está suplicando por efetiva atenção em todos os recantos do nosso planeta.

A China é um caso emblemático: não falta dinheiro; não falta poder ao Estado; não falta propaganda de “saúde e renda universal”. Não faltaram sequer “políticas” para a família: a famigerada “lei do filho único”, recentemente suavizada, foi uma suposta tentativa de garantir melhores condições de vida para a população, mas, após décadas de aplicação repressiva e taxativa, não apenas não resolveu as dificuldades econômicas de milhões e milhões de chineses como ainda gerou uma catástrofe social com um desequilíbrio populacional inédito na história da humanidade entre homens e mulheres, decorrente do massivo aborto seletivo de meninas.

Se não faltaram “políticas” para a família, o que faltou foi família para as políticas. Família como valor universal, a ser declarado e honrado sem tergiversações; família como instituição básica da sociedade, a ser amparada e priorizada sem relativizações; família como realidade natural, a ser reconhecida e custodiada sem manipulações.

Boa parte das calamidades de uma nação, se não todas, se originam, direta ou indiretamente, do quanto essa nação despreza na prática o valor universal e o caráter institucional da família natural em suas políticas educacionais, econômicas, sanitárias, de segurança. O resto serão sempre tentativas de consertar o estrago, errando necessariamente o alvo em todas as vezes.

Tags:
FamíliaFilhosIdeologiaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia