Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que a Virgem Maria estava chorando em La Salette?

Our Lady of La Salette
DyziO | Shutterstock
Compartilhar

A aparição de Nossa Senhora de La Salette nos desafia a adotar uma prática espiritual muitas vezes negligenciada

Em 19 de setembro de 1846, a Santíssima Virgem Maria apareceu para duas crianças perto da pequena vila de La Salette, na França. Enquanto a maioria das aparições relatadas de Maria a retrata sem muita emoção, em La Salette ela foi vista chorando. Mas por quê?

Segundo os relatos das crianças, uma das principais razões de sua tristeza têm a ver com um lapso na observância do domingo como um dia de descanso. Ela teria dito o seguinte às crianças:

“Se meu povo não quer se submeter, sou forçada a deixar cair a mão de meu Filho. Ela é tão forte e pesada que não posso mais retê-la. Há quanto tempo sofro por vocês! Se quero que meu Filho não os abandone, sou obrigada a suplicá-lo incessantemente. E vocês nem se importam com isso. Por mais que rezem, por mais que façam, jamais poderão recompensar a aflição que tenho sofrido por vocês.

Dei-lhes seis dias para trabalhar, e reservei-me o sétimo, e não me querem concedê-lo. É o que faz pesar tanto o braço de meu Filho.

 Os carroceiros não sabem falar sem usar o Nome de meu Filho. São essas duas coisas que tornam tão pesado o braço de meu Filho.

Apenas algumas mulheres bastante velhas vão à missa no verão. Todo o resto trabalha todos os domingos durante o verão.”

No contexto pós Revolução Francesa de 1789, foram feitos esforços para abolir o domingo como um dia de descanso. Embora isso tenha sido revertido em 1814, em 1830 a França estava novamente em inquietação política e foi só em 1904 que o domingo se tornou um dia de descanso legal e obrigatório para todos os trabalhadores. Na época da aparição em La Salette, a maioria dos trabalhadores na França não fazia distinção entre domingo e o resto da semana de trabalho.

O fato de as pessoas trabalharem aos domingos pode parecer pouca coisa para fazer a Virgem Maria chorar. Mas a Igreja sempre tentou enfatizar nossa necessidade humana inata de descansar.

Em 1998, São João Paulo II escreveu uma carta apostólica inteira sobre o “Dia do Senhor”  destacando o domingo como uma parte vital para o futuro de nossa fé.

Se queremos consolar a Virgem triste e secar suas lágrimas, precisamos examinar nossas próprias vidas e considerar como observamos o domingo. É realmente um dia de descanso? Isso não significa simplesmente a ausência de trabalho, mas acima de tudo, deixando espaço apropriado para o culto espiritual e atividades que dão nova vida ao nosso corpo e à nossa alma.

Numa época em que ansiedade e depressão são doenças comuns, por que não seguimos o conselho de Deus e descansamos? Será que isso é fácil para nós?

Leia também: O “Dia do Senhor” deveria ser separado do fim de semana?

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.