Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A oração favorita do pequeno grande São Francisco Marto, vidente de Fátima

São Francisco Marto
Santuário de Fátima
Compartilhar

Simples, breve e profunda, essa prece foi ensinada aos pastorinhos pelo Anjo que lhes apareceu em 1916, ainda antes das aparições de Maria

São Francisco Marto, junto com sua irmã Santa Jacinta e sua prima Lúcia, foi um dos três pastorinhos portugueses que testemunharam em Fátima as aparições do Anjo, em 1916, e de Nossa Senhora, em 1917.

Neste mês, completaram-se 101 anos da partida de São Francisco Marto para o Abraço Eterno do Pai: ele tinha apenas 10 anos de idade (faltavam pouco mais de dois meses para completar os 11) quando, às 10 horas da noite de 4 de abril de 1919, ele faleceu em Aljustrel, na casa da sua família, confirmando o que a Virgem Maria tinha lhe confiado: ele morreria muito jovem. Francisco tinha adoecido no final de 1918, contagiado pela devastadora gripe pneumônica, a trágica epidemia que passou para a História como “a gripe espanhola” e que causou a morte de assombrosos milhões de pessoas em grande parte do planeta.

Dois dias antes de partir, em 2 de abril, Francisco tinha se confessado e recebido a Comunhão pela última vez, “com grande lucidez e piedade”. Quem escreveu esse testemunho foi o pároco de Fátima no Livro de Óbitos, ao registar a morte do pequeno em 4 de abril. “E confirmou que tinha visto uma Senhora na Cova da Iria e Valinho”, acrescentou o sacerdote.

Um pequeno grande contemplativo

Em seu diário, a Irmã Lúcia contava sobre o primo:

Francisco era silencioso; e para orar e oferecer seus sacrifícios a Deus, gostava de ocultar-se, inclusive de Jacinta e de mim. ‘Gosto de orar a sós para pensar e consolar Nosso Senhor que está tão triste’. Francisco suportou muitos sacrifícios, feitos também de longos jejuns”.

Na sua causa de beatificação e canonização foi sempre destacada entre as suas virtudes a profunda vida contemplativa, particularmente impactante no caso de uma criança.

Os testemunhos de quem o conheceu relatam que a sua oração favorita era aquela ensinada pelo Anjo no dia em que lhe apareceu:

Meu Deus eu creio, adoro, espero e amo-vos. Peço-vos perdão por aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não vos amam”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia