Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como a fé ajuda a superar a síndrome do ninho vazio

Compartilhar

É normal: os filhos crescem e seguem suas vidas. Mas e os pais, como ficam? Como lidar com a saudade e outras preocupações?

É um caminho natural. Os filhos crescem e querem viver as próprias vidas. Deixam a casa dos pais e se mudam de rua, de bairro, de cidade ou até mesmo de país. Os motivos podem ser vários: estudo, trabalho, casamento, independência.

Quando o casal percebe, aquela família que esteve junta durante tantos anos, agora está “ficando menor”. A casa, antes cheia, movimentada, vai se tornando mais quieta. O ninho está ficando vazio!

A psicologia até entende como natural o sentimento de tristeza que toma conta dos pais quando os filhos deixam o lar para seguir seu próprio caminho. Mas esse momento deve ser breve e não pode ser confundido com a depressão, que exige uma abordagem diferente.

Minha esposa e eu passamos por esta experiência recentemente. Nossa filha mais velha se mudou de cidade para estudar. Ela tem o sonho de cursar a faculdade de medicina, e para isso foi em busca de preparação num cursinho pré-vestibular.

Esse momento nos trouxe uma nova realidade. Depois de 18 anos de casados a nossa vez chegou. A primeira de nossas duas filhas começou a caminhar longe dos nossos olhos. A mudança é grande: a saudade é enorme, o desejo do beijo e do abraço é amenizado pelas conversas de vídeo no celular, a nossa preocupação com a saúde e o bem-estar dela se tornam ainda maiores e o orçamento familiar fica mais apertado, afinal de contas o custo de morar em outra cidade é alto. Além disso, não podemos deixar de lado a filha mais nova, que ainda mora conosco.

Foi uma fase de muita ansiedade, insegurança, medo. Mas que veio acompanhada de um fortalecimento na fé. Longe da nossa proteção, temos que confiar que Deus, Nossa Senhora e os anjos sempre estarão ao lado dela. Para nós, é hora de testar a fé e para ela, de colocar em prática aquilo que aprendeu em casa.

Neste período temos intensificado nossas orações para que ela esteja sempre sob a proteção divina e que consiga alcançar seus objetivos. E a certeza de que o amor de Deus pelos seus filhos é infinito vamos seguindo nos preparando para a saída da segunda filha.

Isso sempre traz conforto para nossos corações: nossas filhas estão crescendo, buscando a realização dos próprios objetivos. Sinal que a semente foi plantada e agora vemos nossos frutos se preparando para também produzi-los.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.