Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Freira encontrada morta em Portugal apresentava sinais de estupro e asfixia

Irmã Maria Antónia Pinho / Facebook (Reprodução)
Compartilhar

Três dias antes de ser assassinada covardemente, a religiosa havia dado uma entrevista falando do amor pela vocação e pela castidade

Foi encontrada morta com sinais de violência sexual e asfixia a religiosa portuguesa Maria Antónia Pinho, de 61 anos, carinhosamente chamada de Irmã Tona.

O crime ocorreu no último domingo, 8 de setembro, na casa de um ex-presidiário a quem a freira teria dado uma carona. Como suposto agradecimento, ele ofereceu a ela um café e tentou violentá-la, recorrendo ao golpe conhecido como “mata-leão”, em que a vítima sofre estrangulamento. Segundo a polícia, que deteve o acusado no mesmo domingo, essa teria sido a causa da morte da freira, que resistiu à tentativa de estupro. Depois do golpe, o criminoso a teria deitado na cama e violentado.

Dependente químico, o assassino identificado apenas como Alfredo estava em liberdade condicional havia três meses. Ele cumpriu parcialmente a pena de 16 anos de prisão a que foi condenado precisamente por dois crimes de estupro. No mês passado, já em liberdade, ele tinha tentado violentar uma jovem de 20 anos.

Pertencente à congregação das Servas de Maria Ministras dos Enfermos, na cidade do Porto, a irmã Tona, que era enfermeira, estava em São João da Madeira para cuidar da mãe. Em entrevista concedida ao jornal O Regional três dias antes de ser assassinada, a freira havia falado da sua vocação e testemunhado que sempre soube que era aquele o seu chamado:

“Nunca duvidei. Conheço-me sempre com o desejo de ajudar pessoas doentes. Só sabia que queria ser freira e que seria para sempre”.

Ela também tinha falado da castidade, virtude que definia como um presente para Deus.

O Regional

O entrevistador havia sido o jornalista António Gomes Costa, que, em declarações ao site Contacto, afirmou sobre a religiosa:

“A irmã Tona estava sempre a sorrir. Sempre me lembrarei dela assim. O olhar dela não escondia a paixão e o amor por uma opção que tem cerca de 40 anos”.

Sob choque, a população de São João da Madeira está em luto oficial e deverá comparecer em grande número ao funeral da Irmã Tona, às 11h desta quarta-feira, na igreja matriz.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.