Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 01 Outubro |
Santa Teresinha do Menino Jesus
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Missionário no Iraque: morte de líder enfraquece, mas não elimina o Estado Islâmico

rquxybqqvcczvussjregagmpvymvxunh4zst74utq9agvc600nhmct7fj5iw79b8bh7xzop6tqj4aumqjxhkuz6m2qi.jpg

Reportagem local - publicado em 29/10/19

Os cristãos, segundo o sacerdote, continuarão sendo alvo da covardia fanática: "Esta é a história dos cristãos no Oriente Médio há 1.400 anos"

Mediante comunicado oficial, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou neste fim de semana a morte do fundador e líder do grupo terrorista Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, juntamente com “um grande número de combatentes e companheiros” da organização jihadista. Durante uma operação militar norte-americana realizada na noite de sábado, 26 de outubro, Al-Baghdadi fugia por um túnel quando, sem saída, detonou seu colete-bomba, causando não apenas a própria morte, mas ainda, como derradeiro gesto da infame covardia que o caracterizou como chefe de um dos mais abjetos e fanáticos grupos de bandidos de toda a história da humanidade, também assassinou as três crianças que estavam com ele. Segundo Trump, o corpo do terrorista foi mutilado pela explosão, mas os testes confirmaram a sua identidade.

A agência informativa católica internacional ACI conversou a respeito com o pe. Luis Montes, missionário há mais de 20 anos no Oriente Médio, inclusive no Iraque:

“É um golpe muito forte, sem dúvida. Não devemos esquecer que o Estado Islâmico é um grupo terrorista muito importante, mas há muitos, houve antes e, como dizem aqui, quando não houver mais o EI, aparecerá outro”.

Retomando reflexões do arcebispo caldeu de Erbil, dom Bashar Warda, o pe. Luis acrescentou:

“Enquanto os cristãos forem só tolerados e não tiverem seus direitos de igualdade reconhecidos por lei, esses grupos voltarão a aparecer: tanto os que já existem quanto outros que vão surgir”.

Para o missionário, a violência terrorista se enraíza nos próprios ensinamentos da jihad islâmica, que justifica atos violentos em nome de uma “guerra santa” contra os “infiéis”. O pe. Luis conclui:

“O fato de que os cristãos sejam considerados cidadãos de nível inferior conduz à violência e, como também disse dom Bashar Warda, esta é a história dos cristãos no Oriente Médio há 1.400 anos”.
Tags:
Estado IslâmicoPerseguiçãoTerrorismo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia