Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Outra razão pela qual devemos ter esperança nos céus

© Shutterstock
Compartilhar

Se o sofrimento deste mundo nos derrubar, pare por um momento e imagine a felicidade que experimentaremos no céu!

Às vezes em nossas vidas, o Céu pode parecer um lugar distante e remoto. Podemos estar no meio de um sofrimento severo, ou depressão, e pensar no Céu simplesmente não nos consola.

No entanto, mesmo em nossas dificuldades, precisamos meditar frequentemente no Céu, nosso objetivo e destino final.

Uma maneira de fazer isso é pensar na felicidade que experimentaremos na visão beatífica de Deus.

Pe. Bertrand L. Conway reflete sobre esse aspecto do Céu em seu livro A Pulpit Commentary on Catholic Teaching, explicando como “a alma possuída pela Visão Beatífica é necessariamente abençoada com uma felicidade perfeita e eterna”.

Isso significa que nossa felicidade é “interminável” e nunca cessará! Isso é difícil para nossa mente entender. Pensamos na felicidade como aqueles momentos em nossas vidas em que éramos felizes, que frequentemente terminam tão rapidamente.

Há um desejo inato em toda alma pela felicidade, porque Deus a criou para si mesmo. Com demasiada frequência, o homem procura onde não pode ser encontrado. Ao procurar construir seu palácio da felicidade, ele geralmente estabelece as bases das riquezas do mundo, que parecem à primeira vista capazes de realizar todos os desejos do coração humano. Sobre esse fundamento, ele ergue todo tipo de prazer sensual e intelectual; amor, amizade, saúde, o orgulho, a glória deste mundo, a honra e o respeito de seus semelhantes. Ele alcançou a verdadeira felicidade? De maneira alguma, pois em um dia o turbilhão do infortúnio derruba seu palácio de satisfação e o enterra em suas ruínas.

Não podemos comparar nossa felicidade com a que está por vir, pois excederá nossos sonhos mais inimagináveis.

Em vez disso, precisamos pensar na felicidade que experimentamos na terra, devidamente ordenada a Deus, como vislumbre dessa felicidade verdadeira e permanente.

No céu, todo desejo verdadeiro encontrará sua perfeita satisfação, e todo mal deixará de existir para sempre. Haverá descanso e paz perfeitos para o corpo e a alma. Os pobres “nunca mais terão fome, nunca mais terão sede. Não cairá sobre eles sol, e nenhum calor abrasador” (Ap 7, 16). Os doentes e os sofredores serão fortes e felizes, pois Deus “enxugará toda lágrima de seus olhos e já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor” (Ap 21, 4).

Pe. Conway explica que nunca nos cansaremos dessa felicidade, pois ela será perfeita, sem defeito.

No Céu, nenhuma infelicidade é possível, porque o pecado, sua origem, é absolutamente banido… Nenhum tédio é possível, porque Deus nos dá a ajuda sustentadora do Seu infinito poder e amor. Todos os desejos da mente, vontade e coração serão eternamente gratificados.

Assim o Pe. Conway conclui sua reflexão: “elevem seus corações à glória e à felicidade que os aguardam no Palácio do Rei!”

Boletim
Receba Aleteia todo dia