Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Espiritualidade

Como celebrar em casa a Sexta-feira Santa

Reportagem local - publicado em 08/04/20

O roteiro completo para você fazer em sua casa a Celebração da Palavra da Sexta-feira Santa

Para santificar esta Sexta-feira Santa, a Aleteia, em colaboração com a revista Magnificat, oferece esta Celebração da Palavra de Deus para você fazer em sua casa.

GUIA ESPECÍFICO DA CELEBRAÇÃO DE SEXTA-FEIRA SANTA:

  • Se você não tiver um crucifixo, faça uma cruz simples, de cerca de quarenta centímetros, por exemplo, com duas varas de madeira presas com uma barbante.
  • Na medida do possível, prepare para que cada participante possa ter o texto da grande oração universal da Sexta-feira Santa.
  • O condutor da celebração deve preparar o seu trabalho com antecedência.
  • A leitura da Paixão é particularmente emocionante. Deve ser lida devagar, com uma voz clara e firme. Cada um dos leitores envolvidos preparará com antes as passagens da leitura que lhe foram atribuídas.
  • Três leitores devem ser escolhidos para ler o Evangelho. Seus papéis devem ser divididos da seguinte forma: ✙: Jesus, C/: Cronista, S/: outros personagens. Se você puder contar com apenas dois leitores, um assumirá o papel de ✙: Jesus e o outro, o de C/ e S/.
  • Durante o Evangelho, o leitor apagará a única vela (que deve estar acesa desde o início da celebração), depois de ler o verso que diz: “E, inclinando a cabeça, entregou o espírito“.
  • Deve-se retirar do espaço de oração todas as decorações e tudo o que for supérfluo. O ideal é que fique apenas o crucifixo e uma vela. Não se colocam flores.
  • A vela, acesa no início, será apagada durante a leitura da Paixão. A iluminação deve ser a mínima necessária para poder ler as passagens bíblicas.
  • O ideal é começar a celebração por volta das 15h.
  • Durante a celebração, nos esforçaremos para manter uma atmosfera de silêncio e recolhimento. Deve-se perceber que algo dramático está ocorrendo.

ROTEIRO GERAL DA CELEBRAÇÃO:

  • Se você está sozinho, é preferível ler as leituras e orações da missa deste domingo ou acompanhar a missa pela televisão.
  • Esta celebração requer ao menos a participação de duas pessoas.
  • Pode ser celebrada na noite de sábado (vigília do domingo) e na tarde do domingo. No entanto, a manhã de domingo é o momento mais apropriado.
  • Esta celebração se adapta particularmente ao contexto familiar.
  • Deve-se colocar o número de cadeiras necessário diante de um espaço de oração, respeitando a distância de um metro entre cada cadeira.
  • Deve-se colocar uma cruz ou o crucifixo.
  • Acende-se uma ou várias velas, que devem ser colocadas em um suporte seguro. Ao final da celebração, elas devem ser apagadas.
  • Se você tem flores no jardim, colha algumas para colocá-las no ambiente de oração, pois sua presença é particularmente indicada neste domingo Laetare, em previsão da alegria da Páscoa.
  • Designa-se uma pessoa para dirigir a oração (em ordem de prioridade: um diácono, um leigo que tenha recebido o ministério de leitor ou acolitado, o pai ou a mãe de família.
  • A pessoa encarregada de dirigir a oração estabelecerá a duração dos momentos de silêncio.
  • Serão designados leitores para as leituras.
  • Preparar-se-á com antecedência a oração universal (que aparece neste guia) e se designará uma pessoa para sua leitura.
  • Podem-se preparar os cantos apropriados.

SEXTA-FEIRA SANTA

Celebração da Palavra

 “Tudo está consumado”

Sentados, aguardamos três minutos em silêncio. Em seguida, todos se levantam e fazem o sinal da cruz, dizendo: 

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Amém.

ORAÇÃO

O condutor recita esta oração:

Recorda, Senhor,

tua misericórdia,

e santifica teus servos com tua eterna proteção,

por Jesus Cristo, teu Filho, através do seu sangue,

instituiu em seu favor o Mistério pascal.

Ele, que vive e reina contigo.

Amém

O encarregado da primeira leitura permanece de pé, enquanto os demais se sentam.

PRIMEIRA LEITURA

Leitura do Livro de Isaías (52,13-53-12)

Ei-lo, o meu Servo será bem sucedido;

sua ascensão será ao mais alto grau.

Assim como muitos ficaram pasmados ao vê-lo

– tão desfigurado ele estava que não parecia

ser um homem ou ter aspecto humano -,

do mesmo modo ele espalhará sua fama entre os povos.

Diante dele os reis se manterão em silêncio,

vendo algo que nunca lhes foi narrado

e conhecendo coisas que jamais ouviram.

‘Quem de nós deu crédito ao que ouvimos?

E a quem foi dado reconhecer a força do Senhor?

Diante do Senhor ele cresceu como renovo de planta

ou como raiz em terra seca.

Não tinha beleza nem atrativo para o olharmos,

não tinha aparência que nos agradasse.

Era desprezado como o último dos mortais,

homem coberto de dores, cheio de sofrimentos;

passando por ele, tapávamos o rosto;

tão desprezível era, não fazíamos caso dele.

A verdade é que ele tomava sobre si nossas

enfermidades e sofria, ele mesmo, nossas dores;

e nós pensávamos fosse um chagado,

golpeado por Deus e humilhado!

Mas ele foi ferido por causa de nossos pecados,

esmagado por causa de nossos crimes;

a punição a ele imposta era o preço da nossa paz,

e suas feridas, o preço da nossa cura.

Todos nós vagávamos como ovelhas desgarradas,

cada qual seguindo seu caminho;

e o Senhor fez recair sobre ele

o pecado de todos nós’.

Foi maltratado, e submeteu-se, não abriu a boca;

como cordeiro levado ao matadouro

ou como ovelha diante dos que a tosquiam,

ele não abriu a boca.

Foi atormentado pela angústia e foi condenado.

Quem se preocuparia com sua história de origem?

Ele foi eliminado do mundo dos vivos;

e por causa do pecado do meu povo

foi golpeado até morrer.

Deram-lhe sepultura entre ímpios, um túmulo entre

os ricos, porque ele não praticou o mal

nem se encontrou falsidade em suas palavras.

O Senhor quis macerá-lo com sofrimentos.

Oferecendo sua vida em expiação,

ele terá descendência duradoura,

e fará cumprir com êxito a vontade do Senhor.

Por esta vida de sofrimento,

alcançará luz e uma ciência perfeita.

Meu Servo, o justo, fará justos inúmeros homens,

carregando sobre si suas culpas.

Por isso, compartilharei com ele multidões

e ele repartirá suas riquezas com os valentes

seguidores, pois entregou o corpo à morte,

sendo contado como um malfeitor;

ele, na verdade, resgatava o pecado de todos

e intercedia em favor dos pecadores.
Palavra do Senhor.

A pessoa encarregada de ler o salmo coloca-se de pé, enquanto os outros permanecem sentados.

SALMO 30 (2. 6. 12-13. 15-16. 17. 25)

R/ Ó Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.

Senhor, eu ponho em vós minha esperança;

que eu não fique envergonhado eternamente!

Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito,

porque vós me salvareis, ó Deus fiel!

R/ Ó Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.

Tornei-me o opróbrio do inimigo,

o desprezo e zombaria dos vizinhos,

e objeto de pavor para os amigos;

fogem de mim os que me vêem pela rua.

Os corações me esqueceram como um morto,

e tornei-me como um vaso espedaçado.

R/ Ó Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.

A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio,

e afirmo que só vós sois o meu Deus!

Eu entrego em vossas mãos o meu destino;

libertai-me do inimigo e do opressor!

R/ Ó Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.

Mostrai serena a vossa face ao vosso servo,

e salvai-me pela vossa compaixão!

Fortalecei os corações, tende coragem,

todos vós que ao Senhor vos confiais!

R/ Ó Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.

O leitor encarregado da leitura se levanta, enquanto os demais participantes permanecem sentados.

SEGUNDA LEITURA
Leitura da Carta aos Hebreus (4,14-16; 5,7-9)

Irmãos:

Temos um sumo sacerdote eminente, que entrou no céu,

Jesus, o Filho de Deus.

Por isso, permaneçamos firmes na fé que professamos.

Com efeito, temos um sumo sacerdote

capaz de se compadecer de nossas fraquezas,

pois ele mesmo foi provado em tudo como nós,

com exceção do pecado.

Aproximemo-nos então, com toda a confiança,

do trono da graça,

para conseguirmos misericórdia e alcançarmos

a graça de um auxílio no momento oportuno.

Cristo, nos dias de sua vida terrestre,

dirigiu preces e súplicas,

com forte clamor e lágrimas,

àquele que era capaz de salvá-lo da morte.

E foi atendido, por causa de sua entrega a Deus.

Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a

obediência a Deus por aquilo que ele sofreu.

Mas, na consumação de sua vida,

tornou-se causa de salvação eterna

para todos os que lhe obedecem.
Palavra do Senhor.

EVANGELHO

Todos se levantam. Eleva-se a aclamação antes do Evangelho.

R/ Honra e glória a Ti, Senhor Jesus.

Salve, Rei nosso, obediente ao Pai,

foste levado à crucificação

como cordeiro manso à matança.
R/ Honra e glória a Ti, Senhor Jesus.

A leitura da passagem evangélica será realizada segundo a atribuição de papéis assinalada no início.

✙: Jesus, C/: Cronista, S/: outros personagens

Se entre os presentes houver crianças ou pessoas que precisem, elas podem se sentar.
Paixão de nosso Senhor Jesus Cristo segundo João 18, 1–19,42

C/ Naquele tempo:

Jesus saiu com os discípulos

para o outro lado da torrente do Cedron.

Havia aí um jardim, onde ele entrou com os discípulos.

Também Judas, o traidor, conhecia o lugar,

porque Jesus costumava reunir-se aí

com os seus discípulos.

Judas levou consigo um destacamento de soldados

e alguns guardas dos sumos sacerdotes e fariseus,

e chegou ali com lanternas, tochas e armas.

Então Jesus, consciente de tudo o que ia acontecer,

saiu ao encontro deles e disse:

‘A quem procurais?’
C/ Responderam:

S/ ‘A Jesus, o nazareno’.
C/ Ele disse:

‘Sou eu’.
C/ Judas, o traidor, estava junto com eles.

Quando Jesus disse: ‘Sou eu’,

eles recuaram e caíram por terra.

De novo lhes perguntou:
‘A quem procurais?’
C/ Eles responderam:

S/ ‘A Jesus, o nazareno’.
C/ Jesus respondeu:

‘Já vos disse que sou eu.

Se é a mim que procurais,

então deixai que estes se retirem’.
C/ Assim se realizava a palavra que Jesus tinha dito:

‘Não perdi nenhum daqueles que me confiaste’.

Simão Pedro, que trazia uma espada consigo,

puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote,

cortando-lhe a orelha direita.

O nome do servo era Malco.

Então Jesus disse a Pedro:
‘Guarda a tua espada na bainha.

Não vou beber o cálice que o Pai me deu?’

C/ Então, os soldados, o comandante e os guardas dos

judeus prenderam Jesus e o amarraram.

Conduziram-no primeiro a Anás, que era o sogro de

Caifás, o sumo sacerdote naquele ano.

Foi Caifás que deu aos judeus o conselho:

‘É preferível que um só morra pelo povo’.

Simão Pedro e um outro discípulo seguiam Jesus.

Esse discípulo era conhecido do sumo sacerdote

e entrou com Jesus no pátio do sumo sacerdote.

Pedro ficou fora, perto da porta.

Então o outro discípulo,

que era conhecido do sumo sacerdote, saiu,

conversou com a encarregada da porta

e levou Pedro para dentro.

A criada que guardava a porta disse a Pedro:
S/ ‘Não pertences também tu aos discípulos desse homem?’
C/ Ele respondeu:

S/ ‘Não’.
C/ Os empregados e os guardas fizeram uma fogueira

e estavam-se aquecendo, pois fazia frio.

Pedro ficou com eles, aquecendo-se.

Entretanto, o sumo sacerdote interrogou Jesus

a respeito de seus discípulos e de seu ensinamento.

Jesus lhe respondeu:
‘Eu falei às claras ao mundo. Ensinei sempre na

sinagoga e no Templo, onde todos os judeus se reúnem.

Nada falei às escondidas.

Por que me interrogas? Pergunta aos que ouviram o que

falei; eles sabem o que eu disse.’
C/ Quando Jesus falou isso, um dos guardas que ali estava

deu-lhe uma bofetada, dizendo:

‘É assim que respondes ao sumo sacerdote?’

Respondeu-lhe Jesus:

‘Se respondi mal, mostra em quê;

mas, se falei bem, por que me bates?’
C/ Então, Anás enviou Jesus amarrado para Caifás,

o sumo sacerdote.

Simão Pedro continuava lá, em pé, aquecendo-se.

Disseram-lhe:
S/ ‘Não és tu, também, um dos discípulos dele?’
C/ Pedro negou:

S/ ‘Não!’
C/ Então um dos empregados do sumo sacerdote,

parente daquele a quem Pedro tinha cortado a orelha,

disse:

S/ ‘Será que não te vi no jardim com ele?’
C/ Novamente Pedro negou. E na mesma hora, o galo cantou.

C/ De Caifás, levaram Jesus ao palácio do governador.

Era de manhã cedo.

Eles mesmos não entraram no palácio,

para não ficarem impuros e poderem comer a páscoa.

Então Pilatos saiu ao encontro deles e disse:
S/ ‘Que acusação apresentais contra este homem?’
C/ Eles responderam:

S/ ‘Se não fosse malfeitor,

não o teríamos entregue a ti!’
C/ Pilatos disse:

S/ ‘Tomai-o vós mesmos

e julgai-o de acordo com a vossa lei.’
C/ Os judeus lhe responderam:
S/ ‘Nós não podemos condenar ninguém à morte’.
C/ Assim se realizava o que Jesus tinha dito,

significando de que morte havia de morrer.

Então Pilatos entrou de novo no palácio,

chamou Jesus e perguntou-lhe:
C/ ‘Tu és o rei dos judeus?’

Jesus respondeu:

‘Estás dizendo isto por ti mesmo,

ou outros te disseram isto de mim?’
C/ Pilatos falou:

S/ ‘Por acaso, sou judeu?

O teu povo e os sumos sacerdotes te entregaram a mim.

Que fizeste?’.
C/ Jesus respondeu:

‘O meu reino não é deste mundo.

Se o meu reino fosse deste mundo,

os meus guardas lutariam para que eu não

fosse entregue aos judeus.

Mas o meu reino não é daqui.’
C/ Pilatos disse a Jesus:

S/ ‘Então tu és rei?’
C/ Jesus respondeu:

‘Tu o dizes: eu sou rei.

Eu nasci e vim ao mundo para isto:

para dar testemunho da verdade.

Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz.’
C/ Pilatos disse a Jesus:

S/ ‘O que é a verdade?’
C/ Ao dizer isso, Pilatos saiu ao encontro dos judeus,

e disse-lhes:

S/ ‘Eu não encontro nenhuma culpa nele.

Mas existe entre vós um costume,

que pela Páscoa eu vos solte um preso.

Quereis que vos solte o rei dos Judeus?’
C/ Então, começaram a gritar de novo:
S/ ‘Este não, mas Barrabás!’ Barrabás era um bandido.

C/ Então Pilatos mandou flagelar Jesus.

Os soldados teceram uma coroa de espinhos

e colocaram-na na cabeça de Jesus.

Vestiram-no com um manto vermelho,

aproximavam-se dele e diziam: ‘Viva o rei dos judeus!’

E davam-lhe bofetadas.

Pilatos saiu de novo e disse aos judeus:
S/ ‘Olhai, eu o trago aqui fora, diante de vós,

para que saibais que não encontro nele crime algum.’
C/ Então Jesus veio para fora,

trazendo a coroa de espinhos e o manto vermelho.

Pilatos disse-lhes:

S/ ‘Eis o homem!’
C/ Quando viram Jesus,

os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar:
S/ ‘Crucifica-o! Crucifica-o!’
C/ Pilatos respondeu:

S/ ‘Levai-o vós mesmos para o

crucificar, pois eu não encontro nele crime algum.’
C/ Os judeus responderam:

S/ ‘Nós temos uma Lei,

e, segundo esta Lei, ele deve morrer,

porque se fez Filho de Deus’.
C/ Ao ouvir estas palavras, Pilatos ficou com mais medo ainda.

Entrou outra vez no palácio

e perguntou a Jesus:

S/ ‘De onde és tu?’
C/ Jesus ficou calado.

Então Pilatos disse:

S/ ‘Não me respondes?

Não sabes que tenho autoridade para te soltar

e autoridade para te crucificar?’
C/ Jesus respondeu:
‘Tu não terias autoridade alguma sobre mim,

se ela não te fosse dada do alto.

Quem me entregou a ti, portanto, tem culpa maior.’

C/ Por causa disso, Pilatos procurava soltar Jesus.

Mas os judeus gritavam:
S/ ‘Se soltas este homem, não és amigo de César.

Todo aquele que se faz rei, declara-se contra César’.
C/ Ouvindo estas palavras, Pilatos trouxe

Jesus para fora e sentou-se no tribunal,

no lugar chamado ‘Pavimento’, em hebraico ‘Gábata’.

Era o dia da preparação da Páscoa,

por volta do meio-dia.

Pilatos disse aos judeus:

S/ ‘Eis o vosso rei!’
C/ Eles, porém, gritavam:

S/ ‘Fora! Fora! Crucifica-o!’
C/ Pilatos disse:

S/ ‘Hei de crucificar o vosso rei?’
C/ Os sumos sacerdotes responderam:
S/ ‘Não temos outro rei senão César’.
C/ Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado,

e eles o levaram.

C/ Jesus tomou a cruz sobre si

e saiu para o lugar chamado ‘Calvário’,

em hebraico ‘Gólgota’.

Ali o crucificaram, com outros dois:

um de cada lado, e Jesus no meio.

Pilatos mandou ainda escrever um letreiro

e colocá-lo na cruz; nele estava escrito:

‘Jesus o Nazareno, o Rei dos Judeus’.

Muitos judeus puderam ver o letreiro, porque o lugar em

que Jesus foi crucificado ficava perto da cidade.

O letreiro estava escrito em hebraico, latim e grego.

Então os sumos sacerdotes dos judeus disseram a

Pilatos:

S/ ‘Não escrevas ‘O Rei dos Judeus’,

mas sim o que ele disse: ‘Eu sou o Rei dos judeus’.’
C/ Pilatos respondeu:

S/ ‘O que escrevi, está escrito’.

C/ Depois que crucificaram Jesus,

os soldados repartiram a sua roupa em quatro partes,

uma parte para cada soldado.

Quanto à túnica, esta era tecida sem costura,

em peça única de alto a baixo.

Disseram então entre si: ‘Não vamos dividir a túnica.

Tiremos a sorte para ver de quem será’.

Assim se cumpria a Escritura que diz:

‘Repartiram entre si as minhas vestes

e lançaram sorte sobre a minha túnica’.

Assim procederam os soldados.

C/ Perto da cruz de Jesus, estavam de pé

a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas,

e Maria Madalena.

Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que

ele amava, disse à mãe:

‘Mulher, este é o teu filho’.
C/ Depois disse ao discípulo:

‘Esta é a tua mãe’.
C/ Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.

C/ Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado,

e para que a Escritura se cumprisse até o fim,

disse:

‘Tenho sede’.
C/ Havia ali uma jarra cheia de vinagre.

Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre

e levaram-na à boca de Jesus.

Ele tomou o vinagre e disse:

‘Tudo está consumado’.
C/ E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

O leitor apaga a vela. Todos se ajoelham e fazem uma breve pausa.

C/ Era o dia da preparação para a Páscoa.

Os judeus queriam evitar

que os corpos ficassem na cruz durante o sábado,

porque aquele sábado era dia de festa solene.

Então pediram a Pilatos

que mandasse quebrar as pernas aos crucificados

e os tirasse da cruz.

Os soldados foram

e quebraram as pernas de um e depois do outro

que foram crucificados com Jesus.

Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava

morto, não lhe quebraram as pernas;

mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança,

e logo saiu sangue e água.

Aquele que viu, dá testemunho e seu testemunho é

verdadeiro; e ele sabe que fala a verdade,

para que vós também acrediteis.

Isso aconteceu para que se cumprisse a Escritura,

que diz: ‘Não quebrarão nenhum dos seus ossos’.

E outra Escritura ainda diz:

‘Olharão para aquele que transpassaram’.

Depois disso, José de Arimatéia,

que era discípulo de Jesus

– mas às escondidas, por medo dos judeus –

pediu a Pilatos para tirar o corpo de Jesus.

Pilatos consentiu.

Então José veio tirar o corpo de Jesus.

Chegou também Nicodemos,

o mesmo que antes tinha ido a Jesus de noite.

Trouxe uns trinta quilos de perfume

feito de mirra e aloés.

Então tomaram o corpo de Jesus

e envolveram-no, com os aromas, em faixas de linho,

como os judeus costumam sepultar.

No lugar onde Jesus foi crucificado, havia um jardim

e, no jardim, um túmulo novo,

onde ainda ninguém tinha sido sepultado.

Por causa da preparação da Páscoa, e como o túmulo

estava perto, foi ali que colocaram Jesus.

Palavra da Salvação.

O Evangelho conclui sem aclamação. Todos se sentam, e o condutor volta a ler lentamente, como se fosse um eco distante:

No profundo do nosso coração marcado pelo pecado,

deixemos ecoar esta palavra do Senhor,

que é endereçada pessoalmente a cada um de nós:

“Ele disse: ‘Tudo está consumado’.

E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.”

Permanecemos cinco minutos em silêncio para meditar. Em seguida, todos se levantam para rezar nesta Sexta-feira Santa as grandes intenções de oração da Igreja e do mundo.

ORAÇÃO UNIVERSAL

I. Pela santa Igreja

Todos juntos dizem:

Oremos, irmãos caríssimos, pela santa Igreja de Deus, para que o Senhor lhe dê a paz, a confirme na unidade e a proteja em toda a terra, e a todos nós conceda uma vida calma e tranquila, para glória de Deus Pai todo-poderoso.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e omnipotente, que em Jesus Cristo revelastes a vossa glória a todos os povos da terra, protegei a obra da vossa misericórdia, para que a Igreja, dispersa por todo o mundo, persevere firme na fé para dar testemunho do vosso nome. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

II. Pelo Papa

Todos juntos dizem:

Oremos pelo nosso Santo Padre, o Papa N., para que Deus nosso Senhor, que o elevou ao episcopado, o conserve e defenda na sua Igreja para governar o povo santo de Deus.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, que tudo governais com sabedoria, atendei favoravelmente as nossas súplicas e, por vossa bondade, protegei o Pastor que escolhestes para a vossa Igreja, a fim de que o povo cristão, governado por Vós sob a direção do Sumo Pontífice, progrida sempre na fé. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

III. Por todos os ministros e pelos fiéis

Todos juntos dizem:

Oremos pelo nosso bispo Francisco e por todos os bispos, presbíteros e diáconos, pelos que exercem na Igreja algum ministério e por todo o povo de Deus.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, cujo Espírito santifica e governa todo o corpo da Igreja, ouvi as súplicas que Vos dirigimos por todos os membros da comunidade cristã e fazei que, ajudados pela vossa graça, todos Vos sirvam com fidelidade. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

IV. Pelos catecúmenos

Todos juntos dizem:

Oremos pelos (nossos) catecúmenos, para que Deus nosso Senhor os ilumine interiormente e lhes abra as portas da sua misericórdia, de modo que, recebendo o perdão de todos os seus pecados pela água regeneradora do Baptismo, sejam incorporados em Jesus Cristo Nosso Senhor.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, que dais continuamente novos filhos à vossa Igreja, aumentai a fé e a sabedoria dos (nossos) catecúmenos, de modo que, renascendo na fonte batismal, sejam contados entre os vossos filhos de adoção. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

V. Pela unidade dos cristãos

Todos juntos dizem:

Oremos por todos os nossos irmãos que crêem em Cristo, para que Deus nosso Senhor lhes dê a graça de viverem a verdade em suas obras e os reúna e guarde na unidade da sua Igreja.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, que reunis os vossos fiéis dispersos e os conservais na unidade, olhai propício para todo o povo de Cristo, para que vivam unidos pela integridade da fé e pelo vínculo da caridade todos aqueles que foram consagrados pelo mesmo Baptismo. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

VI. Pelos Judeus

Todos juntos dizem:

Oremos pelo povo judeu, para que Deus nosso Senhor, que falou aos seus pais pelos antigos Profetas, o faça progredir no amor do seu nome e na fidelidade à sua aliança.

Oração em silêncio. Depois o sacerdote diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, que confiastes as vossas promessas a Abraão e à sua descendência, atendei com bondade as preces da vossa Igreja, para que o povo da primeira aliança alcance a plenitude da redenção. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

VII. Pelos que não crêem em Cristo

Todos juntos dizem:

Oremos pelos que não crêem em Cristo, para que, iluminados pelo Espírito Santo, possam também eles encontrar o caminho da salvação.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, concedei aos que não crêem em Cristo que vivam de coração sincero na vossa presença, a fim de encontrarem a verdade, e a nós, vossos filhos, concedei também a graça de entrar profundamente no mistério de Cristo e de o viver fielmente na união da fraterna caridade, para darmos ao mundo o testemunho perfeito do vosso amor. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

VIII. Pelos que não crêem em Deus

Todos juntos dizem:

Oremos pelos que não crêem em Deus, para que, pela rectidão e sinceridade da sua vida, cheguem ao conhecimento do verdadeiro Deus.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, que criastes os homens para que Vos procurem, de modo que só em Vós descanse o seu coração, concedei-lhes que, no meio das suas dificuldades, compreendendo os sinais do vosso amor e o testemunho dos crentes, todos se alegrem de Vos reconhecer como único Deus verdadeiro e Pai de todos os homens. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

IX. Pelos governantes

Todos juntos dizem:

Oremos pelos governantes de todas as nações, para que Deus nosso Senhor dirija a sua mente e o seu coração segundo a sua vontade, para buscarem sempre a verdadeira paz e a liberdade de todos os povos.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, em cujas mãos estão os corações dos homens e os direitos dos povos, assisti os nossos governantes, para que, com o vosso auxílio, se fortaleça em toda a terra a prosperidade das nações, a segurança da paz e a liberdade religiosa. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

X. Pelos que padecem a pandemia do Covid-19

Oremos ao Deus da vida, salvação do seu povo, para que sejam consolados os que sofrem com a doença e a morte, provocadas pela pandemia do novo coronavírus; fortalecidos os que heroicamente têm cuidado dos enfermos; e inspirados os que se dedicam à pesquisa de uma vacina eficaz.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Ó Deus, nosso refúgio nas dificuldades, força na fraqueza e consolo nas lágrimas, compadecei-vos do vosso povo que padece sob a pandemia, para que encontre finalmente alívio na vossa misericórdia. Por Cristo, nosso Senhor. R. Amém.

Amém

XI. Pelos atribulados

Oremos, irmãos, a Deus Pai todo-poderoso, para que livre o mundo de todos os erros, afaste as doenças e a fome em toda a terra, abra as portas das prisões e liberte os oprimidos, proteja os que viajam e reconduza ao seu lar os emigrantes e os desterrados, dê saúde aos enfermos e a salvação aos moribundos.

Oração em silêncio. Depois o condutor diz:

Deus eterno e Todo Poderoso, consolação dos tristes e fortaleza dos que sofrem, ouvi as súplicas dos que Vos invocam nas tribulações, para que todos tenham a alegria de encontrar em suas dificuldades o auxílio da vossa misericórdia. Por Cristo, nosso Senhor.

Amém

ADORAÇÃO DA SANTA CRUZ

O condutor da celebração pega o crucifixo (ou a cruz) e diz:

Apresentarei em três ocasiões

a imagem da cruz,

sinal de nossa salvação.

Lentamente, apresentando a cruz,
levante um pouco os braços
e diga:

Eis o lenho da cruz,

onde foi pregado

o Salvador do mundo.

Todos respondem:

Vinde, adoremos.

Todos se ajoelham e mantêm um momento de silêncio.

Esta apresentação da cruz, com a fórmula pronunciada pelo condutor e a resposta dos presentes, deve ser feita três vezes. Em cada uma das ocasiões, todos se ajoelham, mantendo um momento de silêncio.

Após a veneração da cruz, o condutor da celebração introduz a oração de Pai Nosso.

Fiéis à recomendação do Salvador

e seguindo seu divino ensinamento,

ousamos dizer:

Reza-se o Pai Nosso

Pai Nosso que estais nos Céus,
santificado seja o vosso Nome,
venha a nós o vosso Reino,
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje,
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido,
e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do Mal.

E imediatamente todos prosseguem proclamando: 

Teu é o reino, o poder e a glória para sempre, Senhor.

O condutor segue dizendo: 

Acabamos de juntar nossa voz

à do Senhor Jesus para rezar ao Pai.

Nós somos filhos no Filho.

Na caridade que nos une,

renovados pela Palavra de Deus,

podemos trocar um gesto de paz,

sinal de comunhão

que recebemos do Senhor.

Todos trocam o gesto da paz.

Sentamo-nos.

COMUNHÃO ESPIRITUAL

O condutor diz:

Como não podemos receber a comunhão sacramental, o Papa Francisco nos convida urgentemente a realizar a comunhão espiritual, também chamada de “comunhão do desejo”. O Concílio de Trento nos lembra que “trata-se de um desejo ardente de alimentar-se deste pão celestial, unidos a uma fé viva que trabalha pela caridade, e isso nos torna participantes dos frutos e graças do Sacramento”. O valor da nossa comunhão espiritual portanto, depende da nossa fé na presença de Cristo na Eucaristia, como fonte de vida, amor e unidade, e de nosso desejo de receber a Comunhão, apesar de tudo.

Silêncio

Convido vocês a reclinarem a cabeça

e fecharem os olhos, recolhendo-se em seu espírito.

No mais profundo de nossos corações

deixemos crescer o desejo ardente de nos unirmos a Jesus,

em comunhão sacramental,

e de fazer que seu amor se faça vivo em nossas vidas,

amando nossos irmãos e irmãs como Ele nos amou.

Permanecemos cinco minutos em silêncio em um diálogo de coração a coração com Jesus Cristo.

ORAÇÃO

Todos ficam em pé. O condutor da celebração diz:

Deus eterno e omnipotente, que nos renovastes pela gloriosa morte e ressurreição de Jesus Cristo, confirmai em nós a obra da vossa misericórdia, a fim de que, pela comunhão neste mistério, Vos consagremos toda a nossa vida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Amém

Com as mãos juntas, o condutor da celebração pronuncia em nome de todos a oração de bênção:

Derramai, Senhor, a vossa bênção sobre este povo que celebrou a morte do vosso Filho na esperança da sua ressurreição; concedei-lhe o perdão e o conforto, aumentai a sua fé e confirmai-o na esperança da salvação eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco, na unidade do Espírito Santo.

Amém

Todos fazem o sinal da cruz.
Os pais podem fazer o sinal da cruz na testa dos filhos pequenos.
É possível concluir a celebração elevando um cântico à Virgem Maria.

* * *

Para seguir santificando a sua Sexta-feira Santa, reviva a Via Sacra. Nesta página da Aleteia você encontra as meditações da Via Sacra e também pode assistir à transmissão ao vivo dessa cerimônia com o Papa Francisco.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CoronavírusJesusQuaresmaSemana Santa
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia