Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Sem categoria
separateurCreated with Sketch.

Você ama Jesus? Então ame a religião também

SPAIN

Archimadrid / Ignacio Arregui (CC BY-NC-SA 2.0)

Tom Hoopes - publicado em 13/07/20

Não há sociedades sem religião. A crença no sobrenatural, em um mundo espiritual, é uma característica humana fundamental

“Odiar a religião e amar Jesus é uma heresia à procura de um nome”, tuitou recentemente o missionário @SteveMissionary. De fato é, e qualquer pai católico que defende a Igreja sabe disso.

Rejeitar a religião é mais popular do que nunca agora. As gerações mais jovens mostram seu desconforto com a religião ao diminuírem o comparecimento à igreja.

Meus filhos amam Lauren Daigle, cujo álbum mais recente inclui a música “Losing My Religion”, em que ela diz a Deus: “Estou perdendo minha religião – para encontrar você!” A música é uma versão mais suave do violento rap de Jefferey Bethke, “Eu odeio a religião, mas amo Jesus”, que se tornou viral no YouTube há oito anos, ajudou a inspirar uma capa da Newsweek e expressou um pensamento que está voltando.

Primeiro de tudo, é completamente compreensível o fato de as pessoas amarem Jesus, mas não a Igreja. Isso faz parte do apelo da série The Chosen. Há uma sensação de doce liberdade em assistir o bando de irmãs e irmãos acampando e rindo com o Deus-homem.

Sustentar isso contra os problemas que vimos na Igreja recentemente pode fazer com que “ir à igreja” pareça exagerado e pouco atraente. Mas isso é uma dicotomia falsa. Não enfrentamos uma escolha entre um simples e livre seguimento de Jesus, por um lado, e uma fantasia, mas falsa religiosidade, por outro. O que temos é uma escolha entre seguir o Jesus dos Evangelhos ou seguir um Jesus da nossa imaginação. Porque Jesus odiava a falsa religiosidade e abraçou a religião autêntica.

Ele foi extremamente crítico aos fariseus nos aspectos externos da religião, culminando nas palavras contundentes de Mateus 23. Jesus também viu o poder da religião para nos renovar internamente. “Não penses que vim abolir a lei e os profetas; Eu vim não para aboli-los, mas para cumpri-los ”, disse ele.

Ele renomeou Simão, dizendo: “Tu és Pedro, e sobre esta rocha edificarei minha Igreja”. Após sua ressurreição, ele foi aos apóstolos para estabelecer o Sacramento da Penitência. Quando ele dá conselhos sobre admoestar pecadores, dizendo: “Se eles se recusarem a ouvir a igreja, deixem-nos ser como gentios e cobradores de impostos”.

Portanto, se você é um cristão que acredita na Bíblia, não faz sentido amar a Jesus sem a Igreja. Por que Jesus ama a religião autêntica? Porque, por um lado, isso nos mantém responsáveis, comprometidos.

Nunca esquecerei o que ouvi de um padre britânico. Ele se lembrou de uma conversa que teve com um homem que alegava poder louvar e adorar a Deus muito melhor na natureza do que em uma igreja.

“Talvez você consiga”, disse o padre. “Mas deveria?”

Provavelmente não. Nós fomos feitos para a comunidade. Fomos feitos para compartilhar nossa vida com outras pessoas. Fomos feitos para nos perdermos e nos encontrarmos em algo maior que nós mesmos.

De fato, temos um forte impulso religioso, gostemos ou não. Chesterton disse que aqueles que rejeitam a Deus são “capazes de acreditar em qualquer coisa”. Novas gerações estão ocupadas provando que ele está certo.

“Por que os millennials gostam tanto de astrologia?” perguntou o site The Athlantic. A MTV informou que um terço da Geração Z escolhe quem namora com base na astrologia. A astrologia é antiga, arcaica, inconsistente e até perigosa – mas também é uma “tendência do século XXI”.

Muitas religiões se formam a partir de nossos melhores impulsos. Os tribunais da Grã-Bretanha definiram o veganismo como um sistema de crenças filosóficas com muito em comum com a religião, e eles têm razão. O lema vegano “tudo o que você come é uma escolha moral” soa como Levítico. O Catecismo adverte que até o exercício físico pode se tornar um “culto religioso ao corpo”.

Enfim, a questão não é sobre ter ou não religião. É sobre qual religião ter.

O antropólogo Peter Peregrine disse disse ao site PBS: “Não há sociedades sem religião. A crença no sobrenatural, em um mundo espiritual, é uma característica humana fundamental. Faz parte da condição humana.”

Digo aos meus filhos que, gostem ou não, eles terão uma religião. Então, é melhor abraçar o catolicismo. Isso ficará menos estranho quando eles encontrarem Jesus.


JOY

Leia também:
Por que precisamos da religião em um mundo globalizado?

Tags:
AteismoReligião
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia