Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Religião

A grande preocupação do Papa (da qual a mídia não fala)

© Piotr Tumidajski / KAI

Salvador Aragonés - publicado em 13/03/20

O Papa Francisco diz que a Igreja deve estar "ao lado dos que sofrem"

Hoje no mundo parece haver um único tema de conversa: o coronavírus. A mídia e a opinião pública ignoram conflitos e guerras, problemas internacionais e crises que continuam afetando certos países como Turquia, Síria e Grécia, para citar alguns poucos exemplos.

É verdade que o vírus que surgiu na China causa grande preocupação entre as populações, às vezes até pânico. Há muitas pessoas que sofrem.

Mas e aqueles que, nas periferias do mundo, sofrem calamidade, abandono, fome, desamparo, desumanidade? O sofrimento vai além do coronavírus hoje no mundo.

Por essa razão, o Papa Francisco, no dia 11 de março, lançou um grito em favor de quem padece de outros sofrimentos:

Não gostaria que esta dor (o coronavírus), esta epidemia tão forte nos faça esquecer os pobres sírios que estão sofrendo na fronteira da Grécia e da Turquia: um povo há anos sofredor. Devem fugir da guerra, da fome, das doenças. Não esqueçamos os irmãos, irmãs e tantas crianças que estão sofrendo ali.

O Papa recebe diariamente informações sobre o drama existente na fronteira entre a Turquia e a Grécia: os turcos, a despeito da Europa (que não apoia sua atuação na Síria), abriram as fronteiras para os refugiados partirem rumo à União Europeia, passando pela Grécia, fronteira com a Turquia.

A Grécia tem recusado com veemência os refugiados.

A Igreja, diz o Papa, “deve estar ao lado daqueles que sofrem”.

A situação dos migrantes e exilados sírios na Turquia é gravíssima: eles vivem quase na miséria, sem escolas, alojados em campos de refugiados, sem trabalho e, quando o têm, são empregos servis.

E agora que a Turquia abriu a fronteira para eles passarem, eles não podem regressar ao cenário de guerra em seu país, a Síria. Eles buscam atravessar a fronteira com a Grécia, mesmo correndo risco de morte. Um forte drama humano.

Parece uma multidão abandonada por todos, sem país, sem futuro, sem comida: ninguém os quer. E o direito humano de asilo? A Europa olha para o lado e só permite a passagem de algumas crianças e jovens, quando há dezenas de milhares de pessoas na fronteira.

Por que esse conflito ocorre?

A União Europeia, com sede em Bruxelas, chegou a um acordo com a Turquia para fazer com que este país atue como barreira para refugiados que se dirigem à Europa. Em troca, a Europa paga 6 bilhões de euros (cerca de US$ 6,3 bilhões) ao governo turco de Recep Tayyip Erdogan. Foi um acordo bastante embaraçoso.

A guerra civil na Síria começou em 2011, entre o governo de Damasco, presidido por Bashar al-Asad, e seus oponentes que queriam derrubá-lo, na chamada “Primavera Árabe”.

Desde então milhões de sírios fugiram das bombas, das perseguições, da guerra que varre tudo. E eles fugiram principalmente para Turquia, Líbano, Jordânia e, acima de tudo, Europa.

Os Estados Unidos apoiaram a oposição contra Bashar al Asad, que foi diretamente apoiado pelo Irã e pela Rússia. Contra o governo sírio estava também uma parte dos curdos, um povo indo-iraniano que vivia entre a Turquia, o Iraque, o Irã e a Síria.

Os curdos, aliados dos Estados Unidos, realizaram boa parte da luta contra os terroristas do Estado Islâmico que se fortaleceram em algumas regiões da Síria, como a bela Aleppo. Mas o regime de Erdogan considera os curdos terroristas contra seu país.

Quando os Estados Unidos deixaram a área, em 2019, os curdos ficaram sozinhos em uma luta não apenas contra o governo sírio de Damasco, mas também em sua luta contra a Turquia e o Estado Islâmico. Erdogan decidiu penetrar 30 quilômetros no território sírio para controlar o terrorismo.

Esta situação não agradou nem a Rússia nem o Irã, que faz fronteira com a Turquia, aliados de Damasco. Então a guerra na Síria reacendeu: bombardeios, destruição e refugiados em direção à Turquia. A ação turca passou a ser aceita pelos Estados Unidos, desde que a guerra causasse poucas mortes. Não foi assim. Era o ano de 2019.

Erdogan continuava irritado com a União Europeia porque ela não o apoiou nem na guerra na Síria nem em suas aspirações de se tornar parte da UE. Ele cobra o estabelecimento de uma unidade aduaneira com a Europa. Ele ameaçou – e cumpriu – abrir as fronteiras para os refugiados sírios seguirem para a Europa, através da fronteira com a Grécia, uma eterna adversária da Turquia, apesar de serem ambos membros da OTAN.

Erdogan não agiu assim com a Bulgária – outro país membro da UE que também tem fronteira com a Turquia -, pois fez um acordo estratégico com o presidente búlgaro, em março deste ano no palácio presidencial de Ancara, capital da Turquia.

Um acordo da semana passada entre a Rússia e a Turquia, entre Vladimir Putin e Erdogan, terminou com um cessar-fogo na cidade de Idlib. Mas até quando vai durar?

O fato é que o mundo – mesmo atravessando a emergência sanitária do coronavírus – não pode esquecer o drama dos refugiados sírios.




Leia também:
O Papa não esquece Iman Laila, a menina síria que morreu de frio nos braços do pai

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
IgrejaOraçãoPapaPapa FranciscoSofrimento
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia