Aleteia

Quarentena ensina importância de manter a casa limpa

RELATIONSHIP
Unsplash - CC0
Compartilhar

Isolamento é uma oportunidade para refletir sobre cuidado com o corpo, com o lar, com o planeta 

Salmo 104:13: “Do alto de tua morada, rega os montes; a Terra farta-se ao fruto de tuas obras”. 

Se tem uma coisa que essa quarentena já me ensinou foi a manter a casa em ordem. Além de eu ter dispensado a diarista (pela segurança dela, a quem continuo pagando), que uma vez por semana virava minha casa do avesso em uma busca obsessiva pelo último grão de poeira, como tenho passado tanto tempo aqui, detalhes que antes não me incomodavam passaram a me incomodar. 

Se antes eu lavava a louça – na maioria copos e canecas, pois costumava comer muito fora – uma vez por semana, agora o faço após cada refeição. E não consigo ir dormir com uma colher em cima da pia, com roupas na poltrona ou qualquer outra coisa fora do lugar. Minha casa, no momento, é tudo que eu tenho, é meu santuário, e cabe só a mim deixá-la da maneira mais agradável, confortável e habitável possível. 

Ou seja, ao impor que eu ficasse tanto tempo em casa, o necessário isolamento social me fez valorizar e usufruir melhor da minha casa. O que me levou a refletir sobre o corpo e o planeta, as outras casas onde vivemos.

Antes mesmo da quarentena eu já vivia no meu corpo. Aliás, é o único espaço onde habitei cada um dos meus dias Terra – além da própria Terra. Tanto tempo em casa me fez voltar a percebê-lo. Regulei meu sono, passei a prestar atenção nos alimentos que ingiro, a apalpar, sentir e lavar os frutos e vegetais das refeições. Passei a prestar atenção em como meu corpo reage a alimentos tóxicos ou pouco saudáveis, a muito tempo sentado na mesma posição no sofá, aos efeitos de passar horas a fio no computador.

Decidi usar o tempo que antes eu gastava em deslocamento para me exercitar. Faço exercícios funcionais por vídeos na internet, pulo corda, pratico yoga, Em muito pouco tempo, esse hábito me trouxe tanto bem-estar que me fez questionar por que eu não prestava atenção nisso antes. 

O que me leva a nossa principal morada, aquela passamos toda a nossa e que compartilhamos com todos os seres vivos, o planeta. Os benefícios do isolamento social para o meio-ambiente são inegáveis.

China, Itália, Alemanha, Reino Unido e 12 outros países registraram uma diminuição de 40% de dióxido de carbono e dióxido de nitrogênio. As emissões de carbono do setor hidrelétrico caíram 39% durante a quarentena na União Europeia.

Nos EUA, as previsões são de que caiam de 30% a 40% em 2020. Os norte-americanos devem usar o carro 40% menos do que no ano passado.

A poluição do ar mata um média de 4,2 milhões de pessoas ao ano, na maioria com asma, condições cardíacas e doenças respiratórias em geral. Isso sem falar nos prejuízos à flora e à fauna.  

A natureza começa a reagir. No final de fevereiro, os buracos ao redor do Mar Morto passaram a rapidamente se encher de peixes e outras formas de vida nunca vistas na região. Despertadas pelo recorde de chuva em Israel, trilhas de flores surgiram dos penhascos até a costa. E isso parece ser apenas o começo. 

A quarentena é uma grande oportunidade para refletirmos e aprendermos a cuidar da própria casa. Façamos bom proveito. 

Boletim
Receba Aleteia todo dia